Brasil ultrapassa 11.100 mortes por covid-19 sob o silêncio de seu presidente sobre as vítimas

Enquanto seu ministro da Saúde lamenta vidas perdidas, Bolsonaro ignora luto decretado por Congresso e STF, ironiza ‘lockdown’ e debocha de risco de impeachment: “Vou sair dia 1º de janeiro de [20]27”

Um grupo de mulheres reza enquanto o padre Reginaldo Manzotti realiza uma missa em drive-thru no Dia das Mães, em Curitiba.
Um grupo de mulheres reza enquanto o padre Reginaldo Manzotti realiza uma missa em drive-thru no Dia das Mães, em Curitiba.RODOLFO BUHRER (Reuters)
São Paulo -
Mais informações
Supporters of far-right Brazilian President Jair Bolsonaro take part in a motorcade to protest against social distancing and quarantine measures, recommended by Sao Paulo's governor Joao Doria, following the coronavirus disease (COVID-19) outbreak, in Sao Paulo, Brazil, May 3, 2020. REUTERS/Amanda Perobelli
Pandemia expõe “necropolítica à brasileira” e uma certa elite que não vê além do umbigo
FILE - In this April 3, 2020 file photo, Lowe's customers wear gloves and masks as they shop during the coronavirus pandemic in New York. U.S. retail sales plummeted 8.7% in March, a record drop as the viral outbreak closed down thousands of stores and shoppers stayed home. Sales fell sharply across many categories: Auto sales fell 25.6%, while clothing store sales collapsed, dropping 50.5%. (AP Photo/Mark Lennihan, File)
Mundo depois da Grande Reclusão terá de lidar com populismo e decisões sobre ajudas públicas
Un trabajador de una funeraria trabaja con ropa de protección contra el coronavirus en el cementerio de Caju en Río de Janeiro (Brasil).
Brasil passa de 10.600 mortes por covid-19, enquanto Bolsonaro anda de jet ski e chama pandemia de “neurose”

O novo coronavírus causou 11.123 mortes no Brasil até este domingo, que ainda aguarda a confirmação de outros 1.892 óbitos em investigação. Foram 496 vidas perdidas confirmadas nas últimas 24 horas, 123 delas nos três dias que passaram. Ante o decreto de luto oficial pelo Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal, coube ao ministro da Saúde, Nelson Teich, comentar a marca atingida pelo país. Nenhum outro membro do Governo Jair Bolsonaro, nem ele próprio, lamentou a trágica cifra. “Hoje, dia 10 de maio, amanhecemos com uma enorme dualidade de sentimentos, que por um lado nos traz a alegria de um dia tão especial como o dia das mães e por outro a tristeza e sofrimento de ter atingido a terrível marca de mais de 10 mil mortes por covid-19 no Brasil”, escreveu o ministro no Twitter, em referência ao boletim do dia anterior, quando foram confirmadas 730 mortes em um dia. De Bolsonaro, por sua vez, nenhuma palavra sobre as mortes e o decreto de luto dos Poderes Legislativo e Judiciário. Poucas e simbólicas palavras, porém, sobre os que pedem sua renúncia ou impeachment. “Vou sair dia primeiro de janeiro de [20]27”, afirmou em tom de deboche, na porta do Palácio do Alvorada, ao retornar de uma festa familiar na casa do filho Eduardo Bolsonaro. O mandato de Bolsonaro vai até 2022.

Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil tem 162.699 casos confirmados, sendo que 64.957 se recuperaram da doença e 86.619 estão em acompanhamento. Teich se solidarizou especialmente com as mães que perderam seus filhos por conta da covid-19 e com os filhos que perderam suas mães. "Para esses, deixo aqui meus sentimentos e meu compromisso de fazer o meu melhor para que vençamos rápido essa terrível guerra”, afirmou.

O ministro também deixou uma mensagem para as mães que trabalham nos hospitais, farmácias, supermercados e transportes, profissionais que se privam de estar com suas famílias e, segundo ele, fazem com que o país continue funcionando. Já o presidente usou suas redes sociais para lamentar outra morte, mas esta ocorrida há 50 anos: a do tenente da Polícia Militar Alberto Mendes Júnior, morto em 10 de maio de 1970, durante a guerrilha no Vale do Ribeira.

Bolsonaro, que no sábado fez um passeio de jet ski, voltou a furar neste domingo a quarentena ―recomendado pela Organização Mundial da Saúde e autoridades médicas― e deixou o Palácio da Alvorada para conhecer a nova casa do filho Eduardo Bolsonaro, deputado federal pelo Rio de Janeiro, e da nora. No local, onde reuniram-se cerca de dez pessoas, a família realizou o almoço de Dia das Mães e o chá de revelação para Heloísa, grávida de três meses de uma menina.

Antes do encontro familiar, o presidente criticou nas redes sociais o lockdown (bloqueio total) decretado esta semana na região metropolitana de São Luís (MA) e publicou um vídeo de uma abordagem policial de fiscalização no Maranhão para criticar a gestão do governador Flávio Dino (PCdoB), comparando a situação no estado com a crise política e econômica da Venezuela. No vídeo publicado pelo presidente, aparece um policial uniformizado dentro de um ônibus, checando quais passageiros estão, de fato, deslocando-se para “atividades essenciais”. Na legenda da publicação, Bolsonaro diz que “milhões já sentem como é viver na Venezuela”.

Desde o dia 5 de maio, por determinação da Justiça, só são permitidos nas quatro cidades da Grande São Luiz o funcionamento de serviços essenciais e a circulação de pessoas que trabalham prestando esses serviços. Esses trabalhadores são autorizados a se deslocar mediante a apresentação à fiscalização de uma declaração da empresa ou órgão em que trabalham. “'Documento e declaração de que vai trabalhar'... Se não tem, desce. Assim o povo está sendo tratado e governado pelo PCdoB/MA e situações semelhantes em mais estados. O chefe de família deve ficar em casa passando fome com sua família. Milhões já sentem como é viver na Venezuela”, escreveu o presidente.

Em resposta, o governador Flávio Dino disse que Bolsonaro estaria “tentando sabotar medidas sanitárias” de combate à pandemia ao fingir “estar preocupado com o desemprego”. “Bolsonaro inicia o domingo me agredindo e tentando sabotar medidas sanitárias determinadas pelo Judiciário e executadas pelo Governo. E finge estar preocupado com o desemprego. Deveria então fazer algo de útil e não ficar passeando de jet ski para ‘comemorar’ 10.000 mortos”, publicou o governador.

Além do Maranhão, o bloqueio total já foi decretado no Estado do Pará, em Fortaleza, Niterói, em parte da zona oeste do Rio de Janeiro e em três regiões de Salvador. No Estado de São Paulo, que viu neste domingo as mortes pela covid-19 chegarem a 3.709 mortes (101 a mais notificadas desde o sábado) e atingiu 45.444 infecções, ainda não adotou o lockdown, mas manteve as medidas de restrição de circulação e, a partir desta segunda, multará os veículos que descumprirem o rodízio estendido para diminuir a frota nas ruas.

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da Covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS