Temer quer apressar impeachment por risco de perder votos no Senado

Mudança no calendário depende do presidente do STF, que conduzirá o julgamento de Rousseff

O presidente interino, Michel Temer.
O presidente interino, Michel Temer.EVARISTO SA (AFP)

Correndo o risco de perder alguns dos votos no Senado Federal, o Governo interino de Michel Temer (PMDB) quer apressar a votação do impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff (PT). O principal movimento nesse sentido ocorreu nesta quinta-feira, quando o presidente da Comissão Especial do Impeachment, o senador Raimundo Lira (PMDB-PB), acatou uma solicitação feita pela senadora Simone Tebet (PMDB-MS) para encurtar em 20 dias o prazo do julgamento, com a votação final até o dia 25 de julho, em vez do calendário inicial que previa a decisão em 15 de agosto. Houve grande grita da defesa de Rousseff e a decisão depende, agora, do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que preside formalmente essa fase do processo.

Mais informações
Educação e saúde podem perder um terço das verbas obrigatórias
Câmara aprova reajustes salariais com impacto de 58 bilhões de reais
Dilma usa áudios da Lava Jato para reforçar defesa do impeachment
Temer no fio da navalha

Não há data limite para que o ministro Lewandowski decida sobre o cronograma, mas a expectativa no Congresso é que o magistrado a divulgue até a tarde da próxima segunda-feira, quando a comissão se reúne novamente. "Esse período de transitoriedade não é bom para o país", engrossou o coro pela antecipação o próprio presidente interino em entrevista ao SBT. Temer disse que o caráter "provisório" afeta o Governo.

Se conseguir adiantar o prazo, Temer evitará um constrangimento que seria flagrado pelas câmeras do mundo inteiro, o de dividir o mesmo espaço que Rousseff na abertura dos Jogos Olímpicos, no Rio de Janeiro, no dia 5 de agosto. Se o impeachment não ocorrer até lá, o país poderá se deparar com a inusitada situação de ter dois presidentes na tribuna das autoridades, o interino e a afastada.

Na prática, a pressa da equipe de Temer se deve porque ao menos 3 dos 55 senadores que votaram a favor da abertura do processo de impeachment já sinalizaram que podem, agora, se posicionar por inocentar a presidenta dos crimes de responsabilidade fiscal. São eles: Romário Faria (PSB-RJ), Cristóvam Buarque (PPS-DF) e Acir Gurgacz (PDT-RO). Caso essas alterações de voto se configurem, Rousseff não será condenada porque é necessário o apoio mínimo de 54 senadores para o impeachment se configurar. O número representa dois terços dos 81 membros desta Casa.

Em uma carta publicada em seu perfil no Facebook, o senador Romário destacou que ainda não se decidiu pela condenação da petista e disse que isso não se trata de uma mudança de voto, já que seriam decisões distintas – uma tratando da admissibilidade do processo e a outra do cometimento de um crime. Romário também criticou o Governo Temer. “Os primeiros dias do governo interino não foram como deveriam ser. No lugar de ministros ‘notáveis’, conforme Temer prometeu, tivemos ministros investigados. Vimos ministérios estratégicos para o país serem fundidos e perderem relevância”, diz trecho de seu texto.

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, admitiu que a gestão interina quer resolver essa questão da maneira “mais breve possível” e espera contar com o apoio popular para pressionar os senadores que julgarão a presidenta afastada. “Há muita preocupação, mas esse é um placar que só vamos conhecer 24 horas antes da votação. Há muitas variáveis que ainda estão sendo consideradas, mas a premissa maior é a vontade da população”, disse Padilha.

A possível mudança de postura de três congressistas se daria por conta das últimas revelações da Operação Lava Jato que colocaram sob suspeita a atuação de políticos do PMDB na articulação pelo impeachment da presidenta. Ao menos três dúvidas foram lançadas pelos aliados de Rousseff. A primeira foi a que resultou no afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara. As outras duas são de gravações feitas pelo delator da Lava Jato e ex-presidente da Transpetro, Sergio Machado, que envolveram os senadores Romero Jucá (PMDB-RO) e Renan Calheiros (PMDB-AL), o então ministro da Transparência Fabiano Silveira, além do ex-presidente e ex-senador José Sarney (PMDB-AP).

A gravação considerada mais grave foi a que envolvia Jucá e Machado. Nela há a sinalização de que era necessário fazer um pacto nacional para afastar Rousseff. “Esse foi um claro desvio de finalidade do processo de impeachment”, reclamou a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR).

Dilma, agora, quer incluir Lava Jato

Um fato que chamou a atenção foi que, ao contrário do que ocorreu no trâmite do processo na Câmara dos Deputados, a defesa de Dilma Rousseff agora quer que trechos da Lava Jato sejam incluídos no processo. O advogado da petista, o ex-ministro José Eduardo Cardozo, enviou um requerimento solicitando a inclusão de trechos da delação premiada de Sergio Machado que envolvem os políticos peemedebistas.

O pedido foi negado pelo relator do processo na comissão, o senador Antonio Anastasia (PSDB-MG). “Isso aqui está parecendo um tribunal de exceção”, reclamou a senadora Fátima Bezerra (PT-RN). Os aliados de Rousseff também recorreram dessa decisão.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS