_
_
_
_
_

Bolsonaro promete ir ao Senado por impeachment de ministros do STF: “Extrapolam limites constitucionais”

“Todos sabem das consequências de uma ruptura institucional, a qual não provocamos ou desejamos”, publicou o presidente. Manifestação ocorre um dia após a prisão do ex-deputado Roberto Jefferson

Bolsonaro exibe lança durante encontro com indígenas na quinta-feira na Praça dos Três Poderes.
Bolsonaro exibe lança durante encontro com indígenas na quinta-feira na Praça dos Três Poderes.ADRIANO MACHADO (Reuters)
Mais informações
Maria Hermínia Tavares de Almeida
Maria Hermínia Tavares: “Bolsonaro produz um som estridente cada vez mais alto, mas sem efeito ”
Brasília - Presidente Nacional do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Roberto Jefferson, fala à imprensa após reunião com o presidente Michel Temer, no Palácio do Planalto (Valter Campanato/Agência Brasil)
Ex-deputado Roberto Jefferson é preso pela PF em investigação que apura milícias digitais
Luiz Fux
Fux sobre ataques de Bolsonaro: “Quando se atinge um dos integrantes do STF, se atinge a corte por inteiro”

Após semanas de ataques verbais, o presidente Jair Bolsonaro resolveu apelar para as vias institucionais em sua batalha contra os ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, este último também presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Alvo de três inquéritos no STF, o mandatário anunciou por meio de suas redes sociais neste sábado que na próxima semana levará ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), “um pedido para que instaure um processo sobre ambos, de acordo com o art. 52 da Constituição Federal”. Ele se refere ao artigo que rege, entre outras coisas, o impeachment, tanto do presidente da República quanto de ministros do STF. A ideia do impedimento de um ministro do STF não é nova entre os bolsonaristas, mas é a primeira vez que o presidente a considera formalmente em público.

A manifestação de Bolsonaro ocorre um dia após a prisão do ex-deputado Roberto Jefferson, histriônico aliado recente do presidente. Presidente do PTB, Jefferson foi detido sob ordem de Alexandre de Moraes em um dos inquéritos decorrentes de investigações sobre atos antidemocráticos, que tem por alvo bolsonaristas. Entre os apoiadores de Bolsonaro, soou o alerta de que mais aliados do Governo podem vir a ser detidos, como já havia ocorrido com o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ). “O povo brasileiro não aceitará passivamente que direitos e garantias fundamentais (art. 5° da CF), como o da liberdade de expressão, continuem a ser violados e punidos com prisões arbitrárias, justamente por quem deveria defendê-los”, escreveu Bolsonaro neste sábado na sequência de tuítes em que anunciou a decisão de representar contra os ministros do STF..

O presidente também faz uma menção direta a Moraes: Lembro que, por ocasião de sua sabatina no Senado, o Sr. Alexandre de Moraes declarou: ‘reafirmo minha independência, meu compromisso com a Constituição, e minha devoção com as LIBERDADES INDIVIDUAIS’.” O destaque em caixa alta é do próprio Bolsonaro. A relação do presidente com o STF já vinha abalada desde que seus apoiadores começaram a defender, por vezes incentivados pelo próprio Bolsonaro, medidas como o fechamento do Supremo ou uma intervenção militar —possibilidade com a qual o próprio Bolsonaro flerta constantemente, como no caso do desfile de tanques na Esplanada dos Ministérios nesta semana. Os atritos pioraram depois que o mandatário passou a atacar publicamente o sistema eleitoral do país, duvidando da segurança da urna eletrônica.

As dúvidas alimentadas pelo presidente foram respondidas pelo STF com a abertura de duas investigações a pedido do presidente do TSE, Barroso. O responsável pelo inquérito no qual as apurações correm é Alexandre de Moraes. São os dois, portanto, os maiores adversários de Bolsonaro no tribunal atualmente. O presidente acusou Moraes, especificamente, de jogar fora das quatro linhas da Constituição e, bem ao seu modo, deixou mais uma ameaça no ar: “Então o antídoto para isso também não é dentro das quatro linhas da Constituição”. Na hora de anunciar um ação, contudo, o presidente apela à Constituição. Os atritos levaram o presidente do STF, Luiz Fux, a cancelar uma reunião para apaziguar os ânimos entre os três poderes. Na ocasião, Fux fez um discurso contundente: “Quando se atinge um dos integrantes do STF, se atinge a corte por inteiro”.

A possibilidade de impeachment de um presidente do Supremo é bastante remota. Em entrevista recente ao EL PAÍS, o professor de direito da USP Conrado Hübner disse que “o pedido de impeachment de ministro do STF é uma bomba muito perigosa”. “O único mecanismo externo que resta na Constituição brasileira [para interferir no STF] é essa ideia quase fictícia de impeachment, porque isso nunca aconteceu, e é um instrumento muito dado a abusos”, comentou, destacando que essa ideia costumava ser algo muito incomum, mas “nos últimos dois anos, se juntaram pelo menos duas dezenas” de pedidos no Senado. “É preciso ser um caso muito flagrante de violação da lei, precisa ter muito consenso, porque é algo mais delicado do que o impeachment de qualquer outro ministro ou mesmo do presidente”, finalizou.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

O presidente do Senado não se manifestou sobre a intenção anunciada por Bolsonaro. Mas sua colega Simone Tebet (MDB-MS) retrucou insinuando o impeachment do mandatário: “Presidente vai mesmo pedir ao Senado o impeachment de ministros do STF? Quem pede pra bater no ‘Chico’, que mora no Inciso II, artigo 52, da CF, se esquece de que o ‘Francisco’ habita o Inciso I, do mesmo endereço”. O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) também criticou em seu perfil no Twitter o anúncio de Bolsonaro: “Ministros do STF podem e devem ser investigados por fatos concretos, mas o tal pedido de impeachment que Bolsonaro pretende apresentar contra Barroso e Moraes é só + uma cortina de fumaça para tentar esconder o mar de crimes comuns e de responsabilidade que o próprio PR [presidente] cometeu”.

Nas redes sociais de perfis favoráveis ao presidente, Bolsonaro parece ter conseguido o efeito desejado. “PR Bolsonaro levará ao Senado pedido de impeachment dos Ministros Barroso e Alexandre de Moraes. Aí sim, Presidente!”, escreveu o deputado Carlos Jordy (PSL-RJ). “Não é possível q senadores assistam e aceitem passivamente todos esses atos inconstitucionais e ataques às instituições e não façam nada. Parabéns por sua postura!”, completou o parlamentar. O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) engrossou o coro. “Presidente Bolsonaro levará semana que vem ao Presidente do Senado Rodrigo Pacheco (DEM-MG) pedido de impeachment de Barroso e Alexandre de Moraes, conforme prevê o art. 52 da Constituição. Base do pedido é contínuas violações de liberdades como a de expressão”, escreveu.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_