Êxodo venezuelano desloca crise migratória da Europa para a América do Sul

De acordo com relatório, após uma queda de 4% entre 2016 e 2017, o fluxo de imigrantes permanentes para os países da OCDE voltou a crescer em 2018 até se fixar em 5,3 milhões de pessoas

Criança no abrigo para venezuelanos da ACNUR, em Boa Vista.
Criança no abrigo para venezuelanos da ACNUR, em Boa Vista.Douglas Magno

A profunda crise econômica e política pela qual a Venezuela passa tornou-se a principal causa de um "deslocamento" da crise humanitária: não é mais a Europa que a vive, com a chegada de pessoas em fuga do conflito sírio, mas os países vizinhos sul-americanos, que recebem números recordes de cidadãos venezuelanos, especialmente a Colômbia. É isso que aponta um relatório da  Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgado nesta quarta-feira.

MAIS INFORMAÇÕES

“Até certo ponto, a crise humanitária de refugiados está diminuindo na Europa, mas está se deslocando para a América Latina e agora as principais preocupações têm a ver com os venezuelanos que deixam seu país rumo aos vizinhos", disse Stefano Scarpetta, diretor da unidade de Emprego, Trabalho e Assuntos Sociais da OCDE e um dos autores do relatório. "Os desafios são enormes, porque não é fácil ajudá-los", acrescentou.

Embora o fluxo imigratório para os países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) tenha aumentado de novo, levemente (2%), em 2018, após dois anos de declínio, o número de requerentes de asilo continuou a diminuir "fortemente" na maioria dos membros da organização. O leve aumento se deve, sobretudo, à imigração de trabalhadores e à reunificação familiar, especialmente na Europa —um detalhe a ser levado em consideração ao usar, como foi feito nos últimos tempos em muitos países europeus e nos Estados Unidos, a questão da imigração e, especialmente, os pedidos de asilo como moeda política, alerta a OCDE.

A situação na América do Sul, onde a explosão da imigração venezuelana ameaça criar uma nova crise humanitária na região, é, no entanto, diferente. Os números da OCDE são menos atualizados do que os apresentados em junho pela Acnur (Agência da ONU para Refugiados), que constatou que os venezuelanos estavam no topo da lista mundial de novos solicitantes de asilo em 2018. Os países latino-americanos que recebem a grande maioria dos venezuelanos são Colômbia (1,3 milhão), o Peru (768 mil), Chile (288 mil), Equador (263 mil), Brasil (168 mil) e Argentina (130 mil), de acordo com a Acnur. A situação já acendeu os alarmes da OCDE.

Números globais

“A imigração é um tema controverso em muitos países. Na realidade, pode-se dizer que se há uma só questão que teve um grande impacto nas últimas eleições europeias poderia muito bem ser a imigração”, lembrou o secretário-geral da OCDE, Ángel Gurría. Mas, ao mesmo tempo, observou, é um assunto em que há muita "desinformação ou falta de informação", e isso pode ser perigoso porque "não impede a expressão de opiniões, muitas vezes fortes, baseadas em conjecturas" ou informações incorretas, como é o caso do nível de adaptação dos imigrantes aos países anfitriões, que costuma ser mais alto do que muitos acreditam. "Sabemos que outras considerações ganham as estatísticas quando se trata de comentar sobre migração, mas é importante que essa conversa seja baseada em fatos", insistiu.

E os fatos são estes, de acordo com a OCDE: após uma queda de 4% entre 2016 e 2017, o fluxo de imigrantes permanentes para os países da OCDE voltou a crescer em 2018 até se fixar em 5,3 milhões de pessoas, segundo os dados preliminares utilizados pela agência em seu relatório anual. A imigração familiar continua sendo o “canal de imigração mais importante” e em 2017 (alguns dados são mais recentes que outros) já representava 40% dos novos imigrantes permanentes. Depois vem a da mão de obra, que aumentou 6% e já responde por 11% do fluxo total.

Em contrapartida, os pedidos de asilo na OCDE caíram para 1,09 milhão em 2018, ou seja, 34% menos desde o recorde alcançado em 2015 e 2016, anos em que chegaram 1,65 milhão de pessoas. A tendência de queda se confirmou nos Estados Unidos (77.000 demandas a menos que em 2017), Itália (-73.000) e Alemanha (-36.000). A Espanha e a França constituem a exceção, pois são os únicos dois países em que a demanda de asilo aumentou (22.000 e 19.000, respectivamente). Como a queda nos pedidos, o número de refugiados também caiu. Em 2017, o último ano de que a OCDE possui dados globais, foram concedidas cerca de 700.000 autorizações por razões humanitárias, em comparação com 900.000 em 2016.

A imigração temporária de mão de obra, ou seja, pessoas que se mudam para outro país para trabalhar, mas apenas por um período limitado de tempo, aumentou significativamente em 2017, atingindo 4,9 milhões, 11% a mais do que em 2016 e a cifra mais alta em uma década. "O aumento significativo da imigração temporária de mão de obra é um sinal do dinamismo dos mercados de trabalho da OCDE, mas também de sua integração", afirmou Gurría. "Os imigrantes temporários trazem habilidades e competências de que seus empregadores precisam".

Arquivado Em: