Seleccione Edição
Login

Sexo, mentiras e violência: cenas de uma campanha inflamada até a reta final

Corrida começou como o líder das pesquisas a presidente atrás das grades e um atentado que quase matou Bolsonaro. Na disputa estadual, teve até sextape para incendiar as redes

Seria preciso uma mente criativa ao extremo, dotada de altas doses de sadismo e ironia para escrever um roteiro como o das eleições brasileiras deste ano. Se antes o cenário político nacional repleto de intrigas e traições que culminaram no impeachment da presidenta Dilma Rousseff era comparado ao enredo de séries como House of Cards e Game of Thrones, a campanha deste ano se aproximou do futuro distópico e da pós-verdade de Black Mirror e The Handmaid’s Tale. Um candidato de extrema-direita é esfaqueado, o líder das pesquisas preso, um volume de fake news que faria corar a campanha de Donald Trump, muita violência – e até uma sextape na disputa estadual do Estado mais rico do Brasil. Estes foram alguns dos elementos que fizeram esta eleição ganhar contornos de uma batalha única na história brasileira.

Sexo, mentiras e violência: cenas de uma campanha inflamada até a reta final

O líder das pesquisas atrás das grades

Logo no primeiro dia da campanha eleitoral um fato inédito na história brasileira: o então líder das pesquisas e ex-presidente do país por dois mandatos, Luiz Inácio Lula da Silva, começou a disputa atrás das grades. O petista, preso desde abril deste ano após ser condenado a mais de 12 anos de detenção por corrupção e lavagem de dinheiro no âmbito da Operação Lava Jato, foi o candidato da legenda para o Planalto até o dia 31 de agosto.

O plano B petista

Sexo, mentiras e violência: cenas de uma campanha inflamada até a reta final

O partido, prevendo que o presidenciável-presidiário seria barrado pela Justiça eleitoral em algum momento, tentou o quanto pôde adiar a troca da cabeça de chave de sua chapa, tendo em vista que o ex-sindicalista era sua bala de prata. Até que o Tribunal Superior Eleitoral negou o registro de sua candidatura, fazendo com que o PT tivesse que usar seu plano B, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, bem menos carismático e famoso que Lula.

Sem Lula, capitão assume a ponta

Sexo, mentiras e violência: cenas de uma campanha inflamada até a reta final

Com Lula preso e impedido de disputar as eleições, o candidato de extrema-direita do PSL à presidência, Jair Bolsonaro, assumiu a liderança das pesquisas. Com seu estilo agressivo e defendendo uma série de pautas duvidosas, que inclui a licença para matar para policiais, o capitão da reserva altera a dinâmica da disputa, monopolizando o discurso do antipetismo.

O capitão esfaqueado

Sexo, mentiras e violência: cenas de uma campanha inflamada até a reta final

O ineditismo do pleito deste ano não parou aí. Menos de uma semana depois de o PT ser obrigado a sacar Lula do jogo, Bolsonaro foi alvo de um ataque com faca na cidade mineira de Juiz de Fora. À época ele havia assumido a liderança das pesquisas após o petista ter sido barrado. Enquanto participava de um ato de campanha em 6 de setembro ele levou uma estocada no estômago e precisou ser submetido a uma operação de emergência que o tiraria das ruas por prazo indeterminado. Acabado o período de convalescência, uma surpresa: Bolsonaro se recusou a participar dos debates. Alguns membros de seu círculo íntimo alegaram que se tratava de uma medida de segurança, para que o capitão não fosse alvo de novos atentados. Para os petistas, no entanto o adversário estava apenas se escondendo, tendo em vista seu desempenho irregular nos debates dos quais participou.

A revolução do WhatsApp

Sexo, mentiras e violência: cenas de uma campanha inflamada até a reta final
REUTERS

Independentemente das causas que fizeram com que Bolsonaro se esquivasse do debate com Haddad após ser liberado pelos médicos, houve uma arena na qual a o capitão reinou supremo. Nas redes sociais e grupos de WhatsApp sua campanha foi avassaladora e deixou os adversários a ver navios. Usando os aplicativos de troca de mensagens, a tropa de choque do militar da reserva composta por familiares, parlamentares aliados e apoiadores construiu uma complexa rede de troca de informações que desnorteou os adversários.

Fake news

Sexo, mentiras e violência: cenas de uma campanha inflamada até a reta final

Estas foram as eleições das fake news. A campanha e os apoiadores de Bolsonaro seguiram um modelo semelhante ao posto em prática pela campanha de Trump com o auxílio de Steve Bannon, estrategista político americano com quem o filho do capitão chegou a se reunir. Com vídeos curtos, montagens e memes, os simpatizantes do peeselista conseguiram atingir em cheio o rival petista, com mentiras que beiravam o absurdo mirando sempre os chamados “bons costumes” da “família tradicional brasileira”. Os boatos iam de “Haddad defende a legalização da pedofilia com crianças acima de 12 anos de idade” até “Petista tem seguranças do Exército cubano”. Haddad, que criticou o volume de notícias falsas em circulação, chegou ele mesmo a propagar algumas, como a de que o vice de Bolsonaro, general Hamilton Mourão, teria sido torturados na época da ditadura. A gafe veio depois de o cantor Geraldo Azevedo chegou a afirmar que o vice do exmilitar teria sido um de seus torturadores quando foi preso pela ditadura. Mas Azevedo acabou voltando atrás e pediu desculpas. Seus seguidores também fomentaram as correntes de fake news, espalhando, por exemplo, que Bolsonaro não teria sido esfaqueado, e sim alvo de uma cirurgia de câncer de estômago.

Justiça sem ação

Sexo, mentiras e violência: cenas de uma campanha inflamada até a reta final

Despreparados para lidar com este fenômeno em tal magnitude, o Judiciário admitiu que não sabia lidar com fake news. A ministra Rosa Weber, presidenta do Tribunal Superior Eleitoral, chegou a afirmar que gostaria "imensamente que houvesse uma solução pronta e eficaz (...), mas de fato, não temos". A magistrada ainda fez um apelo, dizendo que quem tiver "uma solução para que se coíbam fake news, por favor, nos apresentem. Nós ainda não descobrimos o milagre”.

Violência

Sexo, mentiras e violência: cenas de uma campanha inflamada até a reta final

O Brasil sempre foi famoso por episódios de violência eleitoral. Mas este ano, com a polarização política atingindo o ápice, os casos de agressões, assédio e até morte provocados por ódio a um ou outro dos candidatos se popularizaram. Foram mais de 50 casos documentados em um período de 10 dias, grande parte dos crimes cometida por simpatizantes de Jair Bolsonaro. O mestre de capoeira Moa do Katendê, 63, foi assassinado em Salvador com mais de dez facadas nas costas na madrugada após o primeiro turno, dia 8 de outubro. O autor do crime teria, segundo testemunhas, se irritado quando Moa declarou ter votado no PT. Por todo o país casos de agressão provocada por intolerância política se propagaram, e pessoas foram atacadas por usar boné do Movimento dos Sem Terra e até adesivos da campanha #EleNão. Bolsonaro condenou qualquer ato de violência, mas a retórica agressiva usada por ele ("vamos varrer do mapa os vermelhos", disse o capitão em um ato de campanha) foi apontada como combustível para seus simpatizantes.

Sexo na campanha

Sexo, mentiras e violência: cenas de uma campanha inflamada até a reta final

O conteúdo espalhado pelo WhatsApp ganhou contornos picantes na disputa paulista. O ex-prefeito da capital e candidato do PSDB ao Governo, João Doria, se viu obrigado a afirmar que não era ele o protagonista de um vídeo erótico onde um homem aparecia na cama em meio a uma orgia com seis mulheres. Independentemente da autenticidade das imagens, a Internet não perdoou, e dezenas de memes se espalharam como fogo em pólvora nos grupos de troca de mensagens.

A reinvenção da campanha eleitoral

Sexo, mentiras e violência: cenas de uma campanha inflamada até a reta final

O WhatsApp e o Facebook assumiram o papel de principal plataforma da propaganda este ano, deixando para trás o chamado palanque eletrônico no rádio e na TV. O horário eleitoral televisivo, tido como um pilar de todas as campanhas desde a democratização e responsável por alianças partidárias pouco republicanas, perdeu peso. Prova disso é que Bolsonaro teve apenas 8 segundos e foi ao segundo turno. Já Geraldo Alckmin (PSDB) com seus 4 minutos e 46 segundos de propaganda diária (quase 44% do total) era tido como um dos favoritos para ir ao segundo turno. Ficou em quarto colocado. Marina Silva (Rede), que em 2014 obteve mais de 22 milhões de votos no primeiro turno, ficando na terceira colocação, este ano derreteu e ficou com pouco mais de um milhão de votos.

MAIS INFORMAÇÕES