O ‘crime de honra’ que comoveu o Reino Unido

Muçulmana indiana foi estuprada e morta por ter relação com muçulmano árabe, segundo promotores

Celine Dookhran, em uma imagem de sua conta no Twitter
Celine Dookhran, em uma imagem de sua conta no Twitter

Mais informações

Uma adolescente britânica, muçulmana e de origem indiana, foi sequestrada, violada e assassinada em um suposto crime de honra depois de iniciar uma relação com um muçulmano árabe, segundo a mídia britânica. Celine Dookhran tinha 20 anos e foi encontrada no dia 19 com o pescoço cortado na geladeira de uma luxuosa casa de Kingston-upon-Thames, no oeste de Londres, que estava em obras e na qual não vivia ninguém. Dois homens foram detidos pelo assassinato e estão em prisão preventiva à espera de julgamento.

A descoberta do cadáver ocorreu horas após a adolescente ter sido declarada desaparecida − depois que uma segunda mulher, também atacada e esfaqueada várias vezes, conseguiu escapar e alertar a polícia no hospital, detalhou a BBC. Dookhran foi sequestrada e amordaçada em sua própria casa quando estava tomando banho. Seus captores, dois homens com o rosto coberto com toucas ninja e armados com uma arma de choque, levaram também sua amiga de 21 anos, cuja identidade não foi divulgada.

A sobrevivente, que permanece internada em estado grave, contou que escutou sua amiga gritar no banheiro antes de ser dominada com a arma de choque. Os homens taparam a boca das vítimas com meias, colocaram-nas em um carro e as levaram até uma casa de 1,5 milhão de euros (5,5 milhões de reais) situada a oito quilômetros dali, onde foram violadas.

O corpo de Dookhran foi identificado formalmente no dia 24. A autópsia confirmou que a causa da morte foi um “ferimento profundo no pescoço”. Como autor do crime foi detido Mujahid Arshid, de 33 anos, que compareceu ante a Justiça na quarta-feira para uma audiência preliminar. Ele foi indiciado pelo sequestro, violação e homicídio de Dookhran e pelo sequestro, violação e tentativa de homicídio da outra jovem. Vincent Tappu, de 28 anos, foi detido como coautor do crime e indiciado pelo sequestro das duas mulheres.

A procuradora Binita Roscoe explicou que Dookhran “mantinha uma relação com um muçulmano árabe e alguns membros da família não aprovavam esse amor porque são muçulmanos indianos”. A jovem planejava se casar, o que enfureceu esses familiares. “Seu rosto e sua boca estavam cobertos com fita adesiva. Suas mãos estavam amarradas com fios e seus pés, com corda”, disse a procuradora sobre o estado do cadáver. Os acusados, segundo o jornal The Independent, não fizeram nenhuma alegação. Os dois, que estão em prisão preventiva, serão julgados em janeiro de 2018.

Dookhran era a mais velha de três irmãos e cresceu no sul de Londres. Seus perfis na Internet foram removidos, mas, segundo a BBC, “ela era apaixonada por maquiagem e dava conselhos sobre cosméticos a seus seguidores nas redes sociais”. Em suas mais de 3.500 mensagens numa rede social, falava de festas religiosas e do jejum no mês do Ramadã.

O crime causou comoção no Reino Unido, e muita gente a homenageou no Twitter. “RIP Celine, você não merece o que aconteceu, que Alá te conceda um lugar no paraíso”, escreveu um usuário da rede social. “Você era muito linda. Nunca será esquecida”, acrescentou outro. A própria jovem publicou, oito dias antes de sua morte, uma mensagem na qual dava graças a Deus por “tudo”.

Seus amigos se lembram dela como “uma alma linda e inteligente”. Seus pais a descreveram como uma “filha talentosa, inocente e carinhosa” que lhes trouxe “alegria e felicidade”. “Estamos orgulhosos de Celine por tudo o que tinha conseguido”, declarou sua família em um comunicado reproduzido pela BBC, acrescentando que esperavam vê-la “desenvolver todo seu potencial” e deixá-los ainda mais orgulhosos.

“Temo a crença sincera e a plena confiança de que os indivíduos vis envolvidos nesse crime enfrentarão todo o peso da lei. Pedimos a todos que rezem pelas vítimas e por suas famílias”, acrescenta a nota da família. A jovem, empregada em um pequeno comércio perto de sua casa, tinha trabalhado como maquiadora em um filme.