Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Deserto florido: o milagre do Atacama

Graças às chuvas, esse fenômeno atinge em 2017 a sua maior intensidade no Chile em duas décadas

Deserto do Atacama Chile
O deserto chileno com flores. EFE

A médica aposentada Fanny Guerstein começa a realizar um sonho nesta segunda-feira. Pegará seu carro em Santiago e sairá viajando rumo ao norte do Chile para observar pela primeira vez na vida um fenômeno belo e estranho, que só ocorre com vários anos de intervalo: a floração do deserto do Atacama, um dos lugares mais secos do mundo. “Não quero morrer sem ver esta maravilha da natureza”, diz Guerstein, que sempre se emocionou com as flores. Com sua câmera fotográfica, pretende parar no meio da estrada, como fazem centenas de turistas nos últimos dias, para retratar algumas das quase 200 espécies de plantas que a paisagem oferece.

Antes de iniciar a viagem, ela pesquisou sobre cada exemplar que espera encontrar. “As flores me enchem o espírito. Tenho o sonho recorrente de que voo sobre um campo de flores.”

Assim que surgiu a notícia sobre chuvas abundantes na região em maio, algo incomum, muita gente começou a planejar suas viagens. Chilenos, mas também muitos estrangeiros: alemães, franceses, espanhóis... De acordo com o Serviço Nacional de Turismo (Sernatur) do Chile, espera-se que pelo menos 25.000 pessoas cheguem à região do Atacama neste período para observar o espetáculo natural. Até agora, os hotéis estão com 60% de ocupação, ainda com capacidade para acolher quem decidir viajar de última hora. Porque o raro florescimento do deserto nos últimos dias pode ser observado em toda a sua magnitude, e o fenômeno se estenderá pelo menos até a primeira quinzena de setembro.

Não é em todos os anos que o deserto do Chile floresce. Isso depende exclusivamente das condições climáticas, como a chuva. Antes, as flores apareciam a cada cinco anos, ou mesmo dez. Mas nos últimos tempos se tornou recorrente. A última grande florada havia sido observada em 2015, há apenas dois anos. Antes, em 1997, duas décadas atrás.

Uns visitantes sobre as flores do deserto chileno ampliar foto
Uns visitantes sobre as flores do deserto chileno EFE

A maior quantidade de flores multicoloridas aparece perto do Pacífico, ou seja, em ambos os lados da rodovia Pan-Americana, que atravessa o país de norte a sul. Podem ser encontradas em diversas regiões do norte do Chile, mas se concentram sobretudo nos quase 150 quilômetros que separam as cidades de Copiapó e Vallenar, habitualmente uma paisagem árida, onde preponderam os tons de terra. Um dos lugares que os especialistas recomendam para apreciar o deserto florido em toda sua magnitude é o Parque Nacional Llanos de Challe. “Dentro temos a maior biodiversidade de flores, embora não estejamos ainda na época de maior floração”, conta Gabriela López, a administradora.

Glórias-da-manhã, patas de guanaco, terciopelos, borboletinhas, huilles, suspiros de campo, astromélias, azulillos, coronas de fraile, malvillas, añañucas. Junto com a flora aparece também a fauna, como borboletas e vaquitas del desierto (um besouro). A natureza se manifesta em todo o seu esplendor, maravilhando os turistas. Segundo Daniel Díaz, diretor regional do Sernatur Atacama, este deserto florido de 2017 provavelmente será o mais fotografado da história. Através de redes sociais como Instagram, Pinterest, Facebook e Twitter, é possível observar como nunca antes milhares de imagens que retratam o espetáculo multicolorido do milagre do Atacama.

MAIS INFORMAÇÕES