ENTREVISTA | LÍDER OPOSICIONISTA VENEZUELANO

Henrique Capriles: “Se fizermos mal, a Venezuela pode passar do autoritarismo ao totalitarismo”

Ex-candidato presidencial analisa a política venezuelana depois de aceitar participar nas eleições. “Um aposentado ganha dois dólares por mês. A única coisa que a revolução produz é a fome”, afirma

Henrique Capriles, durante uma entrevista em Caracas, em 29 de março do ano passado.
Henrique Capriles, durante uma entrevista em Caracas, em 29 de março do ano passado.Rayner Peña / EFE

Mais informações

Na segunda-feira da semana passada, o indulto presidencial que Nicolás Maduro concedeu a mais de 100 presos e perseguidos políticos abalou novamente os alicerces da política venezuelana. Foi a confirmação de um segredo de polichinelo: as conversas que o Governo vinha mantendo com um setor da oposição, liderado por Henrique Capriles, muito crítico da estratégia de Juan Guaidó, que cerca de 60 países, incluindo a Espanha, reconhecem como presidente interino da Venezuela.

Com o passar dos dias, os eventos ganharam corpo. Capriles (Caracas, 48 anos) consumou sua ofensiva e se mostrou disposto a participar das eleições parlamentares marcadas para 6 de dezembro, ao mesmo tempo em que lançava duros ataques contra o plano de Guaidó, cujo Governo interino qualificou de “Governo da Internet”. Quase em paralelo, o Executivo de Maduro enviou um convite à União Europeia e à ONU para que participem das eleições como observadores. Em uma videoconferência, na primeira entrevista que concede após causar um novo turbilhão na política venezuelana, Capriles tenta baixar a tensão entre o setor crítico do chavismo e aponta a Europa como o pilar dos passos que serão adotados a partir de agora.

Pergunta. O senhor afirma que não negociou nada, e que houve apenas conversas. Entre quem e para quê?

Resposta. Política significa fazer acordos, buscar soluções para as pessoas. Estamos procurando qualquer fresta que reste de democracia na Venezuela para entrar por ela. Há pessoas no chavismo que são contra o tudo ou nada, mesmo que demonstrem o contrário. O chavismo é maior que Maduro ou seus porta-vozes. Nem todos os processos de negociação ou conversas acontecem diante de uma câmera de televisão. Todos os processos bem-sucedidos foram subterrâneos. Estamos procurando abrir caminhos democráticos na Venezuela. Se vai ser possível, não sabemos. Não posso prever se minha gestão como líder político teve êxito ou não, é provável que possa fracassar, mas tenho que tentar. Se eu começar a peneirar quem são aqueles que querem explorar os caminhos democráticos, simplesmente acabo com esses acordos e vamos para as trincheiras. A oposição para as suas e o chavismo, bom, não, os governistas, também. Quem arca com as consequências? Os pobres. Não se esqueçam. Os grupos com opiniões arraigadas não correspondem às grandes maiorias na Venezuela.

P. Mas desde quando essas conversações vêm ocorrendo?

R. Busquei a libertação de Juan Requesens [deputado libertado no final de agosto]. Desde 2018. Juan é completamente inocente. Quem o soltou? Eu postei um tuíte, que era um sarcasmo, mas não foi entendido dessa forma, em resposta a um comunicado do Governo interino em que se falava de minhas gestões pessoais. Foi visto como algo personalista, mas eu não sou do tipo que se deixa trair pelo ego. Requesens não foi libertado por um exército, saiu em consequência da busca de acordos, que ainda não geram resultados para o grosso da população. Não sei se esse processo eleitoral, a busca desse fato político, vai se concretizar, mas temos que lutar. As pessoas me dizem: de novo? Sim, infelizmente, de novo, não nos resta opção. É um falso dilema votar ou não votar. O dilema é lutar ou não lutar. A grande questão é como se consegue a mudança na Venezuela. Não se consegue com uma ação militar que não vem, não virá e a maioria dos venezuelanos não quer que venha. Cuidado com os grupos que tentam moldar as opiniões, pois a grande maioria não entra no Twitter. É o que eu tento mostrar.

P. Fala continuamente na primeira pessoa do plural. A quem se refere? Quem está junto com o senhor?

R. Isto não é Capriles contra Maduro nem é a reedição das eleições presidenciais de 2013. É Venezuela contra Maduro. O que acontece é que há muito medo e eu me exponho, assumo a responsabilidade, é o que os líderes fazem. Não que Capriles tenha um cálculo político. Ousei dizer o que todo mundo pensa. Alguns dirão que roupa suja se lava em casa. Faz mais de um ano que venho pedindo uma retificação, uma mudança de estratégia, um plano. Não se trata de dá-lo a Capriles, trata-se de apresentá-lo ao país. Isso se esgotou. O que está por vir, se é que há, é uma grande desesperança e desconhecimento da política. As pessoas estão fartas dos políticos.

P. Quando deixou de acreditar na estratégia de oposição liderada por Guaidó?

R. Já encerrei o capítulo das diferenças. Acho que a partir de 30 de abril de 2019 [a insurreição fracassada com alguns militares], caímos em um tobogã; depois veio a Operação Gideon [a incursão paramilitar de maio deste ano] e depois, o tempo. Se Maduro segue tendo o controle interno, não podemos continuar com a mesma estratégia. A política se move, o mundo se move, aí está o olfato do líder para rever as estratégias. A unidade não é simplesmente uma foto. Se eu tiver que falar com chineses, russos, turcos ou com os cubanos que nunca me amaram, com qualquer pessoa que pense diferente de mim, mesmo regimes autoritários, para deter a tragédia que a Venezuela vive, eu o farei. Esse é o trabalho de um político.

P. Qual é a diferença entre a sua estratégia e a que Guaidó defende?

R. Não se trata de dividir nem contrapor estratégias. A opção eleitoral é aquela que repensa o cenário. Estou falando de lutar por condições. Em 2005, guardando as diferenças, decidimos dar a Assembleia de presente a Chávez. Nossa mensagem era que aquela assembleia perderia legitimidade. E Chávez baixou leis, nomeou autoridades. Não sei se vamos até o fim, mas temos que lutar. Se não lutamos, significa que já nos rendemos. Essa assembleia que vem é a que vai designar o novo poder eleitoral, que é o que vai organizar todos os processos eleitorais, incluindo uma possível eleição presidencial. O que nos deu força perante o mundo livre? Ter um poder legítimo. E esse poder completa cinco anos em 5 de janeiro. Uma coisa é Maduro cometer fraude e deixarmos novamente o rei nu, o que nos daria legitimidade. A posição que há quer prorrogar a Assembleia por conta própria, um Governo interino que não tem controle interno, uma consulta que não é vinculante. Eu não gostaria de perder esta oportunidade. Quem tem neste momento uma oportunidade estelar, protagonismo? A Europa. Pela primeira vez em 14 anos a União Europeia foi convidada para ser observadora eleitoral. Isso pode abrir um espaço de negociação para que essa eleição não acabe sendo um desperdício. A Europa tem uma oportunidade histórica de ajudar este país a recuperar a democracia. Se houver condições, essa eleição pode abrir novos espaços para acordos que permitam chegar a uma eleição presidencial. Se fizermos mal as coisas, a Venezuela pode passar do autoritarismo ao totalitarismo, ocupariam todos os espaços de poder. A cubanização total da Venezuela. Eu sou contra isso.

P. O senhor está pedindo o adiamento da data das eleições...

R. Não, desculpe, não peço que sejam adiadas. Peço que as condições sejam avaliadas. Minha opinião é que uma situação como esta, com pandemia, com mortes, com um sistema de saúde destruído, nos obriga a adiar a eleição. Mas, já que o regime de Maduro convidou a União Europeia, que venha a missão, que avalie, emita um relatório e coloque as cartas na mesa. Eu sei que Maduro disse que mesmo que faça chuva, com trovoadas e raios, haverá eleições no dia 6 de dezembro. Ele pode dizer o que quiser, mas não derrotou a pandemia. E, acima de qualquer cálculo político, uma eleição nunca será mais importante do que a vida dos venezuelanos. Assim como evitei uma guerra civil em 2013, estarei ao lado da vida dos venezuelanos.

P. Se a UE aceita o convite para ir com uma missão de observação eleitoral, mesmo que a data não seja adiada, o senhor participaria?

R. É um cenário completamente diferente. Acho que o que a UE deveria fazer é avaliar a condição. Se diz que há tempo, é outro cenário político. Não é que Capriles participe, é que muitos que hoje dizem não, lutarão. A Europa tem hoje um papel histórico diante da crise venezuelana. Já conhecemos a posição dos Estados Unidos, que está no meio de uma campanha presidencial. O Governo Trump tem como alvo um tipo de eleitor porque sabe que isso lhe dará votos. Minha questão não é quem ganha a presidência dos Estados Unidos. Meu tema é a situação dos venezuelanos. Um aposentado ganha dois dólares por mês. Essa é a revolução. A única coisa que a revolução produz é a fome.

P. O que fará se a UE não aceitar o convite do Governo?

R. Não posso revelar minha estratégia para você. Se a Europa recusar atuar como observadora na eleição, o processo na Venezuela ficará muito comprometido. Esse processo sem observação internacional… Não sou um aventureiro, sou um lutador. Uma missão qualificada de observadores internacionais é essencial nas condições institucionais da Venezuela hoje. Este CNE [Conselho Nacional Eleitoral] não é um CNE imparcial. Sempre acreditei que, para além dos dirigentes, o combate está nas seções eleitorais, mas há uma pandemia, não há gasolina, portanto, esses observadores são necessários. O convite se dá como consequência da busca de acordos, não é que agrade a Maduro convidar a União Europeia. Não é grátis.

P. Que compromissos firmou com o Governo?

R. Isto não é uma permuta, não estamos trocando coisas. Setores do governismo querem que a política volte, e eu também. Mas isso requer que não haja prisioneiros, que não haja perseguidos, que haja condições. Este é um processo de construção de confiança. Na medida em que você demonstra que está disposto a redemocratizar o país, iremos resgatando a política.

P. Mas nessa busca de acordos, o Governo deve ter pedido algo em troca. Com o que o senhor se comprometeu?

R. A questão não é que tenhamos firmado compromissos. Se você quer que a oposição participe, há condições. É isso que o Governo está colocando sobre a mesa. Por que eles querem que a eleição corra bem? Acho que a briga com o mundo livre é muito ruim. Eu também acho que há pressões internas, inclusive militares, que estão inconformados, insatisfeitos, e tem gente que está fazendo contas, evitando uma implosão. Não sou daqueles que acreditam que uma implosão fará com que a oposição governe, isto não é 2+2. Pode haver algo pior, sempre pode ser pior.

P. Para além da participação, nessa busca de acordos foi definida como condição a remoção de algumas sanções?

R. As sanções não dependem de nós.

P. O que acha se forem levantadas algumas sanções?

R. As sanções devem ser usadas para negociar o retorno da democracia à Venezuela. E aí está o grave erro de quem acreditava que as sanções iriam derrubar Maduro. As sanções por si só não derrubam governos.

P. De certa forma, está se beneficiando de uma estratégia que não deu frutos, mas serviu para encurralar o Governo.

R. Contanto que você tenha clareza sobre para que servem as sanções. Houve quem pensasse que iriam causar a falência do Governo. É preciso ter muito cuidado para que, ao aplicar sanções que vão além do Governo, isso não afete o tecido social, o que, longe de fortalecer os venezuelanos na luta contra Maduro, os enfraquece. As sanções podem ter o efeito contrário. Maduro não fica sem gasolina, os venezuelanos, sim. Se ficarmos mais fracos, esse tecido social de que se precisa para pressionar o regime, fica perdido. É preciso ter cuidado para não debilitar um tecido social já enfraquecido. Na medida em que você é mais pobre, você depende mais do Governo, da comida, do pouco combustível... É o que eu disse a alguns amigos nos Estados Unidos: avaliem bem como vocês está fazendo as coisas. Sanções são pressões para negociar a democracia.

P. Quem são esses amigos?

R. Não vou citar ninguém. É gente do Governo Trump, e também do Partido Democrata. Os Estados Unidos também terão um papel importante, é do seu interesse que a Venezuela se redemocratize.

P. Uma das exigências da oposição e da comunidade internacional é que todos os prisioneiros sejam libertados. É condição indispensável para que haja observação internacional?

R. É por isso que a Europa pode ajudar muito. Apertar um botão não muda as coisas. A liberdade absoluta vai depender da distensão da questão internacional, da qual não tenho controle. Claro, todos devem ser libertados, a política tem que voltar a ser o eixo.

P. Que papel a Espanha desempenha nesses movimentos?

R. No caso da Espanha, espero que isso não se transforme em uma luta ideológica em relação a suas posições sobre a Venezuela. Esta é uma luta para viver. Um paciente em um hospital não está interessado em se você é de esquerda ou de direita. Não se trata de que a União Europeia brigue com os Estados Unidos, mas vejo que o Governo Trump não tem propostas que abram espaços de negociação. Cuidado, negociar para quê? Para que Maduro fique? Não, para a volta da democracia. Maduro vai ter que fazer algo.

P. Mas o senhor também está apresentando às pessoas a possibilidade de retornarem a uma situação em que já estiveram, que é a de ser uma oposição minoritária.

R. Neste momento, não sabemos o final do filme, mas temos que lutar. Não estou interessado nas eleições parlamentares, mas temos um problema, não podemos ser irresponsáveis. O período da Assembleia Nacional está acabando, não podemos prorrogá-la por conta própria, perderíamos a legitimidade. E aqueles de nós que abraçaram a legitimidade que o Parlamento nos deu? O que vamos fazer então? Um Governo no exílio? Temos que mudar o jogo, para além da eleição. Ver quantos deputados podemos ter, isso é secundário. É preciso evitar o totalitarismo. Sabemos o que Maduro vai dizer, que a oposição não quis participar. Temos que tirá-lo daí. A política se move, o pior é quando você pensa que é estática.

P. É viável neste momento a unidade na oposição?

R. Eu acredito que a unidade, que é um meio, se não houver um plano ou estratégia, é de pouca utilidade para as pessoas. A unidade não é uma foto de líderes, não é vários partidos divulgando um comunicado. Unidade é um meio de alcançar mudanças. Meu adversário não é Guaidó, minha luta é contra Maduro, sempre foi. Se a unidade não tem estratégia, é intangível para as pessoas, termina sendo irrelevante.

P. Conversou com Guaidó depois das críticas que fez contra ele?

R. Eu participei de um G-4 [grupo dos principais partidos da oposição] e foram apresentadas todas as propostas. Eu torno público o que todo mundo pensa. Não faço isso para causar polêmica, faço porque, se não há a intenção de fazer mudanças e se nos quer levar para o abismo, é preciso pôr um freio nisso. Vamos nos unir para nos salvar, não para morrermos.

P. Na última sexta-feira, 277 pessoas se inscreveram na chapa Força de Mudança. Quem são esses candidatos?

A. Os espaços foram preenchidos por uma questão de cronograma. Não são definitivos. A Força da Mudança é uma plataforma que foi criada para cadastrar testemunhas presenciais nas eleições contra Chávez e que foi reativada pelos prefeitos para disputar as eleições municipais. Não há nada truculento ou obscuro. O que temos feito é evitar ficar de fora. Mas não são candidatos, porque não vamos apresentar candidatos enquanto não tivermos condições.

P. Quais foram os critérios para o indulto de mais de 100 prisioneiros e perseguidos?

R. Não conheço os critérios. Se você quer que os deputados aspirem à reeleição ou concorram para continuar no Parlamento, eles não podem estar sob julgamento, no exílio, em embaixadas, presos... Mas essa é uma decisão do regime. Estão todos? Não. O que é um sinal de que a luta tem que ser política? Sim.

P. Nessa lista não estão, por exemplo, Juan Guaidó, Leopoldo López e Julio Borges. Estaria disposto a participar das eleições se eles não forem indultados?

R. Devemos continuar buscando a liberdade de todos. Não deveria haver nenhum prisioneiro. A questão da Assembleia Nacional não é algo que eu quero, estamos com um entrave pela frente. O período constitucional vai terminar. O que fazemos? Tenho certeza de que Maduro não quer que participemos das eleições. Nós nos tornamos muito previsíveis. Imagine que toda a oposição diga que não vai disputar a eleição. Garanto que Maduro a adia. Eu gostaria de conseguir tudo com uma única ação, mas não é possível. E o adversário sabe disso, por isso sempre te leva ao extremo. Aí entra a necessidade de pararmos de nos tornar previsíveis.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50