Entrevista

Eva Illouz: “Vivemos em um mundo colonizado pela hiperssexualização dos corpos e das psiques”

A professora de sociologia franco-israelense afirma em seu último ensaio que o sexo cria novas desigualdades sociais

A socióloga Eva Illouz, fotografada em Paris em 21 de outubro.
A socióloga Eva Illouz, fotografada em Paris em 21 de outubro.Manuel Braun

A socióloga franco-israelense Eva Illouz (Fez, 59 anos) especializou-se no estudo das consequências do capitalismo nas nossas relações amorosas. Professora da Escola de Estudos Superiores em Ciências Sociais (EHESS) de Paris ―onde ministra seminários bem concorridos―, publicou dois novos ensaios: O Fim do Amor, onde se aprofunda em seu diagnóstico do modelo pós-romântico em que entramos, e O Capital Sexual na Modernidade Tardia, coescrito com Dana Kaplan, em que descreve como a aparência física e a atratividade sexual tornaram-se vetores decisivos no modelo econômico atual.

Pergunta. Como define o capital sexual e emocional, e como quantificá-lo?

Mais informações

Resposta. Continuando com a expansão do conceito de capital que o sociólogo Pierre Bourdieu propôs há mais de 30 anos, procuro entender como um indivíduo tira proveito econômico de sua pessoa no contexto do capitalismo, como usa sua aparência e seus atributos emocionais para se integrar e ascender no mundo corporativo. O que detecto é que a sexualidade desempenha um papel cada vez mais importante na valorização da pessoa nesse contexto. Em especial para as mulheres...

P. Você diz que se tornou “a base normativa” do sistema econômico. A beleza prevalece sobre as aptidões?

R. É algo que já existia, mas se generalizou. A capacidade de explorar a beleza já existia nas sociedades pré-modernas, mas apenas para as mulheres de status social inferior. O capitalismo contemporâneo transformou isso em uma norma. É a primeira vez na história que alguém pode usar de forma legítima o seu corpo e sua beleza para obter valor econômico. As profissões onde isso acontece já não são menosprezadas, como acontecia em outras épocas, mas celebradas: atores, modelos e influencers fazem parte da lista dos trabalhos de maior prestígio da época atual. A única exceção é a prostituição, que permanece marginal.

P. Com as redes sociais e, em particular, o Instagram, todo usuário põe sua aparência no mercado?

R. Exato. E ainda mais: a atratividade sexual se tornou um critério autônomo de avaliação em relação aos demais. No Tinder, o perfil não importa muito: o mais importante é sempre a foto. A seleção é feita, em primeiro lugar, seguindo critérios visuais. O Tinder e o Instagram se tornaram a nova lei do mercado.

P. Esse fenômeno corresponde à importância adquirida pela sexualidade nas sociedades ocidentais nas últimas décadas?

R. Sim, é o resultado de uma pornificação da cultura, e que fique claro que não estou fazendo uma crítica religiosa ou puritana à liberdade sexual. A partir dos anos 70, o capitalismo entendeu que o mercado de bens materiais é limitado por definição ―não se pode comprar cinco geladeiras ao mesmo tempo―, e que a única coisa que possibilita o consumo infinito é o corpo e as emoções. Essa crescente sexualização se produz em um contexto em que o indivíduo se torna uma mercadoria. Hoje nos consumimos uns aos outros e mostramos o espetáculo de nossos próprios corpos aos outros.

P. Você diz que, diante dessa transformação, o grupo mais vulnerável é a classe média.

R. É a classe média que está mais sujeita ao risco de desclassificação. A cada momento histórico, o capital se acumula de maneiras diferentes e favorece um ou outro grupo social, estabelecendo novas hierarquias. Hoje vemos emergir uma nova classificação social que separa quem consegue tirar proveito de seu corpo e quem não consegue. Estes últimos são vítimas de exclusão, como Michel Houellebecq tão bem descreve em seus livros. O sexo cria novas desigualdades sociais. E também novas reações a essas desigualdades, como demonstra o caso dos incels [celibatários involuntários], esses homens incapazes de fazer sexo que expressam sua frustração por meio da violência misógina. Essa desclassificação sexual tem importantes efeitos sociológicos. Parte do eleitorado de Donald Trump integrava esse grupo: eram homens que haviam perdido o poder econômico e o poder dentro da família, mas também o poder sexual.

P. Em O Fim do Amor você fala de uma cultura sentimental que está desaparecendo. Para qual modelo estamos nos dirigindo?

R. A cultura moderna secularizou o amor a Deus e o transformou em amor por outro ser humano. Ou seja, o amor romântico nada mais é do que uma transformação secular do amor cristão. A época atual rompe com esse romantismo. Vivemos em um mundo colonizado pela hiperssexualização de corpos e psiques e dominado por uma incerteza que é nova. As interações sexuais de nosso tempo estão marcadas por este sentimento incerto: ao contrário do que acontecia até pouco tempo atrás, hoje não se sabe mais quais são as regras que regulam essas relações, nem qual é o seu objetivo preciso. A liberdade se tornou o único fator regulador. O que estou tentando mostrar é que nessa liberdade também existe uma grande desigualdade de gênero. No campo sexual e afetivo, as mulheres continuam tendo muito menos poder do que os homens.

P. Em um artigo recente no Le Monde você comparava o feminismo com o cristianismo. Você o vê como uma religião?

R. O que eu dizia é que ambos aspiram igualmente a uma mudança radical de comportamento. O cristianismo transformou a natureza do desejo, redefiniu a ideia de pertencer a um clã e prefigurou a individualidade. A batalha cultural do feminismo é igualmente poderosa. A diferença é que, ao contrário do cristianismo, não conta com Estados nem exércitos para defendê-lo. Ao contrário: não só ninguém o defende, mas é atacado incessantemente. Embora essa seja, afinal, a maneira usual que o patriarcado tem para se proteger: por meio da difamação. É preciso distinguir as críticas justificadas ao feminismo ―que, como qualquer movimento, por mais justo que seja, pode ter algum desvio de rota― dos ataques que emanam de velhas ideologias que uma parte da população não quer superar.

P. Por último, que consequências todos esses meses de distanciamento compulsório terão em nosso comportamento afetivo?

R. Vai depender da vacina. Se funcionar e a epidemia desaparecer, nada mudará fundamentalmente. Mas, se a vacina não surtir o efeito esperado, entraremos em um mundo diferente, em que as formas de socialização com desconhecidos, que é um tipo de sociabilidade muito importante, vão mudar ainda mais do que nos últimos meses. Se for o caso, veremos se estabelecerem grupos cada vez menores e cada vez mais impermeáveis ao que acontece no mundo exterior.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50