Seleccione Edição
Login

Bienal de São Paulo compensará ‘esquecidos’ da arte latina em uma edição sem temática

Curador desta edição, o espanhol Gabriel Pérez-Barreiro anunciou nesta terça seus planos para a mostra

Bienal de São Paulo compensará ‘esquecidos’ da arte latina em uma edição sem temática

Em 1987, alguns catadores de sucata entraram em um hospital abandonado de Goiânia, no Centro-Oeste do Brasil, e furtaram algo com jeito de ter valor: uma cápsula que estava cheia de material radioativo e que eles abriram e carregaram por toda a cidade, na época com 1,3 milhão de habitantes. Pelo que se soube, 130.000 pessoas se aglomeraram em prontos-socorros. Delas, 250 tinham resíduos nucleares na pele. Mortos houve quatro: a mulher, a sobrinha e dois empregados de um dos ladrões (que faleceria sete anos depois, do alcoolismo no qual mergulhou pela depressão após as mortes). E artistas que retrataram aquele lamentável drama houve um: Siron Franco, que realizou uma série sobre aquilo, Rua 57, e que, segundo o anúncio feito nesta terça-feira, será um dos destaques da Bienal de São Paulo, a mostra de arte mais importante da América Latina.

“É a Guernica brasileira, guardando todas as proporções”, explica por telefone o curador desta edição, o espanhol Gabriel Pérez-Barreiro. “O incidente de Goiânia é muito importante na história do Brasil e na trajetória de Siron como artista, e falando com pessoas um pouco mais jovens que eu, muitos artistas não o conheciam. Fazia sentido recuperá-lo.”

Pérez-Barreiro anunciou nesta terça seus planos para a Bienal deste ano, patrocinada pelo Banco Itaú entre outros. Nele, o papel do curador está deliberadamente reduzido em comparação com as edições anteriores. No que depende dele, tenta recuperar a arte latina que em sua opinião caiu em um esquecimento desmerecido. “Poderia trazer grandes estrelas do circuito internacional, mas é preciso pensar no que a Bienal contribui para o mundo. Não faço nenhum favor a ninguém se trouxer um americano famoso, por mais fã que seja deles.” Assim, o outro ponto forte anunciado é uma homenagem a três latinos já mortos: o guatemalteco Aníbal López, o paraguaio Feliciano Centurión e a brasileira Lúcia Nogueira.

“São três artistas que morreram muito jovens, mas foram importantes nos anos 90: são história recente da arte contemporânea, que costuma ser o ponto cego da região. Ou conhecemos as obras mais distantes ou as próximas”, prossegue Pérez-Barreiro. “Aníbal e Feliciano tinham sua obra em condições muito precárias porque vinham de países sem tradição museológica. Lúcia Nogueira é muito importante no exterior, mas no Brasil nunca viram suas obras. Sabem que existe, mas não tiveram uma boa representação de sua obra.”

O papel de Pérez-Barreiro nesta Bienal chega praticamente até aqui, o que é inédito em uma mostra em que o curador costumava ser o todo-poderoso. A fórmula da Bienal nas últimas décadas tinha sido a de uma grande exposição de obras reunidas por um curador que obedecia a uma temática. Nesta edição a temática é que não há temática, e em vez de uma exposição haverá sete mostras coletivas, organizadas não só por ele, mas por sete artistas. “Nos últimos 20 anos houve uma fossilização no mundo da arte em geral”, explica por telefone Pérez-Barreiro. “Todos os eventos tinham que ter um tema e os conteúdos tinham de ilustrá-lo. A abordagem era mais importante que as obras. Me parece uma experiência exaustiva, vendo o mesmo, escutando o mesmo. Eu queria me perguntar se não haveria outra forma de organizar isto.”

Na realidade, há, sim, uma temática: Afinidades Afetivas, que é uma mescla de As Afinidades Eletivas, o romance de Goethe, com a tese de doutorado do crítico brasileiro Mário Pedrosa, Da Natureza Afetiva da Forma na Obra de Arte. Mas só faz referência à relação dos artistas e do público com cada obra individual. Com isso, reuniu sete artistas, respeitando as proporções numéricas: um terço latino, um terço brasileiro e um terço internacional. Ou seja: o espanhol Antonio Ballester Moreno, o uruguaio Alejandro Cesáreo, a argentina Claudia Fontes, a sueca Mamma Andersson, os brasileiros Sofia Borges e Waltercio Caldas e a nigeriana-norte-americana Wura-Natasha Ogunji. “A única diretriz que lhes demos é: trabalhem com total liberdade”, insiste Pérez-Barreiro. “Se escolherem só artistas australianos me parecerá bom”.

Por isso este ano o tradicional anúncio de artistas que participam da Bienal será feito escalonadamente. Somente se conhece a seleção do curador: além dos quatro artistas já citados, um argentino, Alejandro Corujeira, e sete brasileiros: Bruno Moreschi, Denise Milán, Luiza Crosman, María Laet, Nelson Felix, Tamar Guimarães, Vania Mignone. Todos latinos. "Há 400 bienais no mundo e esta é a segunda. Temos que ter bem claro como vamos contribuir com o mundo”.

MAIS INFORMAÇÕES