Seleccione Edição
Login

Como reinventar a esquerda latino-americana

A guinada conservadora na região e o desvio autoritário de Venezuela e Nicarágua obrigam as forças progressistas, exitosas no início do século, a buscar novas fórmulas

Como reinventar a esquerda latino-americana

A orgia de poder da esquerda latino-americana no início do século XXI acabou. O vermelho que tingia o mapa do continente até há pouco tempo assumiu uma tonalidade azul. O último golpe foi a vitória de Jair Bolsonaro há uma semana no Brasil. O maior país da América Latina será governado a partir de 1º de janeiro por um político nostálgico da ditadura militar, que uma semana antes de sua vitória prometeu “varrer os vermelhos do mapa”, e a eles ofereceu duas saídas: a prisão ou o exílio.

Em menos de um ano, o Chile voltou-se novamente à direita, e Iván Duque, na Colômbia, conseguiu deter a ascensão da esquerda. Só a vitória de Andrés Manuel López Obrador nas últimas eleições do México ofereceu uma leve esperança à esquerda. Que logo foi minada pelo interesse nulo do novo presidente mexicano —que assume o cargo em dezembro— a olhar mais ao sul de seu país. Entretanto, o desvio autoritário dos governos de esquerda na Venezuela e Nicarágua se aprofunda. O desafio para evitar que o caminho de volta ao poder se torne uma travessia no deserto é imenso.

José Mujica, o octogenário ex-presidente uruguaio e grande referência da esquerda latino-americana, lançou um tipo de SOS depois da vitória de Bolsonaro para quem quisesse ouvir: “É preciso aprender com os erros cometidos e começar de novo. Tampouco acreditar que quando vencemos tocamos o céu com a mão e chegamos a um mundo maravilhoso. Mal subimos um degrau. Não há derrota definitiva, nem triunfo definitivo”.

A esquerda que chegou a governar em quase toda a região na última década era diversa. O pêndulo oscilava da centro-esquerda de Concertación chilena e Frente Amplio do Uruguai até o extremo mais autoritário do militar Hugo Chávez na Venezuela, apoiado pela Cuba de Fidel Castro. No meio, Néstor e Cristina Kirchner reformularam o populismo de esquerda na Argentina, e Lula no Brasil e Evo Morales na Bolívia —ambos sindicalistas, vindos dos movimentos sociais antiliberais— desenvolveram, pelo menos em seus primeiros mandatos, uma política macroeconômica estável e uma política externa pragmática, sobretudo no caso brasileiro, e mais difusa no caso do presidente boliviano.

Diferentemente dos atuais Governos conservadores, que não agem como bloco, aquela esquerda se aglutinou em órgãos de integração como a União de Nações Sul-Americanas (Unasul), a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC) e a Aliança Bolivariana para os Povos de nossa América (ALBA), todos eles hoje em ruínas. “Na segunda metade do século XX as elites e muitos eleitores passaram durante anos a imagem de que a esquerda não podia governar por ser violenta e revolucionária, ou que quando o fez, como com Allende no Chile, tinha fracassado. Seu desafio no século XXI era demonstrar que podia governar, e em boa medida o fizeram”, afirma Steven Levitsky, professor de Harvard e coautor de Como morrem as democracias.

A esquerda que chegou ao governo era diversa. O pêndulo oscilava desde a Frente Amplio do Uruguai até o extremo mais autoritário de Hugo Chávez na Venezuela

A força da esquerda no continente foi alimentada —quando não engordada— pela bonança petroleira e os altos preços das matérias-primas, que permitiram desenvolver projetos ambiciosos de redistribuição de riqueza. Os Governos reduziram a pobreza, a desigualdade. Também —exceto em casos como os do Brasil, Uruguai e Chile— intensificaram o controle sobre os meios de comunicação, e os dirigentes buscavam, seguindo a estrela do onipresente Chávez, ser reeleitos ou perpetuados no poder.

A queda do preço do petróleo freou drasticamente o crescimento de muitos países, mas não parece ser o único motivo do colapso da esquerda. “No processo de reconstrução das elites econômicas, a corrupção escalou”, opina o historiador cubano Rafael Rojas, que aponta a trama da Odebrecht, o gigantesco caso de subornos e oferta de obras públicas que estourou no Brasil e salpicou a classe política de quase todo o continente, como paradigma regional.

De alguma maneira, a esquerda não soube administrar o sucesso, consolidá-lo. O discurso antiestablishment com o qual se destacavam da oligarquia e das classes políticas tradicionais, que lhes serviu para chegar ao poder, virou. “Milhões de pessoas que não necessariamente compartilhavam uma ideia positiva do que a esquerda fazia no Governo se ativaram politicamente”, opina Sandra Borda, cientista política da Universidad de los Andes, na Colômbia. “O grande erro foi não construir instituições sólidas. Em muitos casos os objetivos propostos foram alcançados, mas sem mudar a maneira, e a maneira é importantíssima. As pessoas acabaram esquecendo os fins, porque os meios para alcançá-los foram os mesmos. E a direita sabia que a esquerda seria ainda mais cobrada por isso, e se encarregaria de fazê-la pagar”, acrescenta.

A força da esquerda no continente foi alimentada pela bonança petroleira e pelos altos preços das matérias-primas

O pêndulo começava a oscilar de novo ao mesmo tempo que a Venezuela, destacado expoente do socialismo do século XXI, aprofundava sua deriva autoritária e com isso a crise da esquerda na América Latina. Caracas se situa no epicentro desse colapso. Chávez, como em seu momento fez Castro, desenvolveu um trabalho político e dialético que o colocou no centro de tudo. A máxima de que ninguém podia ser de esquerda sem gostar de Chávez calou no imaginário de milhões de pessoas, não só latino-americanas. Apesar da heterogeneidade dos Governos progressistas, a Venezuela petrolífera de Chávez, com o apoio da Cuba castrista, se tornou líder regional. Só o carismático Lula conseguiu se erguer em contrapeso ao líder venezuelano até o fim de seu segundo mandato. Mas na época a subordinação a Caracas era majoritária.

“A crise atual da esquerda está diretamente relacionada à morte de Hugo Chávez e Fidel Castro e ao colapso da Venezuela. A maior evidência foi a guinada abertamente ditatorial dada nos últimos anos por Nicolás Maduro, na Venezuela, e Daniel Ortega, na Nicarágua”, opina nesse sentido o historiador Rafael Rojas. No entanto, enquanto a repressão empreendida pelo outrora inspirador líder sandinista foi criticada sem qualquer condescendência pela esquerda em nível global, certa ambiguidade segue pairando sobre a Venezuela. A crítica sem rodeios é um dos principais desafios para a nova geração de dirigentes. “Qualquer construção de uma liderança de esquerda na América Latina passa pelo ato de dissociar-se da Venezuela de Maduro. Com ele, o chavismo se viu reduzido a uma mera máquina para perpetuar-se no poder”, considera Humberto Beck, professor do Colegio de México. “Isso não deve ser confundido, no entanto, com uma condenação categórica de todas as experiências bolivarianas, muito diversas e complexas, incluindo a própria história, já quase de duas décadas, do chavismo”, acrescenta. Nesse sentido, Manuel Canelas, vice-ministro do Planejamento da Bolívia, de 36 anos, um dos novos dirigentes com mais projeção, opina que os que chegam agora “não têm por que comprar o ciclo anterior por inteiro, mas é necessário evitar que a direita imponha que você é herdeiro do Governo de Maduro ou dos últimos anos de Cristina Kirchner. Você deve poder criticar e evitar que a direita caracterize tudo que veio antes. E a primeira onda de dirigentes não precisa exigir continuidade de forma alguma”, acrescenta.

Chávez, como fez Castro em seu momento, desenvolveu um trabalho político e dialético que o colocou no centro de tudo

“O principal desafio da esquerda é reinventar-se para além dos dois modelos predominantes nas últimas décadas: o modelo bolivariano e o modelo social-democrata”, continua Beck. “Por vários motivos, ambos estão esgotados e exige-se algo mais.” Com os Governos conservadores, os avanços na conquista de direitos individuais foram bloqueados. Macri na Argentina recusou-se a apoiar a legalização do aborto; os líderes sindicais caem como insetos na Colômbia posterior à assinatura do acordo de paz; e a vitória de Bolsonaro alarmou mulheres, negros e ativistas LGBT, e colocou em evidência o poder da Igreja evangélica e sua agenda conservadora. Além disso, a xenofobia caminha de mãos dadas com os migrantes que continuam fugindo da América Central e da Venezuela. Porque a última contribuição do chavismo para a crise da esquerda foi forçar um êxodo em massa de venezuelanos, que deu asas aos conservadores mais recalcitrantes da região.

A rejeição às minorias é, no entanto, um fenômeno que não cabe apenas à América Latina. “Ninguém esperava esse tipo de reação diante do progressismo mundial. A aversão se internacionalizou mais do que esperávamos”, admite o professor de Harvard Steven Levitsky.

Com os Governos conservadores os avanços na conquista de direitos individuais foram bloqueados

Outro dos desafios que se propõem hoje é que nenhum dirigente de esquerda é capaz de assumir a liderança que um dia teve Chávez ou, em menor medida, Lula. Gustavo Petro, na Colômbia, e Fernando Haddad, no Brasil, não conseguiram, em boa parte pelo silêncio de outros líderes progressistas que preferiram não lhes dar um apoio explícito, à custa de que a direita e a extrema direita obtivessem a vitória. Em julho passado, as eleições no México deixaram um sabor agridoce para as forças progressistas. A vitória de López Obrador alçou a esquerda ao poder pela primeira vez, nem tanto talvez por seu credo, mas pelo das equipes que o rodeiam. Todos os líderes ao sul do México consideraram sua vitória um tipo de renascer da esquerda, mas as declarações do presidente eleito —“a melhor política externa é uma boa política interna”— prenunciam que não tem a menor intenção de unir esforços.

A esperança para a esquerda talvez resida nas mulheres, como Verónika Mendoza no Peru, Beatriz Sánchez no Chile ou Manuela D’Ávila (candidata a vice-presidente com Haddad), de quem se espera uma longa carreira política. E muitos olhares se concentram na gestão como prefeita de Claudia Sheinbaum na capital do México, a maior cidade de língua espanhola do mundo, como antessala de maiores aventuras.

MAIS INFORMAÇÕES