Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Mayara Amaral, a violonista de Campo Grande morta duas vezes

Crime reacende debate sobre a tipificação do feminicídio no país e as dificuldades de aplicá-lo

Mayara Amaral feminicídio
A violonista Mayara Amaral, assassinada na semana passada.

Mayara Amaral, uma violonista de 27 anos nascida em Campo Grande, foi ensaiar com sua banda e nunca mais voltou. Apareceu no dia seguinte em um matagal com o corpo carbonizado e várias marteladas na cabeça. Dois suspeitos foram presos pelo brutal assassinato num motel da cidade: o músico de 29 anos Luiz Alberto Barros, por quem a jovem estaria apaixonada, e Ronaldo Olmedo, de 33, com passagens por tráfico e roubo, segundo a polícia. Um terceiro homem, Anderson Pereira, 31, também com passagens por tráfico e roubo, foi preso por colaborar com a ocultação do cadáver.

Antes de queimar o corpo da jovem como o de um animal, os três comparsas dividiram entre si os poucos pertences de Mayara: um Gol de 1992, um notebook, um celular e um violão. Depois, Luiz usou o celular de Mayara para enviar uma mensagem à mãe dela tentando culpar um ex-namorado da violonista. “Ele é louco, mãe. Está me perseguindo. Estava na casa dele e brigamos feio”, dizia o texto. A essa altura o corpo já havia sido encontrado. O crime foi tipificado como latrocínio, roubo seguido de morte.

O caso poderia ser mais um assassinato num país que mata 13 mulheres por dia, segundo o Atlas da Violência 2016, mas Mayara foi morta duas vezes. Uma pelos seus algozes e outra pelo tratamento do seu caso nos jornais locais nos quais o depoimento dos suspeitos teve mais manchetes que os da família. Quase não se sabe quais eram os sonhos e virtudes de uma jovem que era um portento do violão e que se formou em música pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e fez um mestrado na Federal de Goiás, mas uma simples pesquisa no Google dá ampla conta do que os detidos declararam: que ela foi no motel atrás de drogas, que houve sexo consensual com os dois supostos assassinos e que ela foi morta a marteladas porque reagiu ao saber que seria roubada. “Até agora, o maior jornal da cidade não procurou minha família para dar entrevista. Estão ocupados dando voz ao bandido”, lamenta da Bélgica a irmã de Mayara, Pauliane Amaral, que não pôde ir no velório por não ter dinheiro para comprar sua passagem de volta ao Brasil.

Pauliane, apesar da distância, fez questão de não silenciar a brutalidade. Num post que já foi compartilhado mais de 28.000 vezes, ela deu relevância internacional ao caso e reclamou do uso da imagem da caçula da família pela imprensa. “Quando escrevem que Mayara era a ‘mulher achada carbonizada’ ela está na foto como uma menina. Quando a suspeita envolvia o ‘namorado’ hiperssexualizam a imagem dela. Quando a notícia fala que a cena do crime é um motel, minha irmã aparece vulnerável, molhada na praia”. Pauliane também questionava no seu post por que as palavras “feminicídio” ou “estupro” não tinham sido usadas em nenhuma dessas matérias apesar dos indícios.

Mas há outra questão que levanta o caso de Mayara: no Brasil o feminicídio, tipificado como um caso específico de homicídio qualificado apenas em 2015, pode não ser uma boa estratégia de acusação. Enquanto o latrocínio é castigado com uma pena mínima de 20 anos, a pena mínima por feminicídio é de 12 anos. O feminicídio ainda é julgado levando em conta os valores dos integrantes de um júri popular. Pior: mesmo considerando a lentidão crônica da Justiça brasileira, decisões por júri popular costumam demorar mais e ter mais recursos do que casos decididos por apenas por um juiz.

A tipificação do crime pela polícia como latrocínio causou alvoroço no movimento feminista. A reivindicação não é menor. O feminicídio é o nome para escancarar a violência que a mulher sofre todos os dias pelo simples fato de ser mulher, mas não só. Não se trata de ideologia, mas de um instrumento de combate à violência de gênero, de acordo com os especialistas. Com a clara tipificação, o crime não se perde nas estatísticas comuns de violência urbana e, em tese, pode ser melhor mapeado e ter estratégias de combate mais claras. Há quem aponte a insensibilidade dos agentes para apurar um crime com essas características - o caso está hoje nas mãos da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Veículos - mas a pergunta vai além: por que no Brasil é mais grave matar alguém para roubar um carro do que acabar selvagemente com a vida de uma mulher?

O primeiro delegado do caso, Tiago Macedo, foi duramente criticado nas redes sociais por enquadrar o assassinato como latrocínio, ignorando, aparentemente, que o relacionamento da vítima com seu assassino poderia derrubar a tese de que a jovem foi morta por causa de um carro velho. Mas o delegado Macedo explicou ao EL PAÍS que ele não ignorou os indícios, mas que, tecnicamente, para a velocidade com a qual foi conduzida a investigação, as provas recolhidas apontavam uma morte motivada pelo roubo. “Nossa prioridade era garantir a prisão”, diz.

Dito isto, o delegado mostra-se surpreso diante as críticas. “Tipificar o crime como latrocínio não significa que seja o único crime cometido. Foi dado esse tratamento porque é o mais grave com as provas que tínhamos até esse momento. Do ponto de vista jurídico não podemos nos ater a ideologias”, relata Macedo pelo telefone. O delegado continua, e argumenta que a questão pode ser mais complexa do que parece: “No Brasil, tipificar um crime como feminicídio, além de não termos provas ainda para sustentá-lo, significa abrandar a pena. E é uma porta aberta para a defesa explorar a memória da vítima. Mayara merece ser execrada em público para os advogados da defesa derrubarem o caso?”, questiona o delegado.

Da Bélgica, a irmã, que tem recebido o apoio de músicos e pessoas do mundo todo, prefere não falar sobre a estratégia de acusação que a família irá adotar, mas pede para deixar clara sua certeza: “A gente não tem dúvida de que, embora se trate de um latrocínio, ela foi escolhida por ser mulher”.

MAIS INFORMAÇÕES