Crise política

Investigações sobre filhos de Bolsonaro podem explicar disputa por direção da PF que tirou Moro do Governo

Reportagem da Folha e do The Intercept Brasil revelam apurações comprometedoras contra Carlos e Flávio, o que explicaria o fato de o presidente querer blindá-los e manter o controle sobre inquéritos

Flávio e Carlos Bolsonaro, filhos do presidente na diplomação dele em 2018.
Flávio e Carlos Bolsonaro, filhos do presidente na diplomação dele em 2018.ADRIANO MACHADO / REUTERS

Um dia após a queda do ex-juiz Sergio Moro do Ministério da Justiça, ganhou força em Brasília a tese de que o presidente Jair Bolsonaro estava agindo para proteger ao menos dois de seus filhos, o vereador Carlos e o senador Flávio, de investigações tocadas pela Polícia Federal. O objetivo do presidente seria exonerar o então diretor Maurício Valeixo para interferir em apurações que estão em andamento, principalmente no Supremo Tribunal Federal e no Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. A Corte investiga Carlos Bolsonaro por disseminação de fake news. Enquanto o MPF apura o suposto esquema de apropriação de salário de assessores, a rachadinha, que existia no gabinete do senador Flávio Bolsonaro, quando ele era deputado estadual. Os dois irmãos se filiaram recentemente ao Republicanos, legenda umbilicalmente ligada à Igreja Universal.

O vereador Carlos é apontado no inquérito que investiga a disseminação de fake news como um dos líderes de um grupo que espalha massivamente notícias falsas e boatos pela internet e pelo aplicativo WhatsApp contra opositores do presidente e contra instituições, como o STF e o Congresso Nacional.

Desde a época em que Bolsonaro era deputado, Carlos é o seu estrategista nas redes sociais. Foi ele quem indicou os assessores presidenciais para atuar nesta área e seria o mentor o que ficou batizado em Brasília de “gabinete do ódio”, formado por profissionais responsáveis por defender Bolsonaro nas redes e atacar os adversários. Trata-se de uma usina de notícias falsas com táticas diversionistas que beneficiam Bolsonaro, com apoio inclusive de robôs. Uma pesquisa do início deste mês revelou que até 55% das publicações favoráveis ao presidente no dia 15 de março foram feitas por robôs.

O novo diretor-geral da Polícia Federal, em substituição a Valeixo, que era indicação de Moro, será o delegado Alexandre Ramagem, que hoje é diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Ramagem é amigo de Carlos. Recentemente, o presidente disse a parlamentares que tinha sob o seu poder relatórios da Abin que apontavam que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), estariam articulando o seu impeachment. O documento fora encaminhado por Ramagem. Bolsonaro também admitiu que sempre cobrou informações da Abin para seu conhecimento.

O inquérito que investiga o vereador é tocado pelo STF, relatado pelo ministro Alexandre de Moraes, que conta com o suporte de um grupo de quatro delegados da PF. É sigiloso. Seus detalhes foram revelados pelos jornais Correio Braziliense, na quinta-feira, e pela Folha de S. Paulo, neste sábado. Além dele, há um segundo inquérito que pode envolver o vereador, o que trata dos protestos pró-golpe militar dos quais deputados bolsonaristas e o próprio presidente participaram no dia 19 de abril. Há suspeita de que haja um cruzamento de dados que liguem empresários que financiaram esses atos com a rede de fake news de bolsonaristas.

Na sexta-feira, quando Moro delatou a intenção de Bolsonaro de interferir politicamente na PF, ele deixou claro o intuito do presidente de atuar em apurações no Supremo. Pouco tempo depois dessa revelação, o ministro Moraes decidiu que, independentemente de quem fosse o novo diretor-geral, os delegados que o auxiliam no inquérito das fake news deveriam permanecer em suas funções. É uma tentativa de se blindar da influência presidencial.

Rachadinha e milícias

Em outra frente, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, auxiliado pela PF, avançou na apuração contra o senador Flávio. Reportagem publicada pelo The Intercept Brasil mostra que Flávio teria financiado com parte do dinheiro público confiscado de salários de funcionários do seu gabinete a construção de prédios da milícia no Rio de Janeiro e lucrou com esquema ilegal.

O portal publicou neste sábado documentos que mostram que os empreendimentos de três construtoras da cidade de Rio das Pedras foram feitos com dinheiro de “rachadinha”, coletado no antigo gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio. O MP-RJ chegou a essa conclusão depois de cruzar informações bancárias de 86 pessoas suspeitas de envolvimento no esquema ilegal. Além de substituir Valeixo da diretoria-geral, Bolsonaro tinha o intuito de trocar os superintendentes do Rio de Janeiro, responsável pelas apurações envolvendo Flávio, e de Pernambuco.

No pronunciamento que fez na sexta-feira, o presidente Bolsonaro disse que jamais pediu para proteger os seus familiares. “Nunca pedi para blindar ninguém da minha família. Jamais faria isso”. Porém, admitiu que esperava ter algum interlocutor para conhecer investigações em curso.

Mais informações