Orbán anuncia referendo sobre a lei que veta conteúdos LGBTI para menores na Hungria

Primeiro-ministro do país diz que o objetivo da consulta é “combater a pressão da UE” pela revogação dessa norma, que já levou Bruxelas a abrir um processo contra Budapeste por sua atitude homofóbica

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, durante a cúpula da União Europeia em Bruxelas, em 24 de junho.
O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, durante a cúpula da União Europeia em Bruxelas, em 24 de junho.POOL (Reuters)
Mais informações

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, anunciou nesta quarta-feira que seu país fará um referendo sobre o que definiu como “a proteção das crianças”, em alusão à lei que proíbe a divulgação de qualquer conteúdo relativo ao coletivo LGBTI, não só nas escolas, mas em qualquer ambiente onde possa haver menores. A consulta, segundo o nacionalista ultraconservador Orbán, tem como objetivo combater a “pressão da UE” pela revogação dessa legislação, que já levou a Comissão Europeia a abrir um processo contra Budapeste em 15 de julho.

“Nas últimas semanas, Bruxelas atacou claramente a Hungria por sua lei de proteção da infância. As leis húngaras não permitem a propaganda sexual nos jardins de infância, nas escolas, na televisão e na publicidade”, disse o primeiro-ministro em um vídeo na rede social Facebook. “O futuro de nossos filhos está em jogo”, acrescentou Orbán, “e por isso não podemos ceder terreno nesta questão”.

O chefe do Governo húngaro não marcou data para o referendo, mas informou que incluirá cinco perguntas. Os húngaros serão consultados, por exemplo, sobre seu apoio à realização de oficinas de orientação sexual nas escolas sem consentimento dos pais, ou se os procedimentos de reatribuição de gênero devem ser promovidos junto aos menores. Também se perguntará, segundo o primeiro-ministro, se os conteúdos relacionados a orientação sexual devem ser oferecidos às crianças sem restrições e se os procedimentos de mudança de sexo devem estar disponíveis para os menores.

A Comissão Europeia (poder executivo da União Europeia) ainda não reagiu a este anúncio do premiê húngaro, com quem mantém uma constante disputa desde a chegada dele ao poder, em 2010, acentuado nos últimos meses por suas atitudes homofóbicas. Orbán, que se apresenta como o protetor dos valores cristãos tradicionais do liberalismo ocidental, intensificou sua campanha contra o coletivo LGBTI, quando faltam poucos meses para ele tentar um novo mandato, em abril de 2022.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

A União Europeia considera que a lei que proíbe a divulgação de conteúdos LGBTI entre menores de idade viola a Carta de Direitos Fundamentais europeia em aspectos como a liberdade de expressão e a não discriminação. A Comissão alega que a polêmica norma legal contraria também quatro diretrizes comunitárias —a de Serviços Audiovisuais, a de Comércio Eletrônico, a de Transparência do Mercado Único e a de Proteção de Dados— e impede a livre circulação transfronteiriça de bens e serviços dentro dos limites do bloco. Ao abrir o processo contra a Hungria em 15 de julho, Bruxelas afirmou ainda que esta legislação é incompatível com “a dignidade humana, a liberdade de expressão e informação, o direito ao respeito à vida privada e o direito à não discriminação”.

A abertura de um processo contra a Hungria é o primeiro passo para um caminho que pode desembocar no Tribunal de Justiça da UE, tendo como consequência a suspensão do financiamento europeu a esse país. Já antes de 15 de julho, Bruxelas mantinha em suspense a aprovação de seu plano de recuperação da pandemia para a Hungria, no valor de 7,2 bilhões de euros (37,5 bilhões de reais). Naquele mesmo dia, a Comissão anunciou a abertura de outro procedimento contra a Polônia pelas chamadas “zonas livres de ideologia LGTBI” criadas em vários municípios.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: