Coluna
i

Toda honestidade será castigada

“Muitas vezes é a falta de caráter que decide uma partida”. Lembro a frase de Nelson Rodrigues para discutir os episódios de Rodrigo Caio, do goleiro Bruno e da torcida do Paraná

O jogador Rodrigo Caio (falando, ao centro), em uma partida pelo São Paulo.
O jogador Rodrigo Caio (falando, ao centro), em uma partida pelo São Paulo.Rubens Chir (São Paulo FC)

Muita gente, óbvio, viu no ato de honestidade, um exemplo, a começar pelo técnico Tite, chefe de Rodrigo Caio na seleção brasileira. Entre os colegas de clube, no entanto, o atleta foi escanteado, definido, nos bastidores, como um “traíra”, um traidor na língua do futebolês. Herói e vilão, o bom rapaz de 23 anos, caipira do interior, provocou a maior resenha sobre ética no país da Lava Jato.

Os que condenam o gesto em campo se amparam no seguinte argumento: futebol é um drama à parte do que ocorre no Brasil. É apenas um jogo. Quem aplaude o boleiro, toma o esporte como espelho do país, não pode ser uma realidade paralela. E assim o debate rende até agora. Em alguns programas de televisão, quase leva a tapas e pontapés entre os comentaristas.

Mais informações

Fiquei imaginando o escritor Nelson Rodrigues (1912-1980), o nosso Shakespeare dos trópicos, na discussão. Ele sacaria, óbvio ululante, uma das suas sentenças hiperbólicas: “Muitas vezes é a falta de caráter que decide uma partida. Não se faz literatura, política e futebol com bons sentimentos.”

Acho a frase do meu guru da crônica esportiva genial, mas fechei com o Rodrigo Caio. “Fiz apenas o que deveria ser feito. Eu só falei para ele (o árbitro) que eu tinha pisado no Renan (goleiro do São Paulo), e não o Jô. Cada um com sua consciência", disse. O atleta parecia assombrado com a repercussão de um gesto que deveria ser normal, normalíssimo, ora bolas.

No teatro futebolístico, o tio Nelson soube retratar isso como ninguém, o habitual é a trapaça, a enganação, o migué, o caô, o 171... No embate do jogo, um craque que daria razão ao zagueiro são-paulino seria o doutor Sócrates, o idealista do movimento da “Democracia Corinthiana”, nos anos 1980. Para o politizado jogador da seleção brasileira, o futebol -e toda a sua simbologia- deveria ser uma arma pedagógica nas escolas.

O gesto de Rodrigo Caio leva de goleada nesta partida contra os péssimos exemplos dos clubes e das torcidas

O futebol brasileiro não tem sido exemplar no gramado e menos ainda no comportamento dos dirigentes. O ex-presidente da CBF José Maria Marin está preso nos EUA. Sob a mesma denúncia de corrupção nos negócios do mundo da bola, o atual Marco Polo Del Nero teme ser preso e não consegue sair do país nem mesmo para acompanhar a vitoriosa seleção do Tite. Não à toa, o jornalista Juca Kfouri, velho combatente das picaretagens, deu outro sentido à sigla da entidade: CBF, Casa Bandida do Futebol. Pegou.

O gesto de Rodrigo Caio leva de goleada nesta partida contra os péssimos exemplos dos clubes e das torcidas. Mire-se no caso do goleiro Bruno adotado carinhosamente no Boa Esporte, time de Varginha (MG), apesar de não ter cumprido ainda a pena por assassinato da sua mulher. Repare também no manifesto preconceituoso da torcida do Paraná Clube com os nordestinos do Vitória da Bahia, como relatado nesta reportagem do EL PAÍS Brasil. Estamos sujeitos ao mais vergonhoso 7x1 ético e moral. Toda honestidade será castigada.

Xico Sá, escritor e jornalista, é autor de A Pátria em sandálias da humildade (editora Realejo, 2017). Comentarista dos programas Papo de Segunda e Redação Sportv.