Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

PP, o mais investigado na Lava Jato, só vê seu poder crescer no Brasil. Por quê?

Legenda se beneficia dos holofotes voltados ao PT, PSDB e MDB e aumenta bancada da Câmara.

É cortejada por presidenciáveis de esquerda e direita que cobiçam seus recursos para campanha

Ciro Nogueira
Ciro Nogueira no Senado, em 2015. Ag. Senado

O desdobramento da operação Lava Jato desta terça-feira atingiu a cúpula do Partido Progressista em um momento que a legenda está em franca ascensão e se tornava uma das queridinhas dos pré-candidatos à presidência. Enquanto os holofotes da política estão sobre o PT de Lula e o PSDB de Aécio e Alckmin, o PP vê sua influência crescer nos bastidores, tornando-se um poderoso e imprescindível aliado para quem quer governar o Brasil com apoio do Congresso. Entre a eleição de 2014 – quando elegeu 38 deputados federais – e a última janela partidária (quando os políticos podem mudar de legenda), que se encerrou no início de abril, o partido conseguiu filiar 12 parlamentares novos e se tornou a terceira maior bancada da Câmara. Desbancou o PSDB e tem apenas um deputado a menos que o MDB, tornando-se a terceira da Casa, com 50 parlamentares.

A moeda de troca que o presidente do PP, o senador Ciro Nogueira Filho, usou para convencer seus novos correligionários era exatamente dinheiro. Prometia ceder até 2,5 milhões de reais do fundo eleitoral (ou seja, recursos públicos) para cada um dos deputados financiar sua campanha à reeleição.

Um dos que foi convencido a ingressar no Partido Progressista foi o deputado federal Osmar Serraglio. Eleito pelo MDB, é da bancada ruralista, foi ministro da Justiça de Michel Temer, mas acabou defenestrado do cargo após ser acusado por correligionários por não segurar as investigações da Polícia Federal. Hoje, além dos 50 deputados (quase 10% da Câmara), o PP tem seis dos 81 senadores.

Esse apoio congressual e um fundo de 130 milhões para investir nas eleições, transformaram os progressistas em um dos partidos mais procurados para futuras coligações. Tanto legendas de esquerda, quanto de direita tentam se aproximar do partido em seus Estados. Nas últimas eleições, apenas uma governadora da legenda se elegeu, Suely Campos, de Roraima. O PP, contudo emplacou cinco vice-governadores, sendo três de Estados chaves para a eleição presidencial: Rio de Janeiro, Bahia e Paraná.

Sem a intenção de lançar um candidato presidencial, o PP está mais inclinado a apoiar, ainda que informalmente, o Democratas, do pré-candidato Rodrigo Maia, de quem Nogueira é amigo. Porém, também discute apoio ao PSDB, do presidenciável Geraldo Alckmin. Enfim, é um partido que fará parte de qualquer administração, apesar de ter se originado da Arena, o partido que deu sustentação à ditadura militar brasileira (1964-1985). Uma espécie de novo MDB, que esteve ao lado de todos os presidentes desde a redemocratização do país, na década de 1980.

Figurar nas páginas policiais é algo comum entre os progressistas. Dos 56 parlamentares federais da legenda, ao menos 31 têm processos criminais tramitando no Supremo Tribunal Federal, entre eles Ciro Nogueira, Dudu da Fonte (outro alvo da operação desta terça-feira), Paulo Maluf (que está preso por desvios de recursos em São Paulo), Benedito de Lira, Arthur Lira e Aguinaldo Ribeiro.

Eminência parda magnata

No Congresso Nacional, o presidente do PP é uma espécie de eminência parda. Pouco dá entrevistas, quase não faz discursos na tribuna, mas os principais acordos no Legislativo passam pelo seu gabinete. Há dois anos, durante o impeachment da então presidenta Dilma Rousseff (PT), por exemplo, ele demorou a definir qual lado apoiaria. Mas avisou tanto aos peessedebistas, que articulavam a deposição, quanto aos petistas, que tentavam evitá-la, que o PP estaria do lado dos vencedores. E, de fato, esteve. Apesar de ocupar um ministério e dezenas de cargos de segundo escalão, decidiu-se por apoiar o impeachment.

Na matemática congressual, saiu ganhando. Com Temer, o PP administra atualmente três das mais importantes pastas na esplanada: Saúde, Cidades e Agricultura. Além do banco público Caixa. Ou seja, administra o Sistema Único de Saúde (SUS) e programas como o Minha Casa Minha Vida. Orçamentos que ultrapassam a casa dos 30 bilhões de reais. Essa vitrine política é sempre lembrada pelos políticos do PP que tentam buscar algum novo cargo. E os chefes desses ministérios usam de sua influência para beneficiar suas bases eleitorais e seus aliados, como costuma ocorrer no Brasil.

Fora do Legislativo, Nogueira e sua família vivem uma vida de magnatas. Faz diversas viagens internacionais com a família, várias delas registradas nos perfis das redes sociais de suas três filhas. No dia em que a PF adentrou em seu gabinete e em seus imóveis em Brasília e Teresina, o senador estava em Portugal, justamente com familiares. Filho de um ex-deputado-federal, Nogueira é casado com outra herdeira política, a deputada federal Iracema Portella (PP-PI). Ela é filha de Lucídio Portela, ex-governador do Piauí, e sobrinha de Petrônio Portella, ex-ministro da Justiça, ex-senador e ex-governador do mesmo Estado. Uma reportagem publicada pela revista Época levantou parte de seu patrimônio: um helicóptero, um jatinho, uma ilha no Delta do rio Parnaíba, um grupo de concessionária de veículos, além de diversos imóveis de luxo. Um contraste no Piauí, um dos Estados mais pobres do Brasil.

O novo desafio do deputado será o de convencer seus eleitores que, mesmo respondendo a pelo menos 17 processos criminais, ainda merece a confiança. Um desses processos envolve o senador e outros 11 parlamentares progressistas, suspeitos de desviarem 380 milhões de reais em recursos públicos. Nogueira, que antes de se eleger senador foi deputado federal por quatro mandatos (16 anos), deve se candidatar à reeleição nas eleições de outubro.

Outro lado

Sobre a operação dessa terça-feira, da qual é suspeito de obstruir a operação Lava Jato ao ameaçar um colaborador da Justiça, o advogado de Nogueira, Antonio Carlos de Almeida Castro afirmou que o senador a classificou como “completamente fora da realidade” e disse que o parlamentar está à disposição para qualquer esclarecimento. “Sequer en passant o senador praticou qualquer ato que pudesse ser interpretado como tentativa de embaraço”.

Além do gabinete e da casa de Nogueira, os policiais federais estiveram por quase seis horas no gabinete de outro investigado, o deputado federal Dudu da Fonte. De lá, levaram cópias de arquivos de computadores e de vários documentos que podem comprovar os crimes. Procurado, Fonte limitou-se a informar por meio de uma nota que está à disposição dos investigadores. “Estou à disposição da Justiça sempre. Confiamos nela e em Deus”. O outro alvo da apuração, o ex-deputado federal Márcio Junqueira, foi preso. Seus advogados não foram localizados pela reportagem.

MAIS INFORMAÇÕES