Operação da Polícia Federal

PF deflagra operação na Câmara dos Deputados e mira fraude em registros sindicais

Paulinho da Força, Jovair Arantes e Wilson Filho são alvos da operação Registro Espúrio

Policiais federais cumprem mandado de busca e apreensão na Câmara dos Deputados em Brasília, nesta quarta.
Policiais federais cumprem mandado de busca e apreensão na Câmara dos Deputados em Brasília, nesta quarta.ADRIANO MACHADO / REUTERS

Cerca de 320 agentes da Polícia Federal cumpriram na manhã desta quarta-feira (30) oito mandados de prisões preventivas, 15 de prisões temporárias e 64 de busca e apreensão no Distrito Federal, São Paulo, Goiás, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais. Os deputados Paulinho da Força (SDD-SP), Jovair Arantes (PTB-GO) e Wilson Filho (PTB-PB) estão entre os investigados por fraudes no sistema de registro sindical na operação batizada de Registro Espúrio.

Mais informações

“As investigações preliminares indicam que o grupo montou um esquema que funcionava em secretarias do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) responsáveis pela análise de pedidos”, afirmou a Procuradoria-Geral da República (PGR) em nota. Os gabinetes dos três deputados federais passaram por busca e apreensão. Leonardo José Arantes e Rogério Papalardo Arantes, sobrinhos do deputado Jovair Arantes estão entre os alvos de mandato de prisão.

Entenda o esquema

Segundo petição enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, no decorrer do inquérito, a Polícia Federal identificou a existência de um esquema criminoso estruturado em cinco núcleos de atuação: administrativo, político, sindical, captador e financeiro. A petição menciona pagamentos de até R$ 4 milhões pela liberação de um único registro sindical.

“Cerca de dez servidores da pasta integram o núcleo administrativo, que tinha a incumbência de viabilizar as fraudes que incluíam o desrespeito à ordem cronológica dos requerimentos e o direcionamento dos resultados dos pedidos”, explica a PGR.

Paralelamente, o núcleo político seria formado por parlamentares e ex-parlamentares que atuavam indicando e mantendo em cargos estratégicos da Secretaria de Relações do Trabalho do MTE os servidores que faziam parte do esquema. Aos integrantes do núcleo sindical cabia fazer o contato com os funcionários públicos encarregados de operacionalizar as fraudes.

Já os captadores seriam lobistas e advogados que faziam a intermediação entre os sindicados interessados em registros com os demais integrantes da organização criminosa. “O esquema se completava com a atuação do núcleo financeiro que viabilizava os pagamentos (das entidades sindicais para os envolvidos) por meio da simulação de contratos fictícios de trabalho”.

No EL PAÍS, dezenas de jornalistas trabalham para levar a você as informações apuradas com mais cuidado e para cumprir sua missão de serviço público. Se quiser apoiar nosso jornalismo e ter acesso ilimitado, pode fazê-lo aqui por 1 euro no primeiro mês e 10 euros a partir do mês seguinte, sem compromisso de permanência.

Inscreva-se

Mais informações