A política externa de Trump perde o norte na América Latina

Falta de uma estratégia para a região e decisões erráticas e guiadas por interesses partidários marcam a gestão do presidente norte-americano

O presidente Donald Trump.
O presidente Donald Trump.Loren Elliott / REUTERS

Mais informações

Chegou à Casa Branca prometendo erguer um muro na fronteira para se isolar do México. Três anos depois, Donald Trump não levantou um só metro novo de muro e, ao invés disso, fala da sua “tremenda relação” com o México e se desmancha em elogios ao presidente Andrés Manuel López Obrador, principalmente depois que este lhe permitiu exibir ao público doméstico uma forte queda na imigração vinda da América Central. Essa redução foi possível porque o centro-esquerdista AMLO freou o fluxo imigratório enviando à fronteira meridional mexicana um contingente da Guarda Nacional, corpo criado para combater o crime organizado – que, enquanto isso, vai se fortalecendo no México. Quando esse crime organizado o salpica, anuncia que incluirá os cartéis mexicanos em sua lista de grupos terroristas, mas uma semana depois, na sexta-feira passada, retira repentinamente a ameaça em um tuíte vespertino.

O caso do México, país vizinho para o qual a errática política externa da Administração Trump parece seguir ditames eleitoreiros, não é isolado. Na América Central, depois de interromper a ajuda humanitária, agravando problemas que levam milhares de seus cidadãos a escaparem para o norte, Washington decide que agora a Guatemala, Honduras e El Salvador, alguns dos territórios mais perigosos do mundo, são “terceiros países seguros” aos quais devolver dezenas de milhares de solicitantes de asilo. Na Venezuela, esgotam-se as cartadas para derrubar Nicolás Maduro, levando o republicano a se somar ao multilateralismo que publicamente tanto renega. No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro, seu grande aliado na região, cuja política externa se baseia na sua boa sintonia com Trump, recebia atônito na semana passada o súbito anúncio via Twitter de novas tarifas sobre o aço e o alumínio. Assim como a Argentina, imersa em uma profunda crise econômica, alvo do castigo tarifário de Trump a apenas uma semana da posse do novo presidente, Alberto Fernández. Só com Cuba Trump manteve uma posição clara, de aumentar o cerco à ilha e romper drasticamente com a abertura iniciada por seu antecessor, Barack Obama.

“Não há uma estratégia para a América Latina”, resume Richard Feinberg, que foi assessor especial do presidente Bill Clinton e diretor de assuntos interamericanos no Conselho de Segurança Nacional, e hoje é membro da Iniciativa Latino-Americana do Instituto Brookings. “É preciso partir de que se trata de um hemisfério muito diverso, e é difícil ter uma estratégia coerente para a região. Mas estávamos acostumados a ter uma política baseada na democracia, nos direitos humanos e na economia aberta. Trump, ao menos retoricamente, disse que não lhe importam os dois primeiros pontos. Quanto ao terceiro, obviamente o presidente não é um porta-estandarte do livre comércio. De modo que os pilares tradicionais da política norte-americana para a América Latina foram jogados pela janela. Mas é difícil delimitar a política externa de Trump. Estamos falando dos seus tuítes? Ou da política que ele realmente implementa no terreno?”

Que a agenda eleitoral doméstica condicione a política externa não é novidade alguma. Mas agora essa visão eleitoreira, segundo os críticos, parece ser a única. E se soma à natureza impulsiva do presidente e a seu desprezo pelos procedimentos tradicionais. Em um cenário internacional em profunda transformação e cheio de desafios, como evidenciam os protestos que percorrem a América Latina, o desconcerto e a preocupação se repetem nas conversas com diplomatas experientes.

“Não há uma política bem pensada para a região”, afirma Michael Matera, diretor do programa das Américas do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais de Washington, com 25 anos de experiência no serviço exterior norte-americano. “Parte disto é pelas disputas burocráticas internas, entre o Departamento de Estado e o Conselho de Segurança Nacional. A missão do segundo é equilibrar as agendas dos diferentes departamentos. Mas isso não aconteceu como deveria acontecer durante os últimos três anos. O processo essencialmente se rompeu.”

Essa ruptura do equilíbrio entre a diplomacia, encarregada da visão mais de longo prazo, e a Casa Branca é justamente o que subjaz na trama ucraniana, que levou os democratas a iniciarem um processo de impeachment de Trump. “Assistimos a uma rebelião da diplomacia dos Estados Unidos contra o chefe do Executivo que não tem precedentes”, adverte Feinberg. “Uma coisa são desacordos, mas uma rebelião aberta? Há diplomatas depondo no Congresso contra o presidente com vistas à sua destituição! E o serviço externo inteiro está aplaudindo esses representantes. Nunca se viu nada assim.”

Para Michael Shifter, presidente do Diálogo Interamericano, um dos mais antigos think tanks sobre a América Latina em Washington, esse fenômeno que explodiu na trama ucraniana se vê também na América Latina. “Todo mundo fala da Ucrânia como exemplo de antepor o interesse pessoal ao interesse nacional, mas não é uma surpresa”, defende. “O México é um exemplo muito claro disso. As coisas que faz Trump, os termos que emprega, são voltados a responder aos temores de suas bases políticas e a fortalecer sua causa. A Ucrânia não é um caso isolado. Trump utiliza o México claramente para seus objetivos políticos pessoais.”

Os desencontros sobre a América Latina também fizeram vítimas políticas. Kimberly Breier se demitiu em agosto do cargo de subsecretária de Estado para o Hemisfério Ocidental, deixando vago o mais graduado gabinete diplomático de relações com a América Latina. Breier, a última de uma série de baixas no Departamento dirigido por Mike Pompeo, alegou motivos pessoais. Mas muitos apontaram uma série de desencontros coroados por um esbarrão político com Stephen Miller, o radical assessor da Casa Branca para política migratória, que a considerava pouco comprometida com o surpreendente acordo de asilo entre os Estados Unidos e a Guatemala.

Fernando Cutz, que esteve no Conselho de Segurança Nacional durante a própria Administração Trump, até abril de 2018, e antes disso durante a de Obama, concorda que os “assuntos subjacentes” vistos nas audiências do impeachment se repetem “por todo mundo”. “É constante essa batalha entre os dois canais, o oficial e o não oficial”, afirma. “Os dois canais frequentemente não compartilham os mesmos objetivos e nem sequer se comunicam, o que nos debilita diplomaticamente. Muitas das crises na região latino-americana exigem abordagens multilaterais, e isso é preciso ser liderado pelo Departamento de Estado. Como resultado de partir sem aliados, por exemplo, temos uma política mais fraca na Venezuela.”

A imagem da liderança norte-americana sofreu globalmente com a chegada de Trump à Casa Branca, segundo um estudo do Gallup, mas em nenhuma região isso foi tão evidente como na América Latina. A aprovação da liderança norte-americana caiu de 49% em 2016 a 24% em 2017. Quanto à figura do Trump, os dados são ainda piores. Só 16% dos latino-americanos aprovavam o desempenho do presidente norte-americano durante o primeiro ano de sua presidência. Tinha sua melhor avaliação na Venezuela (37%), e a pior no México (7%).

“Trump poderia exibir como uma vitória política sua relação com o México, por exemplo, porque, embora não tenha construído um muro, reduziu a imigração”, defende Cutz. “Mas esses resultados têm um custo. Os Estados Unidos perderam credibilidade, entre outras coisas pela forma como tratou a imigração.”

Há certo grau de continuidade, adverte Michael Matera, no que foram “anos e anos de considerar a região de uma importância secundária”. “Isso não é algo novo da Administração Trump”, conclui o veterano diplomata. “Mas em Administrações anteriores houve um maior reconhecimento de que, enquanto a Casa Branca não tem a capacidade de banda suficiente para dedicar muito tempo à América Latina, ao menos os burocratas do Departamento de Estado, de Comércio e do Tesouro tiveram mais liberdade para desenvolver uma estratégia. Neste ponto, agora, não há ninguém tratando de construir uma estratégia integral.”

A ENCRUZILHADA VENEZUELANA

O caso da Venezuela ilustra melhor do que nenhum outro a errática política de Trump para a América Latina. O Governo dos Estados Unidos foi o primeiro a reconhecer o presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, como mandatário interino, levando mais de 50 países a fazerem o mesmo. Porém, quase um ano depois daquilo, a situação na Venezuela dista muito de ter melhorado. A política para a Venezuela evidenciou as brigas internas no Gabinete de Trump. O ex-assessor de Segurança John Bolton sempre apostou numa linha mais dura, compatível com o setor mais radical da oposição venezuelana, e insinuou em mais de uma ocasião que a intervenção militar era a única alternativa para tirar Maduro do poder. Enquanto isso, o secretário de Estado, Mike Pompeo, e o enviado especial para a Venezuela, Elliot Abrams, optaram por uma opção multilateral em que a diplomacia prevalecia.

Os Estados Unidos pressionaram com sanções não só os dirigentes chavistas, mas também seus testas-de-ferro. A asfixia econômica, porém, tampouco foi definitiva. Nas últimas semanas, em vários meios de comunicação norte-americanos, instalou-se a ideia de que Trump já não confia no impulso representado pela aparição de Guaidó, o que deixa o líder da oposição em uma encruzilhada, pois sua principal cartada sempre foi o respaldo da grande potência mundial.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50