Territórios ameaçados pelo aumento do nível dos oceanos

O mar está batendo à porta das casas de quem mora nas zonas costeiras. Os Governos constroem diques, mas há lugares que serão inundados

Estacionamento de táxi em Hoboken, Nova Jersey, inundado após a passagem do furacão Sandy, em 2012.
Estacionamento de táxi em Hoboken, Nova Jersey, inundado após a passagem do furacão Sandy, em 2012.CHARLES SYKES (AP)

Mais informações

Grandes metrópoles como Nova York, ilhas canadenses banhadas pelo Atlântico, países que tradicionalmente se protegem das águas, como a Holanda, e zonas do Senegal – onde já existem deslocados pelo clima – enfrentam a subida do nível do mar. Esse aumento é um dos efeitos mais evidentes da mudança climática. Para tentar combatê-lo, uma parte importante da comunidade internacional se reunirá dentro de uma semana em Nova York num evento patrocinado pela ONU. O derretimento do Ártico e das geleiras por causa do aquecimento soma-se ao urbanismo descontrolado em muitas zonas do planeta. Algumas cidades e regiões já tomam medidas para não serem engolidas.

Nova York enfrenta o problema

A subida dos mares que acompanhou o furacão Sandy, em 2012, expôs os pontos mais vulneráveis da cidade dos arranha-céus. Em março, foi apresentado um plano urbanístico para proteger a zona baixa de Manhattan do aumento do nível das águas, que inclui, entre outras medidas, a criação de um dique de contenção e a expansão do terreno até o rio em Wall Street, com um custo estimado em 10 bilhões de dólares (40 bilhões de reais). Os estudos científicos revelam que 37% da zona pode sofrer inundações em 2050 se persistir a aceleração dos efeitos da mudança climática. O nível do mar subirá quase dois metros até 2100.

O plano inclui a elevação de vários parques na beira da ilha de Manhattan e soluções técnicas que poderiam ser usadas nas tempestades. Mesmo com essas iniciativas, o distrito financeiro ainda não estaria protegido o suficiente contra as enchentes. Cerca de 30% da zona ficaria exposta. Por isso, seria necessária uma nova expansão para dentro do rio. Tecnicamente, as orlas deveriam ser ampliadas, no equivalente a dois blocos de edifícios. Assim seria criada uma nova faixa de terreno elevada, que estaria seis metros acima do nível do mar. A ideia é que o processo de planejamento dos engenheiros finalize em 2021. As outras iniciativas em marcha incluem um quebra-mar para proteger Staten Island e dunas artificiais nas praias de Rockaways, no Queens.

Diques na Holanda

A Holanda é cortada por grandes rios, como o Reno, o Mosa e o Escalda, e protegida por uma rede de barreiras. Isso porque 59% de seu território corre risco de enchente, 26% está abaixo do nível do mar e 29% pode ser inundado se os rios transbordarem. Além disso, as barreiras resguardam menos de 4% da terra em perigo. Com um aumento de dois graus centígrados no Mar do Norte, as águas poderiam subir entre um e dois metros, segundo a comissão gestora do Plano Delta, que aborda a ameaça.

Torre de observação do dique Afsluitdijk.
Torre de observação do dique Afsluitdijk.WikiCommons

Essa subida poderia levar ao fechamento, talvez permanente, das barreiras contra o mar. Elas foram erguidas no sul e no sudoeste do país após a inundação de 1953, que causou 1.800 mortes. Entre as ideias estudadas hoje, incluem-se: deixar uma certa entrada às marés para que os sedimentos reforcem a costa, manter os diques marítimos e tornar mais resistentes os diques fluviais. Para proteger as margens dos rios, pode-se rebaixar o leito fluvial em alguns trechos para que possa suportar mais água. Ou permitir inundações controladas em zonas de pastagem. Prevê-se também reforçar a barreira que fecha o Zuiderzee (Mar do Sul), no noroeste do país, com 75.000 bloques de cimento de 6.500 quilos cada.

Deslocados no Senegal

Nos últimos cinco anos, cerca de 300 casas na costa de Saint Louis, uma bela cidade de arquitetura colonial e a mais ameaçada pela subida do mar em toda a África ocidental, foram destruídas ou danificadas por um oceano que há 50 anos estava a dezenas de metros e hoje bate às suas portas.

Pirogas no rio Senegal, em Saint Louis.
Pirogas no rio Senegal, em Saint Louis.Rafael Pola

Em Goxu Bathe, Thierno Gueye mostra as obras de um dique de três metros de altura que atravessa a praia ao longo de dois quilômetros. “Isso não servirá para nada”, diz. É uma obra de urgência financiada em conjunto pelos Governos do Senegal e da França. Basta dar uma olhada nos cômodos desabitados de dezenas de casas e na escola de Guet Ndar para entender a desconfiança. Em terra, em Djougop, 580 pessoas receberam na última segunda-feira as chaves de suas casas provisórias, após passarem mais de três anos em tendas em péssimas condições em Khar Yalla. São os primeiros deslocados pela erosão costeira que foram reassentados. Para os próximos meses, está previsto o início da construção de suas casas definitivas. O Banco Mundial pretende que 10.000 pessoas se instalem aqui, num ambicioso plano com um custo estimado em 24,4 milhões de euros (110 milhões de reais).

A mudança climática exerceu seu papel, mas muitos cidadãos acreditam que o problema foi agravado com a abertura de uma fenda artificial, em 2003, para que o rio Senegal desembocasse no mar, devido ao grave risco de desaparecimento da ilha sobre a qual a cidade foi construída. Isso mudou a dinâmica do fluxo de areia e do escoadouro do rio, provocando inundações ao sul, em Gandiol.

Ilhas do Canadá

Em média, o país esquenta duas vezes mais rápido que o resto do globo, segundo um relatório apresentado em abril pelos ministérios do Meio Ambiente e da Pesca e Oceanos do Canadá. Os povos indígenas são os mais afetados até o momento. Um dos exemplos mais graves é a ilha Lennox, na província da Ilha do Príncipe Eduardo, onde vivem cerca de 450 membros do povo Micmac. As águas atlânticas já devoraram mais de 5.000 metros quadrados ali e, segundo cientistas da Universidade da Ilha do Príncipe Eduardo, 50% do total de sua superfície poderia desaparecer em menos de 50 anos. A ausência de costas rochosas – predomina a areia e o arenito – e a pequena altura a tornam presa fácil da erosão. Mas os pesquisadores destacam que a mudança climática está acelerando o processo.

Os Micmac receberam financiamento para realizar avaliações e criar um plano de emergência. Com as próprias mãos, construíram barreiras para proteger o cemitério, por exemplo. O problema é que falta material rochoso para essas obras na ilha, e transportá-lo de outros lugares seria muito caro. Mais cedo ou mais tarde, o mar vencerá. Parece que a solução a médio prazo será a mudança dos habitantes para áreas da ilha distantes da costa.