Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Lei de Jô: a hipocrisia de cobrar honestidade dos outros e não enxergar os próprios deslizes

Boa parte dos que condenam atacante do Corinthians por não ter acusado gol com o braço comete pecado semelhante ao julgar sem fazer autocrítica

Jô Rodrigo Caio
Jô marcou gol com o braço neste domingo pelo Corinthians. Agência Corinthians

A história começa há cinco meses. Mais precisamente em 16 de abril, no clássico entre São Paulo e Corinthians. deu um leve empurrão em Rodrigo Caio, que acabou pisando na perna do goleiro Renan Ribeiro. O árbitro Luiz Flávio de Oliveira mostrou cartão amarelo para Jô, entendendo que o corintiano havia dado o pisão. Rodrigo Caio se acusou. Luiz Flávio voltou atrás na advertência a Jô, que, depois do jogo, elogiou o gesto de fair play do rival e cobrou mais honestidade dos colegas de profissão. Neste domingo, entretanto, Jô marcou o gol que deu a vitória ao seu time sobre o Vasco usando o braço, mas não se acusou à arbitragem. Seria algo normal no futebol, onde há muitos anos impera a célebre Lei de Gérson, onde o bom boleiro é o malandro que leva vantagem na base da malícia, onde todos buscam a vitória a qualquer custo. Seria normal se Jô não tivesse clamado por mais ações como a de Rodrigo Caio há cinco meses.

Dessa vez, ao deixar o gramado, ele alegou falta de convicção ao negar irregularidade no lance. Pela adrenalina do jogo, é realmente complexo ter o discernimento e a grandeza de espírito para acusar a infração no instante do gol. No entanto, após a partida, de banho tomado, Jô escorregou ao não admitir o toque com o braço. Foi tão hipócrita quanto boa parte daqueles que instantaneamente o massacraram, com dissimulado espanto, ao lembrar de sua atitude depois do episódio com Rodrigo Caio. Como se a recém-instituída Lei de Jô fosse uma prerrogativa inventada pelo atacante corintiano. Como se não vivêssemos em um país de incoerências e contradições. Do futebol às pequenas atitudes do dia a dia, há quem seja 100% ético?

Aécio Neves bradava que o PT inventou a corrupção no Brasil e hoje acumula inquéritos da Operação Lava Jato que o acusam de receber propina. Militantes ditos liberais ignoram direito a livre expressão em exposição de arte, enquanto militantes ditos progressistas usam de métodos não menos intolerantes para censurar aquilo lhe convém. Todo mundo concorda que o racismo existe, mas ninguém se reconhece como racista. Técnicos e dirigentes reclamam da arbitragem quando prejudicados, mas se calam quando beneficiados. Executivos de futebol lançam associação para valorizar a categoria, mas demitem treinador para não ter de assumir os próprios erros. A CBF cria departamento de compliance e governança corporativa, mas abriga um presidente indiciado por corrupção pelo FBI. Como cobrar coerência apenas de Jô se a entidade que cuida do esporte mais popular do país é comandada há décadas por cartolas nada exemplares? Como cobrar retidão absoluta na conduta de jogadores de futebol se, fora dos estádios, as coisas caminham em outra direção?

Evidentemente que o erro de arbitragem a favor do Corinthians e o discurso contraditório de Jô são incontestáveis. Ele daria um raro e admirável exemplo caso tivesse se acusado. Porém, a ausência – previsível – de fair play não deve ser vista como desvio de caráter típico de uma casta minoritária da sociedade que diz uma coisa e faz outra. Pelo contrário. A maioria dos legisladores de comportamento que agora apedreja o atacante provavelmente, em algum momento, já se beneficiou da lógica de conveniência e da ética utilitária. Antes de exigir princípios dos outros, precisamos discutir honestidade sem demagogia, sem ignorar que a Lei de Jô é também a Lei de João, José e Maria. Em primeiro lugar, há de se romper o círculo vicioso da hipocrisia, em que, na prática, todos agem como Jô, mas, diante do espelho, se enxergam como Rodrigo Caio.

MAIS INFORMAÇÕES