Obama entra em campanha com ataque devastador contra republicanos: “Trump é um sintoma, não a causa”

O ex-presidente pressiona os democratas a votar em massa: “Nossa democracia depende disso”

Obama, durante seu discurso desta sexta-feira em Illinois, no que atacou a Trump.VÍDEO: ATLAS / FOTO: JOHN GRESS (REUTERS)undefined
Mais informações
Rumores de sabotagem a Trump levam tempestade política à Casa Branca
Alto funcionário do Governo dos EUA diz que há um grupo de “resistência” interna contra Trump
Livro incendiário retrata governo Trump como “terra de loucos”

Barack Obama subiu na sexta-feira, dia 7 de setembro, a um palco em Illinois e se lançou de cabeça à campanha das eleições legislativas com um ataque duro e direto contra Donald Trump e o Partido Republicano, algo que o ex-presidente dos Estados Unidos, seguindo um desses códigos não escritos de Washington, tem tomado o cuidado de fazer desde que saiu da Casa Branca. Obama advertiu para o fato de que Trump “é um sintoma, não a causa” do populismo e urgiu os democratas a votar em massa em novembro: “Nossa democracia depende disso”.

O ex-presidente democrata atacou o republicano por todos os flancos e citou-o com nome e sobrenome, algo que não tinha feito desde o fim das eleições presidenciais de 2016. A raiva sobre a qual tanto se fala nos EUA é sincera em alguns cidadãos, disse, mas também é resultado de “uma manipulação de privilegiados e poderosos que querem nos manter divididos”. “Isso não começou com Donald Trump. Ele é um sintoma, não a causa. Ele só está capitalizando o ressentimento que os políticos estão estimulando há anos”, reforçou.

O discurso de Obama, pronunciado na Universidade de Urbana ao receber um prêmio que reconhece a ética no Governo, propõe as eleições legislativas de novembro como um referendo sobre Trump, e os primeiros compassos da campanha democrata estão apontando nesse mesma direção. Mas muitos republicanos recordam que no voto ao Congresso prevalecem muitos interesses territoriais e que os eleitores dissociarão as tolices do presidente da essência do partido.

O famoso artigo anônimo de opinião publicado no The New York Times na quarta-feira, no qual um suposto alto funcionário de Trump fala de um movimento de resistência de republicanos puros que controlam os desmandos do nova-iorquino, apresenta essa ideia: apesar de ter sido eleito “como republicano”, cita o autor, demonstra “pouca afinidade” com os princípios de liberdade de mercado, de pensamento e de pessoas que os conservadores se atribuem. No entanto, destaca o acerto de muitas das medidas adotadas durante seu mandato — redução fiscal e aumento do gasto militar — e evita citar um assunto tão discutido dentro do próprio partido como o migratório. Lança a seguinte mensagem: “Os americanos devem saber que há adultos no quarto”.

Obama, no entanto, dirigiu conscientemente sua diatribe aos republicanos, que, exceto honrosas exceções (o recém-falecido senador John McCain era uma delas), se calaram e deram seu aval às medidas trumpistas mais polêmicas. “O que aconteceu ao Partido Republicano? Seu princípio fundamental na política externa era lutar contra o comunismo, e agora estão ficando amigos do ex-chefe da KGB!”, exclamou, em referência à simpatia de Trump por Vladimir Putin, em um momento no qual o Krêmlin é acusado pelo Governo de interferir nas eleições e na política norte-americanas.

Denunciou a política do “medo e ressentimento”. “Não pretendo recorrer a Abraham Lincoln, mas isso não é o que tínhamos em mente quando ajudamos a criar o Partido Republicano. Não é conservador, mas sem dúvida não é normal, é radical”, destacou. Também recriminou os republicanos por seu silêncio nas críticas que o presidente lança contra o Departamento de Justiça, ao qual atacou diretamente por processar os políticos do partido e prejudicá-los nas eleições, assim como de ter empreendido uma “caça às bruxas” na investigação da citada trama russa. “Não deveria ser um assunto partidário não pressionar o procurador geral ou o FBI.” E lembrou a equidistância mostrada por Trump no verão de 2017 em relação aos movimentos suprematistas brancos: “Como pode ser tão difícil dizer que os nazistas são maus?”, afirmou.

O Partido Democrata tem em dois meses a oportunidade de reverter a onda conservadora (governam a Casa Branca, controlam o Congresso e são maioria no Supremo) depois do trauma das eleições presidenciais de 2016, quando uma candidata que parecia perfeita, Hillary Clinton, perdeu para um empresário e showman de discurso populista e incendiário que parecia fadado ao desastre. Uma das perguntas chave é quanto a marca Trump ainda acrescenta ou subtrai para os republicanos. Para os democratas, Obama continua com a cotação em altos patamares.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS