Protestos na Venezuela em meio ao impasse entre Maduro e Guaidó

OEA e ONGs de direitos humanos falam em 16 mortos e 278 presos desde segunda nos protestos. Governo repudia tentativa da oposição de assumir o poder, apesar do apoio dos EUA e Brasil

Manifestantes em Caracas nesta quarta-feira, 23 de janeiro, pedem a renúncia de Nicolás Maduro.
Manifestantes em Caracas nesta quarta-feira, 23 de janeiro, pedem a renúncia de Nicolás Maduro. Edilzon Gamez (Getty Images)
Mais informações
Oposição venezuelana se fortalece nas ruas e aumenta pressão internacional
Cúpula militar da Venezuela cerra fileiras com Maduro

O impasse na Venezuela continua nesta quinta-feira, um dia após o líder da oposição, Juan Guaidó, mandatário da Assembleia Nacional, se autoproclamar presidente interino do país, e o presidente Nicolás Maduro afirmar que não se rende. Dezenas de milhares de pessoas foram às ruas em Caracas na quarta-feira, na mais volumosa manifestação contra o Governo venezuelano desde 2017. A Organização dos Estados Americanos fala em 16 mortos nos protestos desde a última segunda-feira, 21 de janeiro, enquanto o Observatorio Venezonalo de Conflictividad Social diz que 278 foram presos. A presidência interina e autoproclamada por Guaidó recebeu o apoio dos presidentes dos EUA, Donald Trump, e do Brasil, e Jair Bolsonaro. Mas México, Uruguai, em com certo matiz, a União Europeia, evitaram o endosso à oposição venezuelana. O país vive agora horas cruciais e aguarda os próximos passos de Maduro e da oposição.

Veja os destaques da cobertura:

Acompanhe em tempo real a cobertura da Venezuela:

Heloísa Mendonça

EUA pedem reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre Venezuela

Os Estados Unidos pediram uma reunião do Conselho de Segurança da ONU para tratar da crise na Venezuela. O encontro foi solicitado para sábado e deve contar com o secretário de Estado americano, Mike Pompeo.

Marina Novaes

Militares venezuelanos descartam apoiar Guaidó

O ministro de Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino, afirmou nesta quinta-feira que o Governo jamais aceitará um golpe contra Nicolás Maduro.

"Não vamos tolerar atos de vandalismo nem de terrorismo", afirmou. "As Forças Armadas não aceitarão jamais um presidente imposto", declarou o ministro, em referência à Juan Guaidó.

O ministro leu um comunicado em que compara a autoproclamação de Guaidó como presidente interino à tentativa de golpe de Estado contra hugo Chávez em 2002.

Marina Novaes

O papa Francisco evitou se pronunciar sobre os acontecimentos que sacodem a Venezuela. Em seu discurso de abertura da Jornada Mundial da Juventude, na Cidade do Panamá, o pontífice falou sobre o combate à corrupção e os "direitos ao futuro" dos jovens. É a primeira vez que a JMJ acontece em um país da América Central.

Foto: Bienvenido Velasco / EFE. 

Joana Oliveira

No Twitter, Maduro utlizou, mais uma vez, o legado de Hugo Chávez para argumentar que a proclamação de Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela é só uma manobra dos EUA para tirá-lo do poder.

 

Joana Oliveira

As manifestações a favor de Nicolás Maduro na quarta-feira foram ínfimas se comparadas com os protestos organizados pela oposição. Diosdado Cabello, primeiro vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) e um dos pesos-pesados ​​do chavismo, chegou a pedir uma "vigília" em frente ao palácio presidencial em apoio a Maduro, mas, finalmente, isso não aconteceu.

Marina Novaes

Crise venezuelana expõe a divisão internacional

A autoproclamação de Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela procovou uma onda de reações internacionais.

Estão a favor do opositor: o Brasil, os EUA, o Canadá e a Organização dos Estados Americanos.

Declararam apoio ao presidente Nicolás Maduro: China, Rússia e Turquia.

Os que defendem diálogo: a Organização nas Nações Unidas, a União Europeia e o México. A Espanha, por sua vez, defende que a oposição convoque novas eleições democráticas.

Leia mais na reportagem (em espanhol): http://cort.as/-EAmD

Marina Novaes

Comissão Europeia rechaça apoio explícito à oposição

Por outro lado, a Comissão Europeia, braço executivo da União Europeia, rechaçou reconhever explicitamente o líder opositor venezuelano como presidente interido do país. De acordo com a agência Reuters, a comissão defende que o impasse político na Venezuela evolua para "novas eleições livres". "Estamos com as forças democráticas do país", disse um porta-voz da Comissão.

Marina Novaes

Governo Espanhol defende novas eleições

Pedro Sánchez, presidente do Governo Espanhol, conversou por dez minutos por telefone com Guaidó, e afirmou que eleições democráticas e transparentes são a saída "idônea e natural", segundo informações da agência Efe. Sanchéz, que se encontra no Fórum Econômico Mundial em Davos, transmitiu o apoio da União Europeia à Assembleia Nacional Venezuelana (comandada por Juan Guaidó), cuja lejitimidade considera "indiscutível", de acordo com fontes do Governo.

Sobre isso, Guaidó disse:

Marina Novaes

Juan Guaidó agradece apoio de Bolsonaro

Hoje também, Bolsonaro voltou a trocar mensagens com Guaidó, que agradeceu ao presidente brasileiro pelo apoio.

Marina Novaes

Repercussão nas Redes Sociais

Um dia após o presidente Jair Bolsonaro declarar apoio ao opositor Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente interino da Venezuela, o assunto mais comentado do Twitter na manhã desta quinta-feira era a hashtag #BrasilYvenezuelaConGuaidó.

 

Marina Novaes

Protestos deixam 278 presos, diz ONG

Já a ONG Observatorio Venezonalo de Conflictividad Social fala em 13 mortos por "impacto de bala", acusa as forças de segurança "e/ou grupos paramilitares" de atacar os manifestantes.

Gonzalo Himiob, diretor do Foro Penal Venezolano, afirma que 278 pessoas foram presas desde a última segunda-feira em decorrência das manifestações.

Marina Novaes

Governo venezuelano culpa a oposição pela violência

Diosdado Cabello, o número dois do Governo Maduro, atribui à violência aos grupos que protestam em Caracas. Sem espeficiar quem, diz que os manifestantes violentos estão "sendo pagos".

Marina Novaes

A informação foi confirmada por Paulo Abrão, Secretário Executivo da CIDH, órgão ligado à Organização dos Estados Americanos (OEA):

Marina Novaes

16 mortos em três dias de protestos na Venezuela

Retomamos a partir de agora a cobertura em tempo real dos protestos da oposição contra o Governo de Nicolás Maduro. 

A situação na Venezuela continua tensa nesta quinta-feira. De acordo com relatório da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), em três dias de protestos ao menos 16 pessoas morreram.

EL PAÍS BRASIL

Venezuela vai dormir com dois presidentes

Leia a reportagem completa da jornada e siga conosco nesta quinta com os desdobramentos da crise. Boa noite!

http://cort.as/-E9nR

EL PAÍS BRASIL

A crise e o tabuleiro diplomático do continente

No momento não há mudança de postura em relação à Venezuela, o México continua a reconhecer Nicolás Maduro como presidente do país”, disse a este jornal Jesús Ramírez, porta-voz do Governo López Obrador.

Veja a reportagem completa dos posicionamentos

http://cort.as/-E9nM

 

EL PAÍS BRASIL

Apoio dos bairros pobres de Caracas marca jornadas recentes de protesto contra Maduro

O apoio dos bairros mais pobres de Caracas às mobilizações da oposição é uma das notícias mais relevantes dos últimos dias. Embora seu apoio ininterrupto à causa de Chávez esteja perdendo força há anos, também nessas áreas, "o apoio tão veementemente demonstrado pelas favelas de Caracas nos últimos três dias é sem precedentes", aponta Hector Pereira, da agência EFE, em Caracas. "No entendimento oficial de que todos os pobres o apoiam, esses opositores excepcionais transgrediram a norma e impuseram sua marca em uma manifestação que, como sempre, teve maior participação nas áreas da classe média da capital da Venezuela, considerados bastiões do anti-Chávez. "

EL PAÍS BRASIL

"Basta", diz FHC a Maduro

EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL

EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL

União Europeia pede novas eleições, mas não cita Guaidó

Conta o correspondente do EL PAÍS em Bruxelas.

EL PAÍS BRASIL
Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS