O feminismo se volta para a prisão da argentina que matou o namorado

A prisão perpétua de Nahir Galarza pelo assassinato de Fernando Pastorizzo evidencia a complexidade de um caso marcado pelo debate da violência de gênero na Argentina

Nahir Galarza, em foto de seu Instagram.
Nahir Galarza, em foto de seu Instagram.

Mais informações

Na Argentina, existem o "caso Ángeles Rawson", o "caso Melina Romero", o "caso Lucía Pérez", o "caso Candela". Em todos eles, a atribuição dada pela imprensa corresponde ao nome da vítima, uma mulher, às vezes uma menina, assassinada por um homem. Nahir Galarza matou Fernando Pastorizzo com dois tiros, mas na Argentina não se fala no "caso Pastorizzo". O crime leva o nome de uma mulher, como os outros, mas, neste caso, de uma mulher que matou. Desde a noite daquele 29 de dezembro, quando o crime ocorreu, os argentinos conheceram todos os detalhes possíveis da causa, em meio a um pântano de informações que disse muito sobre como a sociedade assumiu os crimes de gênero.

O "caso Galarza" foi contaminado pelo debate social, em um país onde um feminicídio ocorre a cada 30 horas. Apenas alguns chegam à mídia, motivados pela violência inusitada dos eventos ou por alguma outra particularidade que os torna "diferentes". A morte de Pastorizzo foi diferente. Uma jovem de 19 anos de classe média e rosto angelical, estudante universitária em uma pacata cidade do interior do país, Gualeguaychú, mata com dois tiros seu namorado, de 20 anos. Depois, volta a pé para casa, posta uma foto no Instagram com sua vítima e a legenda "te amo para sempre, meu anjo", dorme tranquilamente e, no dia seguinte, confessa o crime à polícia. Impossível não se render à sedução informativa de tal caso.

Mas algo não funcionava bem. Grupos feministas, muito ativos na Argentina desde as manifestações de Ni Una Menos e o debate parlamentar sobre a legalização do aborto, imediatamente denunciaram que identificar o assunto como "caso Galarza" escondia uma leitura machista.

Poucas vezes o público soube tanto de uma presa. Como se fossem crônicas da imprensa de celebridades, os argentinos souberam pelos jornais de cada movimento da jovem Nahir na prisão, o que comia, quais eram suas leituras, se chorava sozinha ou se, pelo contrário, se mostrava fria e distante pela tragédia que havia provocado. Nas redes circularam à época mensagens de vingança: os homens encontraram sua algoz, exemplo de que as mulheres também matam.

Fernando Pastorizzo.
Fernando Pastorizzo.

As queixas feministas circularam como pólvora e aumentaram assim que Galarza recebeu a condenação à prisão perpétua. O tom das mensagens no Twitter pode ser resumido com a leitura de somente dois exemplos: “Podem me dizer, sem pesquisar no Google, o nome do feminicida de Melina Romero? E o de Candela? Não? Sabe quem matou Pastorizzo? Viu? Isso se chama patriarcado”; “Gostaria que os julgamentos por feminicídios tivessem a rapidez, a visibilidade e os resultados do julgamento de Nahir Galarza. E gostaria que os nomes dos algozes, e não os das vítimas, fossem conhecidos”.

A defesa de Galarza esteve atenta a esses debates e construiu a segunda parte da polêmica. Diante dos juízes, os advogados argumentaram que Galarza assassinou porque vivia sob o assédio de Pastorizzo, descrito como abusador e violento. Diante da imprensa, um polêmico assistente de figuras “midiáticas” chamado Jorge Zonzoni, contratado pelos Galarza, trabalhou para limpar a imagem da jovem utilizando recursos pouco convencionais.

Zonzoni divulgou entre os jornalistas dezenas de fotos e vídeos que mostravam Nahir como uma adolescente como qualquer outra, atormentada por um homem malvado. A família Galarza e seus advogados tentaram dessa forma se aproveitar da tragédia de centenas de mulheres maltratadas e assassinadas por seus companheiros. Mas não conseguiram convencer o tribunal. Em sua sentença, os juízes disseram que não encontraram em provas e depoimentos indício algum de violência de gênero. E Galarza, acrescentaram, não matou por acidente, como disseram seus advogados, e sim planejou o crime em todos os detalhes.

Nas redes, grupos feministas propuseram lembrar os nomes dos feminicidas dos casos mais midiáticos. Quem matou empalada Lucía Pérez, de 16 anos, em 8 de outubro do ano passado? Três estão presos, mas ninguém sabe seus nomes. E como se chama o assassino de Melina Romero, estuprada e estrangulada em 2014 na periferia de Buenos Aires? É preciso procurar na Internet para saber que se chama Joel Fernández e que foi condenado a 13 anos de prisão em dezembro passado. Ninguém se esquecerá de Nahir Galarza.