_
_
_
_

Líderes do G7 se comprometem a doar um bilhão de vacinas contra a covid-19 até 2022

EUA recebem apoio para seu plano de infraestrutura para conter a influência econômica da China. Cúpula terminou neste domingo com uma sessão dedicada ao desafio climático

Reunião de trabalho dos líderes do G7 neste domingo, durante a cúpula realizada na Carnualha, Reino Unido.
Reunião de trabalho dos líderes do G7 neste domingo, durante a cúpula realizada na Carnualha, Reino Unido.AFP
Rafa de Miguel

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

Os líderes das principais potências mundiais se comprometeram a doar um bilhão de doses de vacinas contra a covid-19 para os países em desenvolvimento até o final de 2022. “Há uma semana, pedi ajuda aos meus colegas do G7 para preparar e distribuir as doses necessárias para vacinar todo o mundo até o final de 2022”, disse o primeiro-ministro britânico Boris Johnson neste domingo em uma entrevista coletiva no final da cúpula na Cornualha. “Temos o compromisso de entregar cerca de um bilhão de vacinas aos países pobres, seja por meio da Covax, seja por meio de doações diretas dos diferentes países”, anunciou o mandatário britânico. A saída de uma pandemia que afetou as principais economias foi o tema central da agenda, que impulsionou decisões importantes que ainda precisam ser detalhadas.

Mais informações
President Joe Biden and first lady Jill Biden arrive to board Air Force One at Dover Air Force Base, Del., Friday, June 4, 2021, to travel to Washington. Biden returns to the White House after spending a few days in Rehoboth Beach to celebrate first lady Jill Biden's 70th birthday. (AP Photo/Andrew Harnik)
De olho na China, Biden inicia sua primeira viagem internacional
Ley de Innovación y Competencia para priorizar Estados Unidos
Democratas e republicanos se unem no Senado dos EUA contra ameaça tecnológica da China
European Commission President Ursula von der Leyen greets European Council President Charles Michel during the plenary session of the European Parliament in Strasbourg, eastern France, Wednesday June 9, 2021. (Julien Warnand, Pool via AP)
União Europeia planeja seguir Biden em nova investigação sobre a origem do coronavírus

Os líderes do G7 deram seu apoio à iniciativa do presidente dos EUA, Joe Biden, para conter a crescente influência da China. Um plano multibilionário, que combinará ações públicas e privadas, oferecerá aos países em desenvolvimento um financiamento rápido de projetos sustentáveis e verdes, de linhas ferroviárias na África a estações eólicas na Ásia. Querem chamá-lo de “rota verde da seda”, em contraposição ao impulso com esse nome que o gigante chinês promove há anos, com esquemas de colaboração em países da Ásia, África e América Latina. A cúpula da Cornualha terminou neste domingo depois de três intensos dias de trabalho com uma sessão dedicada ao desafio climático, da qual participou o naturalista David Attenborough. “Nosso planeta está esquentando rapidamente. É algo inegável e fora de qualquer dúvida. Nossas sociedades e nações apresentam desigualdades (...) As decisões que as nações mais avançadas do planeta tomarem nesta década serão as mais importantes da história”, disse aos líderes da cúpula.

Biden deixou a Cornualha para se reunir com a rainha Elizabeth II no castelo de Windsor neste domingo. Boris Johnson, como anfitrião, permaneceu em Carbis Bay para apresentar à imprensa uma cúpula que foi sua principal aposta em política externa da era pós-Brexit. O G7 deu o impulso definitivo a uma alíquota de imposto mínimo sobre as empresas de “ao menos 15%”. E reafirmou os compromissos das sete nações na redução das emissões de dióxido de carbono até 2030.

A cúpula, no entanto, foi ofuscada pela crescente tensão entre o Governo de Johnson e a União Europeia. O primeiro-ministro chegou a ameaçar descumprir unilateralmente as cláusulas do Protocolo da Irlanda, a questão que mais atrito provocou entre Londres e Bruxelas. A presidenta da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse ontem, depois da reunião bilateral com o primeiro-ministro britânico, que “a UE permanece unida neste assunto” e que os acordos internacionais devem ser cumpridos. Bruxelas advertiu que não hesitará em impor tarifas sobre os produtos britânicos que chegam à Irlanda do Norte se o Governo de Johnson não colocar em prática os controles alfandegários que prometeu.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_