Ponte
Moradores de Paraisópolis protestam no domingo contra morte de jovens no Baile da 17

Documento não menciona ataques de jovens de baile funk contra PMs

Relato da Polícia Civil contradiz versão de porta-voz da PM de que policiais reagiram após serem atacados por “pedras e garrafas” e de que não havia operação contra o pancadão

 Vista geral da favela de Paraisópolis, zona sul da capital paulista.

Nove jovens morrem pisoteados em baile funk de Paraisópolis após ação policial

De acordo com a Polícia Militar, policiais usaram “munição química” para dispersar multidão que, supostamente, atacou PMs com latas e garrafas

JUAN ARIAS
Pais de Ágatha choram durante velório da menina, no Rio de Janeiro

É preciso acabar com a hipocrisia de chamá-las de “balas perdidas”. São balas assassinas

A morte de Ágatha despertou de maneira especial a consciência e até a linguagem dos excluídos daqueles bairros deixados à própria sorte.

São Paulo
O edifício na avenida 9 de Julho hoje ocupado por 124 famílias pertenceu ao INSS.

Ocupação 9 de julho pende entre apoio de vizinhos abastados e perseguição do Estado

Edifício que foi do INSS abriga mais de 120 famílias e tornou-se ponto de encontro de jovens, ativistas e até empresários no centro de São Paulo. Suas lideranças foram presas e estão na mira da Justiça

Opinião
Torcida do Flamengo homenageia Adriano Imperador, cria da Vila Cruzeiro.

Negar favela é insulto à vocação popular do Flamengo

Torcida rubro-negra transformou termo pejorativo em saudação ao clube do povo. Deveria ser motivo de orgulho, e não um pretexto para a diretoria reforçar estereótipos preconceituosos

Favela da Rocinha: além do tráfico

No Estado do Rio de Janeiro, existem 1.018 favelas que concentram 22% da população. Uma visita à maior comunidade do Brasil, onde traficantes dividem o domínio dos bairros

Uma biografia em quadrinhos de Carolina de Jesus

Biografia em quadrinhos sobre escritora é premiada no Festival de Angoulême, mais importante prêmio internacional do gênero

Nem da Rocinha, após ser preso no Rio.

Entrevista com Nem da Rocinha fica entre as 100 reportagens mais lidas do mundo em 2018

Perfil do traficante feito com exclusividade pelo EL PAÍS foi um dos que mais mobilizou internautas segundo a ferramenta Chartbeat

Alerta Rocinha 24hs, grupo de WhatsApp reúne cerca de 130 moradores de uma das maiores favelas do Brasil

Sob o domínio do medo

Em 14 meses de operações comandadas por militares, moradores da Rocinha sofrem com tiroteios e choram mortes de parentes e vizinhos; sintomas de doenças mentais decorrentes da violência cotidiana são cada vez mais frequentes

Habitação
Dois moradores de um dos edifícios ocupados no Rio.

Ocupações no Rio: quem disse que os pobres não podem viver no centro?

Os problemas de moradia aumentam na cidade, e 25% de habitantes moram em favelas. A população se mobiliza, toma espaços e pressiona o Governo federal em busca de soluções

Bruna da Silva, na laje de sua casa, no Rio.

“Calaram Marcos Vinícius, mas não vão me calar”

Bruna da Silva, mãe de estudante morto em junho durante operação policial no Rio, fala do luto e de sua decisão de exigir responsabilidade do Estado pela tragédia

Edifício “Palácio dos Esportes”, propriedade da União no Centro do Rio de Janeiro, vazio ou ocupado irregularmente há oito anos.

O cemitério de imóveis da União que poderia aliviar o déficit de moradia do Brasil

Parte dos mais de 10 mil locais vazios em todo o país poderia ser destinada à habitação popular, avaliam especialistas. Não há cadastro com informações completas sobre esse patrimômio público

Favela do Nove, que deve ser removida pelo projeto da Votorantim.

A saga de duas favelas por um quinhão do mercado imobiliário de São Paulo

Esquecidas pelo poder público há 46 anos, comunidades poderão ser removidas pelo setor privado, que promete a seus moradores prédios em área nobre. Mas os novos vizinhos repelem a mudança

luiz kohara|urbanista
Luiz Kohara, urbanista

“Uma sociedade que naturaliza pessoas vivendo nas ruas é hipócrita e autodestruidora”

O urbanista Luiz Kohara diz que a tragédia com o edifício Wilton Paes, que desabou em São Paulo, expôs a solidariedade paulistana e a demagogia dos governantes sobre o grave problema de habitação na cidade

Maria Siilva Nunes, no refeitório de uma escola de Heliópolis

“O futuro não ia ser assim”: Pobreza extrema volta a crescer no Brasil

Mais de um milhão e meio de brasileiros despencam para nível social mais baixo em 2017, o segundo ano consecutivo que o número de pobres aumenta

Desabamento de prédio em São Paulo
Mulher almoça no acampamento montado para receber moradores de prédio que caiu, em São Paulo.

Desabamento de prédio escancara o apartheid habitacional na cidade mais rica do Brasil

Para urbanistas, debate sobre ocupações e movimentos sociais mascara problema maior que é a falta de política digna para um milhão de pessoas sem teto na cidade mais rica do Brasil

Desabamento de prédio em São Paulo
O secretário de Habitação de São Paulo, Fernando Chucre.

Secretário de Habitação: “Moradia social no centro é mais cara, mas benefício para a cidade é incalculável”

Fernando Chucre diz que imóveis afastados elevam a necessidade dos gastos públicos em infraestrutura. Ele reclama da falta financiamento para programas de habitação social

DESABAMENTO DE PRÉDIO EM SÃO PAULO
Famílias que viviam no prédio que foi abaixo no Largo do Paissandu, em São Paulo.

Sem-teto, os novos párias de nossa civilização

É triste constatar que os milhões de brasileiros condenados a morar em condições piores do que se dá ao gado sejam ainda considerados “vagabundos” que se negam a trabalhar

Desabamento de prédio em São Paulo
Evaneide e Edivânia (ao lado do tio Manuel) buscam a mãe que vivia no prédio que caiu

No largo do Paissandu, a agonia pela busca de vítimas do desabamento de prédio

EL PAÍS contou, a partir do relato de familiares, ao menos seis pessoas que podem ter ficado no imóvel quando ele caiu. Nesta sexta, os bombeiros encontraram um corpo que pode ser de Ricardo, que ajudou a salvar outros moradores

Desabamento em São Paulo
Bombeiros buscam sobreviventes nos escombros

Movimentos de moradia, as outras vítimas do prédio que desabou em São Paulo

Ativistas temem que governos usem episódio para criminalizar ocupações; desabrigados criticam prefeitura por ‘desviar’ doações para abrigos

Desabamento de Prédio em São Paulo
Bombeiros trabalham nos escombros do prédio que desabou no centro de São Paulo na madrugada desta terça-feira

Da desocupação ao desabamento, 17 anos de abandono do edifício que virou escombros

MP vai reabrir inquérito que havia sido arquivado em março sobre riscos do edifício, enquanto prefeitura apura causas. Bombeiros já haviam comunicado sobre irregularidades no prédio.

Bombeiros trabalham nos escombros do prédio que desabou no centro de São Paulo nesta terça-feira, 1º de maio

Largo do Paissandu: O desabamento no centro de São Paulo, em imagens

Prédio de mais de 20 andares veio abaixo durante um incêndio e deixou pelo menos uma pessoa morta

Desabamento de prédio em São Paulo
Homem observa os destroços do prédio que desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo.

A vida desmoronou como um castelo de cartas

Os moradores do prédio ocupado no Largo do Paissandu esperam respostas à pergunta que ninguém está fazendo e agora o quê?

EL PAÍS Brasil vence prêmio Geneton Moraes Neto de jornalismo

Reportagem sobre a favela do Parque Cidade Jardim, de André de Oliveira, leva honraria organizada pela Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj)

Literatura
A escritora Carolina Maria de Jesus

A vida de Carolina de Jesus além da favela do Canindé, seu quarto de despejo

Nova biografia da autora que faria 104 anos na semana que passou busca desmistificá-la

Coluna
Dona Lindacy Menezes no debate na Garagem das Letras, dia 1º de fevereiro

A lição de Lindacy, a ‘desaletrada’ da Rocinha

O poder público fecha a biblioteca da comunidade; prefere atingir a juventude apenas com balas e repressão

Violência na Rocinha
A coluna de fumaça do ônibus queimado vista desde Ipanema.

Quando até o cartão postal denuncia o inferno do Rio

Moradores da Rocinha sofrem com mais de oito horas sob tiroteio. Coluna de fumaça no Dois Irmãos lembra aos banhistas de que a cidade está longe da paz