Redes russas foram ativadas para ajudar a ultradireita na Itália

Uma análise das redes sociais revela como veículos do Kremlin fomentaram discursos xenófobos

EL PAÍS

A máquina russa de ingerências centrou seus esforços nos últimos meses em uma campanha de desinformação sobre a situação migratória na Itália, com o objetivo de ajudar partidos radicais com vistas às eleições gerais deste domingo. Segundo uma análise de 1.055.774 mensagens emitidas por 98.191 usuários de redes sociais, ao qual o EL PAÍS teve acesso, uma estrutura composta por perfis de ativistas contrários à imigração e às ONGs empregou sobretudo links publicados pela agência Sputnik, um veículo de propriedade do Governo russo que opera em vários idiomas, inclusive o italiano, para propagar a falsa imagem de uma Itália invadida por refugiados, que seriam responsáveis pelo desemprego e pela inflação, e mergulhada numa crise agravada pela passividade dos políticos europeístas e em última instância pela União Europeia.

MAIS INFORMAÇÕES

Alguns exemplos das informações publicadas pela Sputnik são: “Em 2065, o contingente de imigrantes na Itália poderia superar 40% da população total” e “O caos dos imigrantes é o início de uma guerra social”. A Alto Data Analytics, uma empresa internacional voltada para a aplicação do big data e da inteligência artificial na análise da opinião pública na mídia e nas redes sociais, forneceu a este jornal um estudo com 3.164 fontes de conteúdo como notícias, postagens de blogs e vídeos publicados entre 1º. de fevereiro e 31 de julho de 2017. A conclusão é que a Sputnik foi muito influente na radicalização do debate sobre a crise migratória. De todos os meios internacionais que operam na Itália, esse veículo russo é o segundo mais influente, atrás apenas da versão italiana do Huffington Post, segundo as medições da Alto, cujos algoritmos consideram o número de usuários e a intensidade com que os links dos diferentes meios são compartilhados nas redes sociais, de forma similar ao que os algoritmos do Google fariam.

O debate sobre a migração impregnou completamente a campanha política italiana deste ano, deixando pouco espaço para outros temas. Segundo as pesquisas, a agremiação que não tiver uma posição clara a esse respeito não terá resultados expressivos no próximo domingo. Um reflexo evidente dos episódios é a tensão nas ruas e nas redes sociais, onde há meses os matizes deixaram de existir e cada vez mais triunfam as posições radicalizadas. O crescimento da Liga, o partido de discurso xenófobo presidido por Matteo Salvini e que participa da poderosa coalizão de centro-direita liderada por Silvio Berlusconi, e a Casa Pound, uma formação declaradamente fascista que aspira a entrar no Parlamento, são dois exemplos disso.

A agência Sputnik foi uma parte central, mas não a única, nessa estratégia de desestabilização da Itália. A esse veículo russo somou-se uma teia de pequenos sites centrados quase exclusivamente em mensagens contra a imigração, com nomes como “Todos os crimes dos imigrantes”, “O populista” e “Itália minha pátria”. Um indício da atividade de contas automatizadas, ou bots, utilizadas para viralizar conteúdo, é que, com o dobro de integrantes, a comunidade a favor da imigração publicou menos da metade do conteúdo que o grupo que se opõe à entrada de refugiados na Itália. No Twitter, uma das redes sociais analisadas, as mensagens contra a imigração representaram 68% do total.

Neste caso, as redes de desinformação na órbita russa operaram com o mesmo padrão que em outras crises: fontes duvidosas, especialistas enviesados e manchetes provocativas, compartilhadas por dezenas de milhares de contas com a intenção de viralizar conteúdo e amplificar um problema. O Parlamento britânico está analisando sua influência no referendo do Brexit, e o mesmo faz o Congresso espanhol sobre sua atividade na crise independentista na Catalunha. Nos EUA, um promotor especial investiga seu papel na eleição de Donald Trump.

Em 2016, quando a crise migratória chegou ao seu auge, com 181.436 desembarques (segundo dados do Ministério do Interior), a Itália já se encontrava em uma situação crítica. A previsão era que em 2017 a entrada de imigrantes crescesse mais 30%, um dado que estimulou a expansão do populismo de matizes racistas no discurso da maioria dos partidos políticos. Na verdade, essa tendência alcançou o próprio Governo, incapaz de levar adiante uma lei fundamental para conceder a cidadania aos filhos de imigrantes. Mas, sobretudo, deu asas ao discurso mais radical alimentado pela Liga, que assumiu com o controle da narrativa e começou a disparar nas pesquisas.

Quem compartilhou as informações da Sputnik foram em 90% os perfis que se dedicam habitualmente a disseminar mensagens em italiano contra a imigração. Segundo a análise da Alto, “as mensagens dessa comunidade relacionam estreitamente a imigração com a insegurança, a criminalidade e o terrorismo e, em alguns casos, com teorias conspiratórias, como a de que a crise migratória é parte de uma estratégia maior para desestabilizar o país”.

Um dos maiores temores do atual Governo de Paolo Gentiloni e do social-democrata Partido Democrático (PD) era que a campanha eleitoral acabasse sendo monopolizada pelo debate migratório. Trata-se de um território fértil para o crescimento da extrema direita e para o discurso da Liga e dos Irmãos da Itália, os dois partidos que formam a coalizão de centro-direita junto a Silvio Berlusconi, que hoje lidera todas as pesquisas, roçando a maioria absoluta. Por isso, o ministro do Interior, Marco Minniti, concebeu um plano em conjunto com o Governo líbio e o Exército para frear os desembarques. Funcionou. Já a partir de julho, a guarda costeira começou a agir, e as chegadas diminuíram radicalmente. O ano terminou com o saldo de 119.369 desembarques, e a tensão social se reduziu notavelmente.

Mas em 4 de fevereiro, exatamente um mês antes das eleições, um fato mandou todo esse trabalho por água abaixo. Um jovem de 28 anos, candidato da Liga em uma pequena cidade do norte italiano, disparou da janela do seu carro contra vários imigrantes africanos que passeavam pelo centro de Macerata, ferindo seis deles. Em uma surpreendente guinada de roteiro, a Liga conseguiu se apropriar novamente do discurso e atribuir o incidente à tensão social provocada pela imigração.

Em uma prática habitual na sua ingerência em países como a Alemanha, a Rússia cultivou suas relações com os partido de ambos os extremos do espectro político na Itália. Seus vínculos com a Liga de Salvini e com o populista Movimento Cinco Estrelas são evidentes nos últimos dois anos. Salvini se encontrou em março de 2017 com Sergei Zheleznyak, encarregado das relações do Kremlin com os partidos europeus. Naquele dia, foi assinado um acordo que passou meses sendo gestado, também através das manifestações de apreço de Salvini a Vladimir Putin (“É um grande, e digo isso gratuitamente”) e da promessa eleitoral de romper os embargos comerciais à Rússia, que, segundo o líder da Liga , já custaram cinco bilhões de euros (20 bilhões de reais) à Itália e de fato prejudicaram empresas italianas de carne e tecidos.

O texto falava de “cooperação em matéria de segurança, defesa dos valores tradicionais e futura cooperação econômica entre Itália e Rússia”. Uma ideia que pode ser vista também em todos os documentos assinados com a Frente Nacional (FN) da francesa Marine Le Pen e com o ultraidireitista Partido da Liberdade da Áustria. Ambos, como a Liga e Movimento Cinco Estrelas, beligerantes com a União Europeia.

Como o debate sobre a imigração na Itália se tornou tóxico

Fernando Peinado

A agência de notícias Sputnik, pertencente ao Kremlin, e o canal de televisão RT situam-se entre os cem meios mais influentes no relato contra a imigração, segundo a análise da empresa Alto Data Analytics que levou em conta mais de 3.100 fontes de conteúdo.

Entre os artigos publicados pela versão italiana da Sputnik no último ano, alguns títulos diziam: “Imigração, é melhor viver sem coração que perder o seu país”, “Em 2065, o contingente de imigrantes na Itália poderia superar 40% da população”, e “A União Europeia como Pôncio Pilatos. A Itália enfrenta sozinha a encruzilhada dos fluxos migratórios”.

Segundo a análise da Alto, a versão italiana da Sputnik é o segundo meio estrangeiro mais influente no debate digital italiano, atrás apenas do site norte-americano Huffington Post. Considerando-se os meios domésticos e internacionais, a Sputnik ocupa a 40ª. posição em termos de influência, segundo a análise da Alto Data Analytics que se baseia em um algoritmo semelhante ao usado pelo Google para classificar a relevância dos sites.

O estudo da Alto reflete que a Sputnik consegue uma influência desproporcional no debate digital italiano, apesar de ter pouco mais de 45.000 seguidores no Facebook e algo mais de 6.300 no Twitter. Esse impacto se explica por uma participação muito ativa de um reduzido número de contas influentes de usuários contrários aos imigrantes. Embora os usuários anti-imigrantes na Itália sejam apenas 32% no Twitter, seus tuítes representam mais de dois terços do debate, indica a Alto.

Além de italiano, a Sputnik oferece notícias em mais de 30 idiomas, incluindo inglês, espanhol, alemão, francês, chinês e árabe. O canal RT não tem uma versão em italiano, mas suas versões em inglês e espanhol são seguidas no Twitter por milhões de contas. Com sua difusão de conteúdo radical, a Sputnik e a RT se somam a uma multidão de meios digitais novos que contribuem para a polarização do debate, reforçando narrativas locais, conclui a análise da Alto.

“Sputnik e RT se tornaram uma fonte a mais para esses eleitores radicalizados que procuram qualquer desculpa para conseguir provas de que os imigrantes são maus”, disse ao EL PAÍS Eleonora Tafuro Ambrosetti, pesquisadora do centro de Estudos Políticos Internacionais do Instituto Milão.

Arquivado Em: