Venezuela

Oposição venezuelana dividida aprofunda o desgaste do Guaidó

Aposta de Capriles nas eleições parlamentares aumenta a fragilidade do líder opositor venezuelano, reconhecido como presidente interino por vários países, mas atacado pela incapacidade de apresentar avanços claros em sua agenda

O líder opositor da Venezuela, Juan Guaidó, em Caracas, em 28 de março.
O líder opositor da Venezuela, Juan Guaidó, em Caracas, em 28 de março.Cristian Hernández / AFP

O retorno de Henrique Capriles à primeira linha da política venezuelana, com sua aposta de participar nas eleições de 6 de dezembro, não somente aumentou as crônicas diferenças na oposição. Também compromete ainda mais o futuro de Juan Guaidó, a quem dezenas de países ainda reconhecem como o presidente interino da Venezuela, um cargo sem poder real no país, ainda que com peso, principalmente à comunidade internacional.

A dificuldade para oferecer uma alternativa à participação eleitoral e a falta de resultados de sua estratégia para retirar Maduro do poder deu voz a um coro de críticos. Ainda mais: a maioria dos venezuelanos perdeu as esperanças no resultado de seus esforços.

Mais informações

Guaidó, de 37 anos, era praticamente um desconhecido em janeiro de 2019, quando foi nomeado presidente da Assembleia Nacional e tomou posse como presidente interino da Venezuela, cargo reconhecido por aproximadamente 60 países, entre eles os Estados Unidos e grande parte da União Europeia, incluindo a Espanha. Nenhum desses países desistiu de considerá-lo ainda mandatário interino, mas a realidade mostra outro caminho.

Após quase dois anos, a estratégia de Guaidó, que começou o ano recebendo uma homenagem do Congresso dos EUA, quase não deu frutos internos e a criação de uma estrutura paralela, principalmente no exterior ― “Governo de Internet”, disse Capriles ―, levantou muitas dúvidas na Venezuela. A fracassada incursão paramilitar de maio, em que se viu envolvido, foi outro golpe que a manobra de Capriles ajudou a derrubar. Ainda que continue sendo uma referência, a credibilidade de Guaidó desabou.

Tudo indica que Guaidó está jogando contra o relógio no campo de disputa: a possível participação de Capriles nas eleições parlamentares ― vista com bons olhos entre grande parte da diplomacia europeia, incluindo a Espanha ― pode enfraquecer ainda mais suas posições no contexto internacional, seu maior ativo hoje em dia. Por enquanto, Guaidó ainda conta com o apoio irrestrito de Washington.

A cientista política e escritora Colette Capriles opina que o fim de ciclo de Guaidó está se aproximando e, mesmo concentrando uma grande parte da oposição, suas alianças estão comprometidas. “Esse processo pode romper a unanimidade da comunidade internacional em torno a Guaidó. Maduro, ao dividir a oposição, também divide os aliados estrangeiros dos quais Guaidó se tornou muito dependente, especialmente dos EUA”.

“A fresta que deve se abrir, portanto”, diz a cientista política, “é para recalcular, como o fazem os aparelhos de GPS. Uma postergação das eleições, como vários atores colocaram, seria um espaço em que pode se traçar o horizonte de uma saída negociada como a que se estava tentando fazer com a ajuda da Noruega”. A possibilidade de encontrar um final negociado foi mencionado nessa semana pelo Alto Representante exterior da UE, Josep Borrell.

A luta contra o chavismo significou o sacrifício de muitas lideranças ao longo dos últimos anos. Para o cientista político Luis Salamanca, Guaidó vive a natural deterioração da sua. “Quando não se consegue o nocaute, é preciso continuar boxeando para enfraquecer o outro”, diz. “Há um erro de interpretação em pensar que como não se conseguiu o máximo não se conseguiu nada. Guaidó conquistou muitas coisas. A lógica indica que se deve continuar trabalhando”. Salamanca teme um risco ainda maior do que a sobrevivência de Guaidó: “Há um grave perigo de debandada maciça dos partidos e dos membros de oposição. As pessoas já estão muito frustradas”.

Com todas as diferenças, Guaidó reteve durante muitos meses o apoio de quase todos os partidos importantes da oposição. Mas dirigentes mais próximos ao setor de Capriles evidenciam seu incômodo pela tutela de setores conservadores norte-americanos. Alguns dirigentes próximos a Guaidó temem que ocorram deserções a favor de Capriles. O Primeiro Justiça, partido ao que Capriles pertence e um dos partidos fundamentais da unidade oposicionista, teve nesses dias longos debates sobre o anúncio de um de seus líderes fundamentais. Em particular porque entre suas bases há muitas pessoas que consideram que participar das eleições legislativas continua sendo a única opção para enfrentar Maduro.

O chavismo, entretanto, continua dando passos para seduzir os opositores e dividi-los por dentro. Além dos mais de 100 indultos a presos e perseguidos e a carta convidando a UE e a ONU para participar como observadores das eleições, na sexta-feira veio uma decisão do Supremo Tribunal, que deixava sem efeito a nomeação do dissidente Luis Parra como maior representante do Primeiro Justiça, teoricamente retornando o controle do partido aos seus dirigentes, um dos pedidos da oposição. Agora se espera que o mesmo ocorra com o Ação Democrática e o Vontade Popular.

Reconhecer erros

O Primeiro Justiça emitiu um comunicado em que mantinha que não participará das eleições, porque não há condições eleitorais e a pandemia impede sua realização. Mas mesmo lembrando que os que desobedecerem a essa linha serão punidos, o texto lança um ataque a Guaidó: “Devemos reconhecer com humildade uma série de erros e a incapacidade de retificação na condição do Governo interino, que impediu derrotar a ditadura e aliviar o sofrimento dos venezuelanos”. O texto propõe “abrir um debate franco para reconstruir a organização e a atuação da oposição”, o que evidencia que sequer dentro do que é conhecido como G4, que aglutina os principais partidos da oposição, Guaidó tem garantido o respaldo a sua rota.

Para Salamanca, Capriles está procurando a maneira de retomar sua liderança no que sem dúvida será um próximo ciclo à oposição. Mas alerta que, sem Guaidó, não terá força de mobilização, de modo que a unidade continua sendo uma condição necessária. Salamanca diz que o que Guaidó conseguiu é o que em termos militares pode se chamar “cabeça de ponte”, se referindo ao momento em que, se os reforços chegarem, pode se passar da defesa ao ataque.

O desgaste de Guaidó, na opinião do escritor e analista político Pedro Benítez, é completamente lógico e isso não significa necessariamente que o fim de seu ciclo se aproxima. “Guaidó deixou expectativas que não se cumpriram e isso lhe custou apoio. Continua tendo consigo, entretanto, muitas cartas fortes e a mais importante de todas, além do respaldo internacional e latino-americano, é que continua sendo um dirigente popular”.

Colette Capriles aponta um aspecto bem importante: as sanções ao Governo e à cúpula chavista. “Sem elas, Maduro não estaria em condições de ceder nada. O objetivo do chavismo nas eleições é tirar Guaidó do jogo. Se ocorrerem em dezembro conseguiria, até mesmo declarando a continuidade do Governo interino, que seria um Governo no exílio, como já praticamente o é. O prolongamento do Governo interino não tem base jurídica, mesmo que possa ser buscada, mas também não tem base política”.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50