Eleições EUA 2020

Covid-19, sequestro de democrata e troca na Suprema Corte. O caos se apodera da campanha nos EUA

A três semanas das eleições, Trump recebe seus seguidores em um polêmico uso da Casa Branca para um evento de campanha antes de conhecer o parecer médico que o declarava como não contagioso

O presidente Donald Trump discursa para seus seguidores na sacada da Casa Branca.
O presidente Donald Trump discursa para seus seguidores na sacada da Casa Branca.TOM BRENNER / Reuters

O presidente Donald Trump retomou a campanha eleitoral neste sábado, uma semana depois de anunciar seu teste positivo para uma doença potencialmente fatal e da reclusão que ele quis compensar, sob os efeitos de um tratamento com esteroides, com uma mais que desconcertante ofensiva de vídeos e declarações na mídia.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Um surto de coronavírus na Casa Branca já afetou mais de 30 pessoas, reduziu as atividades e encheu de ansiedade a ala oeste. O próximo debate presidencial foi cancelado. A líder da maioria democrata na Câmara dos Representantes (deputados), Nancy Pelosi, deu início a uma iniciativa para permitir a inabilitação de presidentes por motivos de saúde física e mental. O Senado se prepara para iniciar as históricas audiências para a confirmação in extremis de uma substituição na Suprema Corte que pode mudar os rumos dos avanços sociais no país.

No Congresso, as mensagens erráticas de Trump têm levado a um bloqueio na tramitação de um novo pacote de resgate necessário para mitigar os efeitos do maior colapso econômico do país desde a Grande Depressão. O FBI aborta um complô de milicianos armados para sequestrar a governadora de Michigan e promover uma “guerra civil”. O país continua a ser afetado sem piedade por uma pandemia que já matou mais de 214.000 norte-americanos, que continua crescendo em 40 Estados e ceifando quase 1.000 vidas todos os dias. Os dois partidos estão se preparando para uma eventual emergência que surgiria se um resultado apertado na apuração dos votos levar a uma contestação do resultado.

É assim que os cidadãos da primeira potência mundial se encaminham para a eleição que seus líderes, com opiniões opostas em quase tudo o mais, concordam em qualificar como a importante de suas vidas.

Nem mesmo o roteirista mais criativo poderia imaginar o caos que se abateu sobre a política norte-americana três semanas antes das eleições. Em um polêmico uso, no mínimo, da Casa Branca para um evento de campanha, antes de conhecer o laudo médico que o declarava não contagioso, Donald Trump recebeu neste sábado um grupo de seguidores, em sua maioria afro-americanos e latinos, justamente os grupos mais atingidos pela pandemia, para os quais se dirigiu de uma sacada, sem usar máscara. “A guerra da esquerda contra a polícia não machuca mais ninguém do que os afro-americanos”, disse o presidente, adentrando o debate sobre justiça racial desencadeado no país após a morte, no final de maio, de George Floyd nas mãos da polícia.

Até este sábado, o presidente não tinha sido visto em público desde que retornou à Casa Branca na segunda-feira, após ter recebido alta do hospital onde se internara três dias antes por causa de complicações com a covid-19. Frustrado com a perspectiva de uma reeleição que lhe escapa, Trump procurou se manter ativo na esfera pública com tuítes furiosos, um vídeo em que falava da doença como “uma bênção de Deus” e uma série de entrevistas por telefone na mídia mais simpática a ele.

Nesta quinta-feira, contrariando as orientações dos centros de prevenção de doenças, em meio a uma total falta de transparência sobre a sua evolução e ante o espanto da comunidade médica pelo risco que pode acarretar para o próprio doente e para os outros, o médico da Casa Branca anunciou que Trump, 74, poderia “retornar aos seus compromissos públicos” no sábado. Na mesma quinta-feira à noite, o presidente telefonou para o programa de Sean Hannity, seu grande fã na Fox News, e anunciou que pretendia realizar um comício na Flórida no sábado e outro na Pensilvânia no domingo.

Na sexta-feira à tarde veio a público uma mudança de planos: o comício na Flórida seria na segunda-feira, e no sábado o ato seria realizado na Casa Branca. Mais cedo, na mesma sexta-feira à noite, ele se submeteria a um “exame médico” por videoconferência com um “médico da Fox” no programa de Tucker Carlson.

Em suas entrevistas para a televisão, uma das quais durou 55 minutos, Trump falou muitas pérolas. Sobre os planos ambientais dos democratas, ele disse: “Literalmente, eles querem demolir prédios e reconstruí-los com janelas minúsculas, para que você não possa ver a luz”. Afirmou que a Califórnia, governada pelos democratas, vai ter que racionar a água “porque mandam milhões de galões de água para o mar, para o Pacífico, porque querem cuidar de certos peixinhos que não estão se dando muito bem sem água”.

Chegou a pressionar o secretário de Justiça, seu fiel William Barr, para que indicie seu rival democrata, Joe Biden, e o ex-presidente Barack Obama por algo que ele definiu como “o crime político mais sério da história do país”. Ele também disse: “Estou de volta porque sou um espécime físico perfeito e sou extremamente jovem”.

Após testar positivo para covid-19, de acordo com seus médicos, ele foi tratado com vários medicamentos, alguns ainda experimentais. Desde o coquetel de anticorpos de Regeneron, do qual prometeu fornecer “centenas de milhares de doses” grátis aos cidadãos, até o controverso remdesivir. E também a dexametasona, que o presidente explicou na quinta-feira, na Fox, que ainda estava tomando —um esteroide cujos efeitos colaterais mais comuns incluem “ansiedade”, “agitação”, “mudanças de humor” e “irritabilidade”.

Na sexta-feira, o presidente prosseguiu com sua blitzkrieg na mídia. Participou por nada menos que duas horas em um programa de rádio, no qual advertiu o Irã: “Se você nos foderem [sic], você nos fizer algo de ruim, vamos fazer-lhe coisas que nunca foram feitas antes”. À noite, a Fox realizou o show de reconhecimento e transmitiu uma entrevista, que alegou ter gravado no mesmo dia, na qual Trump disse que estava “livre das medicamentos”.

O comportamento de Trump levou os democratas na sexta-feira a promoverem uma iniciativa legislativa, com poucas chances de sucesso, destinada a desenvolver um protocolo que permita a aplicação da 25ª Emenda à Constituição. A norma regula a transferência do poder em caso de morte, renúncia ou incapacidade do presidente. “Isto não é sobre o presidente Trump. Ele vai se submeter ao julgamento dos eleitores, mas nos mostra a necessidade de criar um procedimento para futuros presidentes”, afirmou Pelosi.

Enquanto isso, o presidente e seus acólitos da mídia continuam alertando, sem base, que as eleições vão ser manipuladas e que o voto pelo correio, que se prevê que favoreça os democratas, não é confiável. O presidente, de uma maneira insólita, recusou-se repetidamente a se comprometer com uma transferência pacífica do poder se os democratas vencerem. Já a operação contra a governadora democrata de Michigan —fortemente criticada por Trump por suas medidas para conter a pandemia—é uma evidência dos perigos reais da tensão sem precedentes que vem dominando a campanha. As equipes jurídicas de ambos os partidos se preparam para um território desconhecido: o da crise que pode ser desencadeada se um resultado apertado impedir a proclamação do vencedor na noite das eleições.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50