BOLSA DE WALL STREET

O homem que ‘afundou’ Wall Street em cinco minutos

Navinder Singh Sarao, acusado de usar um software para ‘saquear’ a Bolsa de Nova York em 2010, tem 37 anos, é casado e mora num bairro humilde de Londres

O anexado londrino dos pais de Navinder Singh Sarao, onde este operador acusado de manipular a Saca tinha registrada sua empresa
O anexado londrino dos pais de Navinder Singh Sarao, onde este operador acusado de manipular a Saca tinha registrada sua empresaNEIL HALL (REUTERS)

O homem que supostamente levou cinco minutos para causar um prejuízo de meio trilhão de dólares em Wall Street, em 6 de maio de 2010, tem 37 anos, mora num subúrbio londrino e dirige um carro verde caindo aos pedaços, que pertence aos seus pais. Às 12h45 de terça-feira (8h45 manhã no Brasil), a polícia britânica chegou com um mandado judicial ao chalé dos pais de Navinder Singh Sarao, onde estava registrada sua empresa unipessoal, e o deteve, cumprindo solicitação encaminhada pelo Ministério Público norte-americano.

MAIS INFORMAÇÕES

Sarao, que supostamente usou um software para manipular um grande volume de dados da Bolsa de Nova York, poderá ser extraditado para os Estados Unidos, dependendo do resultado de uma audiência judicial marcada para esta quarta-feira num tribunal londrino. Se for enviado aos EUA, deverá ser julgado por fraude e diversas outras acusações relativas à manipulação de mercados.

Sarao, segundo o jornal The Telegraph, é casado e tem duas filhas. Levava uma vida discreta numa casa em frente ao imóvel que seus pais compraram em 1982 e onde moram desde então. A mãe dele trabalha em meio expediente numa farmácia, e o pai é aposentado. Vários vizinhos descreveram os pais do acusado como um casal humilde, que ia todos os domingos ao templo sikh deste modesto bairro da zona oeste da capital britânica, habitado principalmente por famílias de origem indiana e bengalesa, a quase 30 quilômetros da City (bairro financeiro de Londres).

Nada levava os vizinhos a suspeitarem que o jovem Sarao havia acumulado, em cinco anos de especulação com ações, uma fortuna de até 40 milhões de dólares, segundo a Justiça norte-americana, distribuída entre sociedades instaladas em diversos paraísos fiscais antilhanos, como parte de uma grande estratégia de evasão tributária. Sarao, segundo as autoridades dos EUA, tentou manipular o mercado por meio de “táticas de engodo excepcionalmente extensas, agressivas e persistentes”, que foram levadas a cabo até o último dia 6. Tratava-se, de acordo com as autoridades, de fraudar o mercado lançando falsas ordens de compra e venda.

Um software para falsificar transações

O acusado, que supostamente agia sozinho, usava um algoritmo informático automático para fingir ordens de venda de ações, simulando a participação de múltiplos agentes que dariam ordens simultaneamente no mesmo sentido. O caso de Sarao mostra como a sofisticada rede financeira global continua vulnerável às ameaças de agentes individuais. “Sou apenas um trader à moda antiga”, declarou ele no ano passado às autoridades britânicas. “Sempre tive bons reflexos e faço as coisas rapidamente.” Destreza manual à parte, a investigação revelou que nove meses antes daquele assustador episódio de 2010, batizado de flash crash (“quebra-relâmpago”), Sarao havia pedido ajuda de uma companhia de software para adaptar seu programa de compra e venda de ações.

Ele admite ter realizado um enorme volume de compras e vendas, embora defenda que fossem legítimas. Mas sua atividade chamou a atenção da Bolsa Mercantil de Chicago (CME), que fiscaliza as credenciais de agentes que, como Sarao, compram e vendem no mercado. Quando esse organismo questionou Sarao sobre suas atividades, ele escreveu um e-mail ao seu corretor, dizendo: “Acabo de ligar para o CME e mandei que lambessem meu cu”.

Arquivado Em: