Obama anuncia maior indulto e redução de penas na história dos EUA

Em seus mandatos, presidente diminuiu as sentenças de 1.176 presos e perdoou outros 148

Obama em uma prisão federal em 2015.
Obama em uma prisão federal em 2015.Pete Souza / The White House

O presidente Barack Obama perdoou nesta segunda-feira 78 condenados e reduziu as sentenças de outros 153, na maior ação desse tipo já feita por um governante norte-americano em um só dia.

Mais informações

Segundo os dados da Casa Branca, ao longo de seus oito anos de mandato – e incluindo os beneficiados desta última leva – Obama reduziu as penas de 1.176 indivíduos, sendo 395 condenados à morte, e indultou outros 148. Na história dos EUA, o presidente que mais se aproximou dessa marca foi Lyndon B. Johnson, que reduziu as sentenças de mais de 200 presos.

No último ano, o democrata Obama – que dentro de um mês entrega o cargo ao republicano Donald Trump – colocou a reforma do sistema penal no centro de sua agenda. Mas o presidente tem uma capacidade limitada para intervir nesse tipo de reformas, que dependem do Congresso.

Em 2015, Obama se tornou o primeiro presidente dos EUA a visitar uma prisão e conversar com presos. Os Estados Unidos têm a maior população carcerária do mundo, 2,2 milhões de pessoas. Com apenas 5% da população mundial, o país concentra 25% dos presos do planeta.

Nas décadas de 1980 e 90, a chamada “guerra às drogas” levou à aprovação de leis que puniam duramente crimes como o tráfico e o porte de drogas em pequenas quantidades. A maioria dos indultados por Obama cometeu esse tipo de delito. Críticos dessas leis afirmam que elas inflam a população carcerária, afetam desproporcionalmente as minorias raciais e não fomentam a reabilitação dos detentos.

Com o indulto e a redução das penas de mais de mil indivíduos, o presidente tentou romper os padrões raciais implícitos no sistema e reajustar as penas impostas a delinquentes que, como afirmou Obama em 2015, “cometeram erros não muito diferentes dos que eu cometi” – uma referência ao fato de ter admitidamente consumido maconha na juventude.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50