Irã anuncia que vai acelerar o enriquecimento de urânio

Trata-se do terceiro passo de um progressivo distanciamento do acordo nuclear, depois da saída dos EUA

O presidente iraniano Rohani visita umas instalações, durante o dia da tecnologia nuclear, em Teerã o passado 9 de abril
O presidente iraniano Rohani visita umas instalações, durante o dia da tecnologia nuclear, em Teerã o passado 9 de abrilAFP

A partir desta sexta-feira, 6 de setembro, o Irã reativará sua instalação de centrífugas para acelerar o enriquecimento de urânio. O presidente Hasan Rohani ordenou na quarta-feira à noite que os responsáveis pelo programa atômico removessem todos os limites na pesquisa e desenvolvimento que Teerã aceitou no âmbito do acordo nuclear de 2015. Este é o terceiro passo dado pela República Islâmica desde que em maio decidiu responder ao abandono do pacto pelos EUA um ano antes.

Mais informações
Irã pede aos EUA que suspendam sanções para iniciar o diálogo
Irã anuncia detenção de 17 supostos “espiões” da CIA
STF manda Petrobras abastecer navios iranianos parados no Brasil

“A partir deste momento anuncio o terceiro passo", disse Rohani na televisão estatal. "A partir de sexta-feira, veremos pesquisa e desenvolvimento em diferentes tipos de centrífugas e novas centrífugas, além de tudo o que for necessário para enriquecer urânio de forma acelerada", explicou. "Todas as limitações ao nosso programa de Pesquisa e Desenvolvimento serão removidas a partir de sexta-feira", enfatizou.

Sexta-feira é o último dia do segundo prazo de 60 dias com o qual o Irã tenta pressionar os demais signatários do acordo nuclear (além dos EUA, Rússia, China, Reino Unido, França e Alemanha) a adotarem medidas que lhe permitam vender petróleo, sua principal fonte de receita. O Irã se comprometeu a limitar seu programa atômico em troca da suspensão das sanções internacionais que sufocam sua economia. Desde a retirada unilateral de Washington, em maio de 2018, as exportações de petróleo iranianas caíram 80%.

Os signatários europeus, com o apoio da UE, tentaram contornar as duríssimas medidas norte-americanas (que alcançam empresas de países que negociam com o Irã) com a criação de um mecanismo financeiro próprio, mas as dificuldades para aplicá-lo puseram fim à paciência iraniana. O país anunciou em maio que deixaria de cumprir seus compromissos nucleares de forma progressiva. Em julho, excedeu as reservas de urânio enriquecido (300 quilos) e o grau de pureza com que pode mantê-lo (3,67%), segundo o acordo.

Tentando superar esse beco sem saída, a França ofereceu ao Irã uma linha de crédito de 15 bilhões de dólares (cerca de 62 bilhões de reais) até o final do ano em troca do cumprimento dos seus compromissos nucleares. O Governo iraniano, que enfrenta a pior recessão desde a guerra contra o Iraque, há três décadas, acolheu a proposta com interesse. No entanto, as pressões internas da ala mais dura do regime (e o medo de que os EUA possam bloqueá-lo) o impediram de esperar a concretização e, por isso, optou por dar esse novo passo. No entanto, Rohani lembrou que se nos próximos 60 dias os europeus conseguirem viabilizar o acordo, o Irã voltará a cumprir seus termos.

A crescente pressão dos EUA sobre o Irã (nesta quarta-feira expandiram novamente sua lista de pessoas e entidades iranianas sancionadas) aumentou a tensão em toda a região do Golfo Pérsico. A derrubada de um drone americano pela Guarda Revolucionária Iraniana levou o presidente dos EUA, Donald Trump, a ordenar um bombardeio que só foi cancelado no último minuto. Enquanto isso, vários incidentes, desde sabotagem de navios até captura de petroleiros, puseram em risco a segurança do transporte marítimo e encareceram os seguros.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS