Copa do Mundo Rússia 2018

Copa da Rússia: cinco seleções que podem surpreender no Mundial

Egito, Marrocos, Islândia, Costa Rica e Senegal reúnem bons jogadores e despontam como potenciais zebras no Mundial

Marrocos pode surpreender favoritas Espanha e Portugal no Grupo B.
Marrocos pode surpreender favoritas Espanha e Portugal no Grupo B.Fabrice Coffrini / AFP

Mais informações

A Alemanha é a atual campeã, Brasil e Espanha são considerados favoritos, a Argentina tem Messi, Portugal tem Cristiano Ronaldo e França e Bélgica chegam com ótimas gerações. Não faltam palpites sobre qual seleção conquistará a Copa do Mundo Rússia 2018. No entanto, nem sempre as equipes mais carismáticas são as vencedoras. Seja para imitar a Costa Rica, que se classificou no grupo da morte em 2014 e chegou nas quartas de final, ou a Nova Zelândia, eliminada invicta na fase de grupos de 2010, o Mundial deste ano também estará cheio de candidatos a surpresas ou, pelo menos, boas histórias. Egito, Marrocos, Islândia, Costa Rica e Senegal são cinco exemplos.

Egito

Integrante do Grupo A, o Egito chamará a atenção na Copa do Mundo por conta de seu camisa 10, Mohamed Salah. O atacante do Liverpool, depois de temporada em que foi artilheiro e melhor jogador da Premier League e guiou os ingleses à final da Champions League, foi convocado mesmo se recuperando de lesão no ombro sofrida durante a decisão. Porém, além de Salah, outros nomes se destacam na geração que devolveu o Egito ao Mundial depois de 28 anos de ausência. A começar pelo goleiro, El Hadary, que completou, no último dia 15 de janeiro, 45 anos de idade e deve quebrar o recorde de jogador mais velho a disputar a competição. Na defesa, Ali Gabr e Hegazy, ambos zagueiros do West Bromwich, devem ser os titulares. Elneny, atleta do Arsenal, é o principal meia da equipe e referência de talento junto com Salah. Além do 10, o ataque também conta com Mahmoud Hassan – popularmente conhecido como Trezeguet, igual o francês famoso –, jogador do Kasimpasa da Turquia.

O grupo, que tem a anfitriã Rússia, a considerada fraca Arábia Saudita e o favorito Uruguai é acessível para os egípcios. Caso se classifiquem em segundo e a Espanha, principal força do Grupo B, passe em primeiro, Salah e Sergio Ramos, que machucou o egípcio na final da Champions, voltarão a se encontrar, agora nas oitavas de final da Copa. Na primeira fase, o Egito enfrenta Uruguai, Rússia e Arábia, nessa ordem.

Goleiros: El Hadary, Ekramy e Elshenawy.

Defensores: Ali Gabr, Elmohamady, Hegazy, Fathi, Ashraf, Abdelshafy, Hamdy e Samir.

Meio-campistas: Gaber, Morsy, Tarek Hamed, Elneny, Said.

Atacantes: Marwan, Salah, Kahraba, Ramadan, Shikabala, Trezeguet e Warda.

Marrocos

Vinte anos depois de sua última participação, o Marrocos reuniu uma de suas melhores gerações para voltar ao torneio mais importante do futebol. A grande estrela é Ziyech, meia de 25 anos, do Ajax. Ao lado dele, jogam os também meias Belhanda (Galatasaray) e Amrabat (Feyernoord) – Boufal, meia do Southampton, ficou de fora. A defesa é formada pelo lateral-direito Achraf, do Real Madrid, pelos zagueiros Benatia, titular da Juventus, e Saiss, do campeão da segunda divisão inglesa Wolverhampton, e pelo lateral-esquerdo Mendyl, do Lille.

Mesmo com um time bem montado, a missão de passar de fase no Grupo B é muito difícil para os marroquinos, uma vez que rivalizam com Espanha, Portugal e Irã. Na hipótese mais otimista, a seleção brigaria com a equipe de Cristiano Ronaldo pelo segundo lugar, que já seria algo incrível para Ziyech e companhia. Uma vitória sob o Irã no primeiro jogo, somado à derrota de Portugal para a Espanha, pode jogar a pressão para os europeus e favorecer os africanos na segunda rodada, quando se enfrentam.

Goleiros: Bounou, El Kajoui e Tagnaouti.

Defensores: Achraf Hakimi, Mendyl, Manuel da Costa, Benatia, Saiss e Dirar.

Meio-campistas: Ziyech, El Ahmadi, Belhanda, Fajr, Boussoufa, Ait Bennasser, Noureddine Amrabat, Harit, Sofyan Amrabat e Carcela.

Atacantes: El Kaabi, Boutaib, En Nesyri e Bouhaddouz.

Islândia

Depois de chegar às quartas de final da Eurocopa, eliminando a Inglaterra, e se classificar como primeira colocada do grupo com Croácia, Ucrânia e Turquia nas Eliminatórias, a Islândia chega na Rússia com fama de surpresa e candidata à classificação para as oitavas, por manter a base bem-sucedida dos últimos anos, mesmo no grupo considerado mais difícil do Mundial, que também tem Argentina, Nigéria e Croácia. O ponto forte da equipe está no meio-campo, formado por Johann Gudmunsson (Burnley), o camisa 10 Sigurdsson (Everton), Gunnarson (Cardiff City) e Hallfredsson (Udinese).

O menor país a disputar uma Copa do Mundo (350 mil habitantes, o mesmo tamanho de Sochi, segunda menor cidade-sede) estreia no torneio contra a Argentina, favorita, para depois jogar contra Nigéria e Croácia. Competindo pelo segundo lugar, a Islândia deve reencontrar a França, seu algoz da Eurocopa, caso chegue nas oitavas de final.

Goleiros: Halldorsson, Schram e Runarsson.

Defensores: Saevarsson, Ingason, Ragnar Sigurdsson, Arnason, Eyjolfsson, Magnusson e Ari Skulason.

Meio-campistas: Fridjonsson, Albert Gudmundsson, Johann Gudmundsson, Bjarnason, Gylfi Sigurdsson, Olafur Skulason, Gunnarson, Gislason, Hallfredsson e Traustason.

Atacantes: Sigurdarson, Finnbogason e Bodvarsson.

Costa Rica

Em 2014, a Costa Rica era a seleção mais fraca do grupo que tinha Itália, Uruguai e Inglaterra. Em 2018, os caribenhos novamente são considerados o pior time entre Brasil, Suíça e Sérvia, adversários do Grupo E. Para o raio cair duas vezes no mesmo lugar e a equipe da América Central alcançar o mata-mata, como fez no Brasil, o treinador Óscar Ramírez chamou 13 jogadores que disputaram o Mundial passado para a Rússia; entre eles, o goleiro Navas (Real Madrid), o zagueiro Oviedo, do Sunderland, os meias Celso Borges (La Coruña) e Bryan Ruiz (Sporting) e o atacante Joel Campbell, que joga pelo Bétis, pilares do time titular.

Considerando o Brasil como favorito do grupo, uma segunda colocação, desejo costarriquenho, colocaria provavelmente a seleção frente a atual campeã Alemanha já nas oitavas de final. Na primeira fase, a ordem dos jogos da Costa Rica é Sérvia, Brasil e Suíça.

Goleiros: Navas, Pemberton e Moreira.

Defensores: Acosta, Gonzalez, Smith, Duarte, Oviedo, Calvo, Gamboa, Waston e Matarrita.

Meio-campistas: Celso Borges, Bolaños, Colindres, Bryan Ruiz, Rodney Wallace, Azofeifa, Tejeda e Guzman.

Atacantes: Venegas, Joel Campbell e Ureña.

Senegal

Oito atacantes, seis meio-campistas e seis defensores. O resumo da convocação de Senegal indica que a seleção, que tem no atacante Mané, do Liverpool, sua principal estrela, deve partir para o ataque na Copa do Mundo. O goleiro reserva, Khadim N’Diaye, que joga na Guiana, é o único entre os 23 que não está em um clube europeu. Na defesa, o principal nome é Koulibaly, que foi um dos principais defensores da Serie A italiana jogando pelo Napoli na temporada passada. No meio, Gueye é destaque do Everton e Kouyate, titular do West Ham. Ainda no meio, estão Alfred N’Diaye (Wolverhampton) e Pape Alioune Ndiaye (Stoke City), xarás do goleiro reserva. Para fazer companhia a Mané, estão entre os oito jogadores mais ofensivos Niang (Torino), Keïta Balde (Monaco), Diouf (Stoke City) e Sakho (ex-West Ham, hoje no Rennes).

Tal como o Egito, Senegal tem um grupo que o possibilita sonhar com a vaga nas oitavas de final, uma vez que seus adversários da primeira fase são, nesta ordem, Polônia, Japão e Colômbia. Caso se classifique, deverá enfrentar Bélgica ou Inglaterra nas oitavas. Chegar nas quartas igualaria o melhor desempenho das seleções africanas em Mundiais (Camarões em 1990, Senegal em 2002 e Gana em 2010), mas também significaria ter Brasil (se passar em segundo) ou Alemanha (caso passe em primeiro) como prováveis adversários.

Goleiros: Diallo, Khadim N’Diaye e Gomis.

Defensores: Ciss, Koulibaly, Mbodji, Sabaly, Gassama e Wague.

Meio-campistas: Gueye, Sane, Kouyate, N’Doye, Alfred N’Diaye e Pape Alioune Ndiaye.

Atacantes: Sow, Diouf, Mané, Konate, Sakho, Sarr, Niang e Keïta Balde.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete