Pandemia de coronavírus

Europa trava disputa existencial contra o nacionalismo alimentado pelo coronavírus

Cúpula da União Europeia tenta reforçar o multilateralismo, mas divergências minam o bloco

Policiais militares patrulham um mercado de Budapeste, nesta terça-feira.
Policiais militares patrulham um mercado de Budapeste, nesta terça-feira.Zoltan Balogh

O coronavírus ameaça acelerar o desmoronamento da ordem internacional surgida no século XX e da qual a União Europeia se tornou no último bastião. As autoridades do bloco continental tentam reforçar o multilateralismo com iniciativas como as aprovadas nesta terça-feira (primeira ajuda humanitária ao Irã e operação naval para frear a guerra da Líbia), mas o fechamento generalizado de fronteiras e a retratação dos governos nacionais para dentro de suas fronteiras, inclusive no interior da UE, reforçaram as tendências unilaterais alimentadas na Casa Branca por Donald Trump e secundadas com entusiasmo, por diferentes motivos, de Londres a Moscou.

A UE até agora resistia com grandes dificuldades aos embates provocados pela Administração Trump —que, desde sua chegada ao poder, em 2017, conseguiu pôr em dúvida o futuro da OTAN, condenou a Organização Mundial de Comércio à paralisia, desvinculou-se da luta mundial contra a mudança climática e deixou à beira do colapso o acordo internacional para evitar a nuclearização do Irã.

Bruxelas optou por evitar o choque frontal com Trump e preservar o que sobrava da ordem multilateral à espera de tempos melhores ou de um novo inquilino na Casa Branca. O plano passava, ao mesmo tempo, por reforçar as próprias estruturas da UE, aumentar a presença global do euro (estancada desde seu nascimento, há 20 anos) e dotar o clube comunitário de capacidades defensivas que reduzissem a dependência política, econômica e militar em relação a Washington.

Mas o abalo causado pela pandemia da Covid-19 surpreendeu a UE sem ter levado, em troca, a nenhum avanço significativo em sua trajetória para uma autonomia geoestratégica. A crise sanitária sem precedentes e seu temido impacto econômico provocaram, além disso, uma reação nacionalista na maioria dos Estados, o que gera dúvidas quanto à capacidade do clube comunitário para responder de maneira conjunta e multilateral não só ao drama humano e social que percorre o Velho Continente, mas também aos problemas que o bloco continental já enfrentava.

“Estamos em um momento crítico da construção europeia”, afirmou nesta terça-feira o ministro francês de Finanças, Bruno Le Maire. “Ou a Europa se reencontra com seu sentido político e sai reforçada, ou esquece sua vocação e desaparece”, acrescentou.

Shada Islam, diretora para a Europa do centro de estudos Friends of Europe, acredita que o reordenamento global desencadeado pela pandemia na verdade oferece uma oportunidade para a União Europeia. “Países como a China, a Rússia e a Turquia não dispõem da tração necessária para liderar uma nova ordem, e com os EUA em retirada abre-se um vazio”, observa.

A Comissão Europeia (Poder Executivo da UE) se mostra convencida de que esta crise, como outras anteriores, representa uma ocasião para aprofundar a integração continental e reforçar seu peso no mundo. “Não devemos nos esquecer de que nenhum dos problemas que tínhamos antes do vírus desapareceu”, advertiu esta terça-feira Josep Borrell, alto representante de Política Externa da UE. “Alguns desses problemas crescem e pioram, e devemos continuar prestando atenção a eles”, acrescentou o espanhol, anunciando a adoção da operação naval Irini, que pretende frear as ingerências da Rússia e da Turquia na guerra da Líbia.

Como sinal dessa intenção de se manter na cena global, a Europa também estreou esta terça-feira o sistema Instex que, pela primeira vez, permite esquivar o bloqueio dos EUA e enviar ajuda humanitária ao Irã, país muito golpeado pela epidemia.

A União Europeia também retomou seus planos de expansão territorial ao dar sinal verde para a abertura de negociações sobre a adesão da Albânia e Macedônia do Norte (país que na semana passada se incorporou à OTAN).

Mas os sinais aparentemente positivos são ofuscados pela sensação de paralisia e impotência que a União oferece perante uma crise sanitária sem precedentes. Os atritos da última cúpula europeia sobre a possível resposta econômica à crise em formação se unem à sensação de desamparo que os países mais afetados pela epidemia, como a Itália ou Espanha, sentem diante da aparente falta de solidariedade de seus sócios comunitários.

O drama humano atinge a UE, além disso, em um momento delicado, com a primeira ruptura do clube recém-consumada (com a saída do Reino Unido em 31 de janeiro) e com os orçamentos atuais (2014-2020) prestes a expirarem. A cúpula europeia de fevereiro, a última ocasião em que os líderes europeus puderam se reunir pessoalmente, terminou com um retumbante fracasso na tentativa de decidir as novas contas (2021-2027), o que deixa o clube sob ameaça de confrontar a crise do coronavírus sem um orçamento definitivo ou premido pela necessidade de aprovar dotações emergenciais pelo menos para o ano que vem.

“A UE tem a tendência de se concentrar em seus próprios pequenos problemas cada vez que surge um desafio global”, lamenta Islam. “Neste momento, a resposta da UE deveria ser uma inspiração para outros lugares do planeta, mas está longe de ser, por culpa de suas disputas internas”, acrescenta a diretora para a Europa do Friends of Europe.

Guerra de propaganda

Bruxelas acredita que a imagem ruim da reação europeia à pandemia da Covid-19 é fruto, em parte, da guerra de propaganda travada entre diferentes potências mundiais. “Existe uma batalha global pelo relato”, observava há poucos dias Josep Borrell, alto representante de Política Externa da UE. O departamento de Borrell, dentro das análises sobre campanhas de desinformação, já detectou cerca de cem ondas de mensagens que buscam desacreditar as administrações europeias e estimular a desconfiança da opinião pública continental. Essas campanhas parecem ser ligadas a interesses relacionados a Moscou, mas não só. A China também impulsiona seu próprio relato, apoiado, segundo um documento interno da Comissão, “no admirável trabalho [de Pequim] em conter o coronavírus” e na “gratidão que Ocidente deveria ter pela China por sua rápida reação”. A mensagem subliminar dessa campanha, segundo Bruxelas, é que a força de um Estado centralizado como o chinês “pode ser um ativo” em casos como o da epidemia.

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da Covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50