Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Silva: “Votarei em Aécio e o apoiarei”

Candidata derrotada do PSB declarou neste domingo que ficará ao lado do tucano

Marina Silva neste domingo.
Marina Silva neste domingo. REUTERS

Após dias de suspense, a candidata derrotada pelo PSB ex-petista, Marina Silva, decidiu declarar seu apoio ao candidato tucano Aécio Neves. Segundo ela, Aécio mostrou avanços com os compromissos assumidos em uma carta no último sábado, em que assinalava o fim da reeleição aos cargos do Executivo, a demarcação de terras indígenas e a ampliação da reforma agrária.

"É preciso apostar mais uma vez na alternância de poder pelo bem comum. É com esse sentimento e com os compromissos assumidos por Aécio Neves, que declaro meu voto e meu apoio em sua candidatura. Votarei em Aécio e o apoiarei", disse ela em uma coletiva de imprensa na manhã deste domingo. Ela disse que ainda não sabe se subirá nos palanques do candidato neste segundo turno e nem de que forma esse apoio será dado de forma concreta.

"Entendo esse documento [divulgado no sábado por Neves] como uma carta de compromisso e rejeito qualquer manifestação de que eles se dirigem a mim em troca de apoio", disse ela. "Ao final da presidência de Fernando Henrique Cardoso, a sociedade mostrou que queria alternância de poder sem perder a estabilidade econômica. Isso foi aceito pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Agora temos um momento em que a alternância de poder fará bem para o Brasil, com o compromisso da manutenção dos programas sociais", disse a ambientalista.

A carta divulgada por Neves no último sábado tem sido interpretada como um gesto similar à Carta aos Brasileiros, divulgada por Lula em junho de 2002, meses antes do início oficial da campanha eleitoral que levaria o PT ao poder pela primeira vez no ano seguinte. Nesta carta, ele se comprometia com a manutenção da política econômica de seu antecessor tucano, que trouxe estabilidade ao país, o que acalmou o mercado financeiro, preocupado com a possível eleição do sindicalista. Agora é a vez de Aécio tentar acalmar os eleitores mais progressistas da ambientalista, ao se comprometer com a manutenção dos programas sociais petistas. 

Silva destacou neste domingo os compromissos feitos por Neves em seu programa com a educação, o movimento Saúde Mais Dez (que visa destinar 10% das Receitas Correntes Brutas do país para a Saúde), o compromisso com a demarcação de terras indígenas e com a reforma agrária, duas áreas que sofreram durante o atual Governo de Rousseff, além da manutenção do Bolsa Família, principal programa petista. Ressaltou, especialmente, as questões ambientais previstas no programa de Governo dele. "Fernando Henrique trouxe estabilidade econômica. Lula trouxe o compromisso com os programas sociais. É preciso adicionar uma nova perna a esse tripé, o da sustentabilidade ambiental", afirmou ela, sem citar Dilma Rousseff ou associá-la aos programas sociais do PT.

Os três itens incluídos na carta de Neves eram algumas das exigências da ambientalista para que ela o apoiasse. Na carta, ele não deixou claro, entretanto, se o fim da reeleição já valeria para o mandato dele, caso ele vença Dilma Rousseff no próximo dia 26, nem estabeleceu prazos para os compromissos ambientais, que também faziam parte das exigências dela. Outra demanda de Silva também ficou de fora: a garantia de que não se reduzira a maioridade penal, o que é defendido por Neves e por muitos de seus eleitores conservadores. No evento de sábado, quando ele apareceu ao lado da família de Eduardo Campos, ele disse apenas que buscará alternativas para que a juventude seja afastada da violência.

Questionada neste domingo sobre a falta de compromisso de Neves em relação a não redução da maioridade penal, a ambientalista afirmou que a carta apresentada "abre um espaço para o diálogo sobre a questão". "Nós não apresentamos imposições. O compromisso assumido ontem não é uma resposta a mim individualmente, mas contempla as minhas expectivas e as dos partidos. Acredito que está aberto o espaço para o diálogo com a sociedade".

Virada eleitoral

Silva angariou no último dia 5, quando ocorreu o primeiro turno das eleições presidenciais brasileiras, 22 milhões de votos, pouco a mais do que obteve em 2010. A votação parecida com 2010 foi vista como positiva por Marina . “Encaro como um crescimento”, avaliou, em uma coletiva de imprensa, após o anúncio dos resultados. “Nós estamos avançando e o avanço é a decisão da sociedade brasileira de se manter firme no processo político”, completou. Na ocasião, ela ressaltou ainda que o eleitorado que a apoia tem um desejo claro. “Mais de 20% da sociedade brasileira está determinada que a mudança precisa ser qualificada.” 

A ambientalista entrou na disputa eleitoral após a morte de Eduardo Campos, que era o cabeça da chapa, em um acidente aéreo em Santos, em 13 de agosto. A comoção provocada pelo acidente, aliada ao bordão "não vamos desistir do Brasil", impulsionaram a candidatura de Silva, que chegou a aparecer a frente da presidenta Dilma Rousseff, que tenta se reeleger, em diversas pesquisas eleitorais antes do segundo turno. Mas a nova candidata passou a perder apoio quando mudou de ideia sobre questões mais progressistas em seu programa de Governo, como a união homoafetiva e a adoção de crianças por casais do mesmo sexo. O recuo foi aproveitado pelos candidatos oponentes, que atacaram a sua insegurança.

O PSB, partido de Campos, já havia anunciado apoio a Neves, o que chegou a gerar conflito dentro do próprio partido. O então presidente dos socialistas, Roberto Amaral, criticou a escolha pelo tucano, afirmando que o PSB deveria ter ficado neutro. “Quando o Partido Socialista Brasileiro teve a oportunidade de avançar, de se preparar para construir uma proposta de socialismo para o século 21, ele optou pelo patriarcalismo, ou, se quisermos, pelo coronelismo”, disse ao jornal O Estado de S. Paulo. No entanto, Marina, que faz parte do grupo político Rede Sustentabilidade, afirmou que apoiaria o tucano caso ele se comprometesse com algumas pautas. Segundo ela, a Rede decidiu orientar seus militantes para o voto nulo, branco ou em Aécio Neves.

Silva fez sua campanha com base na defesa do que chamava de "nova política" e se dizia uma "terceira via", em uma crítica à polarização entre o PT e o PSDB, que alternam o poder desde que o tucano Fernando Henrique Cardoso assumiu a presidência, em 1995. Neste domingo, ela foi questionada por uma jornalista se assumir uma postura favorável a um dos partidos não seria uma contradição. "É uma eleição em dois turnos. Você toma uma posição em relação a aquilo que acha que é melhor para o Brasil. O que estamos fazendo é inaugurar, sim, a nova política", garantiu. Em junho deste ano, ela havia dito em uma entrevista ao programa "É Notícia", da Rede TV, que a Rede não subiria "em hipótese alguma, no palanque do PSDB".

MAIS INFORMAÇÕES