Wall Street

Rebelião de investidores amadores coloca Wall Street contra as cordas

Rebelião de investidores amadores contra os fundos baixistas ameaça mudar as regras da Bolsa

Um homem passa diante de uma loja da GameStop em Nova York, na sexta-feira.
Um homem passa diante de uma loja da GameStop em Nova York, na sexta-feira.CARLO ALLEGRI / Reuters

Wall Street se aproximou do abismo nesta semana por causa da guerra de guerrilha de um grupo de investidores amadores que joga na Bolsa, ou que brinca com a Bolsa. O pregão de Nova York tentou recuperar a prudência na sexta-feira depois de alguns dias de fortes emoções nos quais milhões de pequenos investidores, reunidos em um fórum da plataforma Reddit chamada WallStreetBets (Apostas de Wall Street) e que se autodenominam degenerados, levaram à alta as ações da cadeia de lojas de videogames GameStop e da rede de cinemas AMC ―fechadas há meses devido à pandemia―, provocando fortes perdas aos fundos que tinham apostado contra estas empresas, os chamados baixistas. Na sexta-feira a AMC subiu 53%, depois de uma alta semanal de 278%, e a GameStop subiu 67%, acumulando ganhos semanais de 400%, dois sinais do desenfreio e do vale tudo em Wall Street. Mas, ao longo do caminho, alguns perderam milhões e a crise está longe de terminar.

Mais informações

Depois de vários anos de declínio, o valor dos títulos da GameStop começou 2021 freneticamente, com um aumento superior a 1.600% devido a uma compra em massa por usuários do Reddit equipados com o Robinhood, um aplicativo que permite entrar no mercado sem pagar comissões e que proclamou aos quatro ventos seu objetivo de “democratizar o investimento”. A escolha da GameStop não foi acidental. A empresa era alvo preferencial dos fundos baixistas que tiram proveito do colapso de empresas, que não viram o furacão que se aproximava. Os fundos Melvin Capital e Citron Research, que prognosticavam uma retração dos negócios, anunciaram o fechamento de suas posições vendidas na GameStop depois de terem registrado grandes perdas com a alta, que elevou o valor de mercado da empresa, apenas entre terça e quarta-feira, a 10 bilhões de dólares (cerca de 54,62 bilhões de reais).

Mas a onda expansiva foi mais longe. As ações da BlackBerry também subiram 112% neste mês, sem que a empresa tenha feito qualquer anúncio relevante. Muitas das ações escolhidas exalam um aroma antigo: títulos de uma empresa de videogames ou de uma rede de cinemas em tempos de streaming, um sapatofone cheio de valentia contra o império dos smartphones.

O episódio foi tão surpreendente que a porta-voz da Casa Branca Jen Psaki, anunciou no meio da semana que o Governo está avaliando o ocorrido, enquanto o aplicativo Robinhood, que permite que pessoas físicas ―e, por extensão, amadores― façam transações gratuitas, confirmou que restringiu suas operações para não fomentar a volatilidade. O Robinhood, a ferramenta favorita dos usuários do WallStreetBets para executar suas ordens de compra, foi então alvo de uma enxurrada de críticas acusando-o de trair seu espírito original ―o de universalizar o acesso ao mercado. A empresa se defendeu, alegando que a alta volatilidade de várias ações prejudicou sua capacidade de atender os requisitos de capital do órgão regulador norte-americano, e em poucas horas arrecadou um bilhão de dólares extras de investidores para proteger suas operações.

Os argumentos não apaziguaram a classe política. A congressista democrata Alexandria Ocasio-Cortez denunciou a limitação imposta pelo Robinhood “enquanto os fundos de hedge podem negociar livremente as ações como melhor lhes parece”, e garantiu que, como membro do comitê de Serviços Financeiros da Câmara, apoiará uma comissão parlamentar se for necessário. Sua proposta foi defendida por figuras tão díspares como o senador republicano Ted Cruz e o magnata Elon Musk, fundador da Tesla, um dos protagonistas da revolta dos pequenos investidores depois de ter compartilhado com seus mais de 43 milhões de seguidores no Twitter o link do fórum do Reddit onde se relacionam. O subfórum WallStreetBets percebeu o impulso do homem mais rico do mundo, bem como a atenção da imprensa que suscitou: em poucos dias passou de dois milhões de usuários para quase sete milhões, um novo público que lhe dá mais poder para continuar alimentando a bola de neve de investimento em seu braço de ferro com os baixistas de Wall Street.

Como resultado dos protestos e de uma ação movida pelos degenerados por manipulação de mercado, o Robinhood deu marcha a ré parcialmente na sexta-feira, ressaltando que só permitirá compras “limitadas” dessas ações, mas isso não impediu o Facebook de fechar uma página de usuários do aplicativo com quase 160.000 membros, o que estes consideram um castigo pelas conversas que mantiveram para incentivar a GameStop na Bolsa. A Comissão Bancária do Senado também tratará do assunto em breve, com especial atenção ao papel que a Comissão de Valores Mobiliários (SEC na sigla em inglês), a agência reguladora do Governo, desempenhou na crise.

Como alguns afirmam nas redes sociais, a história parece um spoiler com contornos libertários de O Lobo de Wall Street, o filme em que Leonardo DiCaprio interpreta um tubarão das finanças, ou pelo menos o enredo de uma série de sucesso. O grau de ousadia desses guerrilheiros da Bolsa é tamanho que em uma operação que parece ter muita trollagem frustraram as apostas dos fundos baixistas e de toda a sua plêiade de analistas.

Ganhos e perdas à parte, os novos jogadores no mínimo arrebataram durante alguns dias o protagonismo e a iniciativa dos interlocutores oficiais da Bolsa de Nova York. Mas nem tudo é inventivo ou bizarro: um investidor que operava com o Robinhood se suicidou em junho depois de acumular 730.000 em perdas. Tinha 20 anos, lembra Andrew Ross no DealBook, o boletim econômico do The New York Times, a idade de muitos desses súbitos investidores (o cérebro do Robinhood tem 23).

O índice de volatilidade Vix, também conhecido como “indicador do medo”, moderou suas previsões na quinta-feira, mas continuava em níveis recordes inéditos desde o início da pandemia diante da ofensiva desses investidores amadores, empoderados à base de tutoriais da Internet e hoje capazes de encarar de igual para igual os sofisticados corretores da Bolsa de Wall Street. Embora esse frenesi especulativo tenha se desenvolvido com um pequeno grupo de ações, suspeita-se que possa ter algo a ver com o fato de que os principais índices nova-iorquinos tenham experimentado sua pior semana desde outubro, pois obrigaram grandes fundos a vender outras posições para cobrir perdas em suas apostas de baixa. O índice Dow Jones, o de tecnologia Nasdaq e o S&P 500 caíram mais de 3%, algo que não acontecia desde que, no outono, o Federal Reserve (o Banco Central dos EUA) fez uma avaliação sombria da economia.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50