Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Assassinato de ecologistas bate recorde e Brasil é o país mais perigoso da região

Pelo menos 185 ativistas morreram em 2015 e 66% das vítimas são latino-americanas

Protesto pelo assassinato de ecologistas em Mindanao, Filipinas. Ampliar foto
Protesto pelo assassinato de ecologistas em Mindanao, Filipinas.

O ambientalista colombiano Fabio Moreno, de 51 anos, passou 10 meses se escondendo dos algozes de um de seus companheiros mais próximos. Ambos receberam a mesma ameaça uma semana antes do assassinato, em abril de 2015: “Se já sabem o que precisam, vão embora”. Perpetrado o crime, Moreno abandonou a reserva indígena que defendia da entrada de mineradoras multinacionais e grupos armados em busca de ouro na região, a oito horas de carro de Bogotá. “A grande mineração não respeita nossos territórios sagrados e polui as fontes de água”, queixa-se por telefone. “Quando voltei para defender meu lar, eles também retornaram” e alertaram: “Temos um bom dinheiro para terminar o trabalho”, conta ele.

2015 foi o ano com mais ecologistas assassinados neste século, com 185 mortes, 69 a mais que em 2014, segundo um relatório publicado na segunda-feira pela ONG Global Witness. A América Latina voltou a ser, como nas contagens imediatamente anteriores, a região com mais vítimas (66%) e o Brasil, com 50 mortes, o país mais perigoso para os ativistas, com quase um de cada três assassinatos no mundo (27%). Filipinas (33), Colômbia (26), Peru (12) e Nicarágua (12) continuam na lista, que inclui 16 países. Cerca de 40% dos assassinados são indígenas.

A brasileira Maria da Conceição Chaves Lima é uma sobrevivente desse tipo de crime. Em agosto de 2015, ela e seu marido, Raimundo dos Santos Rodrigues, voltavam para casa na região Nordeste quando caíram em uma emboscada. Ele morreu com 12 tiros e ela ainda se recupera dos ferimentos. O casal combatia o desmatamento na Amazônia e ela era assessora do Instituto Chico Mendes para a Conservação da Biodiversidade, que leva o nome do célebre ambientalista assassinado no final dos anos 1980. “Poucos dias depois, Maria foi incluída no programa de proteção a vítimas e testemunhas ameaçadas”, conta por e-mail Danilo Chammas, advogado da família. “Desde então, está longe de sua comunidade e sem poder contatar amigos e familiares”.

Um estudo independente de 2014 calculou que a madeira ilegal do Brasil representa 25% dos mercados mundiais. Os conflitos pelo desmatamento levaram ao assassinato de 15 ecologistas no mundo inteiro no ano passado, segundo o relatório da ONG. A mineração (42), a agroindústria (20), as hidrelétricas (15) e a caça ilegal (13) foram os outros setores cujas disputas ocasionaram mais mortes.

Assassinatos por país 2010-2015.
Assassinatos por país 2010-2015.

O presidente interino do Brasil, Michel Temer, nomeou Blairo Maggi como ministro da Agricultura. Maggi é um dos maiores produtores de soja do país, um cultivo associado ao desmatamento de grandes áreas, e recebeu em 2005 o prêmio Motoserra de Ouro do Greenpeace por destruir o meio ambiente. O advogado Chammas não se atreve a especular sobre as mudanças na situação dos ativistas neste Governo, mas é pessimista: “Há alguns indícios de que casos como o de Raimundo e sua esposa tenderão a repetir-se com mais frequência”.

Entre 2010 e 2015, a Global Witness registrou 753 assassinatos. Três de cada quatro ocorreram na América Latina (77%), com Brasil (207), Honduras (109) e Colômbia (105) no topo do número de mortos. Esses três países somam mais da metade dos crimes nesse período (56%). Honduras, com uma população de pouco mais de seis milhões, voltou a ser em 2015 – pela sexta vez consecutiva – o lugar com mais mortes de ativistas para cada 100.000 habitantes.

MAIS INFORMAÇÕES