Cúpula G7

Macron questiona se Bolsonaro está “à altura” do cargo depois das piadas que fez de sua mulher

Presidente do Brasil endossou um comentário no Facebook que zombava da aparência de Brigitte Macron

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro durante a cimeira do G20 em Osaka em junho passado.
O presidente francês, Emmanuel Macron, e o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro durante a cimeira do G20 em Osaka em junho passado.JACQUES WITT (AFP)

Mais informações

A escalada dialética entre Emmanuel Macron e Jair Bolsonaro subiu nesta segunda-feira vários graus depois que o presidente brasileiro e um de seus ministros publicaram comentários desrespeitosos sobre o presidente francês e sua mulher. "Como sinto muita amizade e respeito pelo povo brasileiro, espero que tenha rapidamente um presidente que esteja à altura", disse Macron em entrevista coletiva durante o último dia da cúpula do G7, em Biarritz (França).

O motivo do novo confronto entre ambos foi um comentário de Bolsonaro na rede social Facebook. O presidente brasileiro reagiu a uma mensagem que zombava do físico da primeira-dama francesa, Brigitte Macron, e a comparava desfavoravelmente à brasileira Michelle Bolsonaro, relata a agência France Presse. A francesa tem 66 anos; a brasileira, 37.

Captura de tela do comentário do presidente do Brasil troçando-se de Brigitte Macron.
Captura de tela do comentário do presidente do Brasil troçando-se de Brigitte Macron.Facebook

"Entende agora por que Macron persegue Bolsonaro?", diz a mensagem, referindo-se ao choque de Macron e Bolsonaro na semana passada pelos incêndios na Amazônia. Bolsonaro –ou alguém que controla a sua conta do Facebook– comentou: “não humilha cara. kkkkkkk”.

A publicação do presidente brasileiro no Facebook não foi o único ataque a Macron. O filho de Bolsonaro, Eduardo, deputado e possível próximo embaixador brasileiro nos EUA, retuitou na sexta-feira um vídeo de manifestações violentas de coletes amarelos na França com o texto: "Macron é um idiota". Paralelamente, o ministro da Educação do Brasil, Abraham Weintraub, disse que "Macron não está preparado para esse debate", referindo-se aos incêndios na Amazônia, e o chamou de "calhorda oportunista que busca o apoio do lobby agrícola francês".

“O que posso dizer a eles? É triste, é triste. Mas é triste acima de tudo para ele e para os brasileiros ”, respondeu Macron em Biarritz. "Acho que as mulheres brasileiras, sem dúvida, têm vergonha de ler isso de seu presidente", acrescentou. "Acho que os brasileiros, que são um grande povo, ficam um pouco envergonhados ao ver esses comportamentos e esperam de um presidente que se comporte bem com os demais.”

Macron reiterou suas acusações a Bolsonaro por "mentir" sobre seus compromissos contra as mudanças climáticas quando, em julho, os dois países assinaram o acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul ". Ele também lembrou a desfeita de Bolsonaro ao ministro das Relações Exteriores francês, Jean-Yves Le Drian, quando visitou Brasília em julho.

"Algumas semanas depois [da assinatura do Tratado do Mercosul], ele teve um encontro urgente com o cabeleireiro, quando deveria receber o ministro das Relações Exteriores", disse o presidente francês. “E ontem considerou que era uma boa ideia que seu ministro me insultasse. Na França nunca ocorre a um ministro da República insultar qualquer dirigente. E ele pronuncia palavras extraordinariamente desrespeitosas sobre minha esposa.”

A disputa entre Paris e Brasília pôs em xeque o acordo com o Mercosul, questionado na França. Macron, que lidera uma frente liberal e progressista no cenário internacional, encontrou um antagonista perfeito no nacionalista Bolsonaro.

Vídeo mostra conversa vazada sobre Bolsonaro

Na tarde deste domingo, Bolsonaro retuitou um vídeo de uma conversa entre Macron, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o premiê britânico, Boris Johnson, em que os líderes discutem a situação na Amazônia. No encontro, Merkel diz que irá entrar em contato com o presidente brasileiro nesta semana para que o presidente brasileiro não fique com a impressão de que se está trabalhando contra ele.

Em seu tuíte, Bolsonaro agradece aos chefes de Estado que "ouviram e nos ajudaram a superar uma crise que só interessava aos que querem enfraquecer o Brasil".