As evidências de que o brasileiro fez as pazes com a seleção (por enquanto)

Nas ruas de São Paulo, alguns são mais cautelosos, outros menos, mas há uma unanimidade: animou

Torcedores no jogo Brasil x México
Torcedores no jogo Brasil x MéxicoRovena Rosa (Agência Brasil)
Mais informações

Tem o torcedor que não quer nem ouvir falar, como o Carlos Alberto, gerente em uma loja de esportes: “7x1? Nunca ouvi falar. O que é isso mesmo?”. Tem outros mais ressabiados, como o Juliano Santos, que passando ali por perto diz: “Não dá pra esquecer, né? Ainda mais agora que a Coreia ganhou de 2 a 0 da Alemanha, que botou sete na gente”. Mas há o consenso. E este, na véspera das quartas de final, contra a Bélgica, está na boca de quase todo mundo: animou! Concordam o Carlos, o Juliano e todos os outros com quem o EL PAÍS conversou entre a região de comércio de rua do Largo da Batata e o Museu do Futebol, sediado no estádio do Pacaembu, tudo na zona oeste de São Paulo.

Se a sensação é de que o hexa vem aí, as vendas devem ter aumentado na loja que Carlos Alberto administra, certo? Não. “Bom mesmo deve estar pros camelôs, porque aqui ainda tá fraquinho”. Dito e feito. Se o único motivo do vendedor para comemorar é o desempenho da seleção, que, garante, será hexacampeão, o seu xará, Carlos Alberto Oliveira, dono de uma barraquinha vizinha da loja, tem outros. “No primeiro tempo contra o México eles dominaram e eu já estava vendo onde eu ia esconder as camisetas que ficam penduradas na barraca, mas depois a gente fez 2 a 0 e eu vendi tudo”, comemora o camelô. Mas esconder? É para tanto? “Pensei até em queimar elas. Sabia que se vencesse o povo ia animar, mas que se perdesse ia ser uma desgraça”. É assim mesmo, diz, oito ou oitenta.

O camelô também conta que nesta Copa já desenvolveu uma tática para saber qual camiseta vai vender: basta olhar pra cara e altura do cliente. Se for mais velho, vai pedir a do Gabriel Jesus ou a do Philippe Coutinho. Se for criança, vai querer a do Neymar, já que elas não estão nem aí para o técnico Juan Carlos Osorio, que tachou o atacante brasileiro de péssimo exemplo para los niños. “É que a criançada não conhece a inveja ainda, o Neymar é o melhor do time, vai falar mais o quê?”, diz o comerciante. A Jaqueline Batista, por exemplo, é uma que se animou com as vitórias. Em um outro camelô ali pertinho, diz que ficou empolgada com o jogo contra o México e resolveu comprar outra camiseta: “Essa é azul, que é pra mudar o look”.

Se tem gente que acha o 2 a 0 da Coreia do Sul contra os alemães um demérito ainda maior para a seleção brasileira, têm outros, como o Arthur de Brito, que acham que a eliminação da Alemanha, do jeito que foi, enterrou de vez essa história de 7 a 1. Afinal, águas passadas não movem moinho. A mãe do Arthur, que aproveitou a empolgação da Copa para conhecer o Museu do Futebol com a família, é mais cautelosa. “Isso vai ser sempre uma dor para a gente, porque o futebol tem muito de simbólico e aquilo foi muito humilhante, não dá para esquecer", pondera Daniela Brito. Os dois, que moram no Recife, estão de passagem por São Paulo e se empolgam ao falar das chances do atacante Firmino nos próximos jogos, afinal, ele é o único nordestino desta seleção.

Carlos Alberto Oliveira, camelô no largo da Batata, em São Paulo
Carlos Alberto Oliveira, camelô no largo da Batata, em São Paulo

Agora, mãe e filho também concordam que o hexa está cada vez mais perto. “Tem males que acontecem para o bem, depois do 7 x 1 o Dunga ainda assumiu, mas depois o Tite chegou para arrumar o time”, diz Arthur. No começo da Copa ele ainda ficou meio descrente. O empate contra a Suíça e depois a vitória sofrida contra a Costa Rica levantaram o alarme: será que vem tudo de novo? Mas agora a confiança está lá em cima. O jogo contra a Bélgica é visto como um dos mais importantes (e perigosos) entre 10 e 10 torcedores, mas o clima é de animação. “O Thiago Silva, para mim, é o símbolo de que aquilo ficou para trás. Em 2014, ele estava chorando em campo, hoje é um dos melhores zagueiros da Copa”, comenta Arthur.

Animada também está a família Mana, que aproveitou um dia de folga para matar as saudades do Pacaembu. Corintianos, eles sentem falta de assistir aos jogos por lá, agora que o time tem seu próprio estádio em Itaquera. “Tudo que está acontecendo é pela filosofia do Tite, ele jogava de um jeito no Corinthians e levou isso para a seleção. Com o Neymar mais tranquilo, preocupado só em jogar bola, o favoritismo é nosso”, diz o Edson Mana. E ele, mais velho, dá o lembrete: “Não adianta jogar bonito em um time cheio de craque, como foi em 1982 e 1986, e não levar nada para casa. Desta vez é nossa”. É cruel, mas, no final, o recado que fica de tudo que se ouve é o mesmo. É só ganhar que está tudo bem: esquece-se qualquer crítica ao time e se esquece também do 7x1, que na véspera das quartas contra a Bélgica, já vai longe da memória do torcedor.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: