Festa Literária Internacional de Paraty 2019

Flip resgata força de ‘Os Sertões’ com uma programação ainda mais diversa e política

A 17ª Festa Literária Internacional de Paraty, que começa nesta quarta, recebe 33 convidados de 10 nacionalidades para falar de temas como gênero, raça e território

O centro histórico de Paraty, sede da Flip.
O centro histórico de Paraty, sede da Flip.Iberê Périssé de Oliveira (Divulgação)

MAIS INFORMAÇÕES

A entrada em Os Sertões, de Euclides da Cunha, é difícil. A essa obra prima da literatura brasileira entra-se pela terra, em uma descrição geográfica que converte-se em um caminho tão áspero quanto o chão queimado para aqueles acostumados apenas às narrativas literárias mais tradicionais. Propor outras portas de acesso e outras reflexões sobre a obra é um dos desafios ao que se propõe a 17ª Festa Literária Internacional de Paraty —a Flip 2019—, que acontece de 10 a 14 de julho.

“Euclides é um autor que trata do Brasil, principalmente em Os Sertões, ao fazer uma retrospectiva da história do país até chegar à Guerra de Canudos (1896-1897). Acho que momento atual é perfeito para falar de tudo isso”, explica a curadora Fernanda Diamant em entrevista ao EL PAÍS. A obra, originalmente publicada em 1902, nasceu nas páginas do jornal Província de São Paulo (antigo Estado de São Paulo, quando Euclides, então repórter, cobriu a Guerra de Canudos e depois transformou sua experiência em uma espécie de tratado antropológico-geográfico sobre a destruição do arraial de Canudos pelo exército brasileiro. Agora, sua atualidade será debatida por 33 intelectuais —sendo 17 mulheres— de dez nacionalidades, em áreas que vão da sociologia à fotografia. A Flip 2019 ano terá 21 mesas, cada uma com 45 minutos de duração e diferentes formatos, como conferência, entrevista e performance. 

“Sempre gostei das multilinguagens e tentei trazer isso para a Flip”, continua a curadora. Também foi ideia dela valorizar a não-ficção, convidando personalidades como o jornalista norte-americano David Wallace-Wells —que lança o livro A Terra Inabitável e fala sobre os problemas ambientais já antecipados por Euclides da Cunha— ou a artista interdisciplinar portuguesa Grada Kilomba, que fala de gênero e pós-colonialismo.

“Euclides da Cunha foi um dos pioneiros no Brasil em unir não-ficção e literatura. Ele tem um lado geógrafo, que faz essa descrição da terra, tem o lado repórter e o lado de estilista da língua. Transforma em poemas pedaços dos livros, é muito gênio”, diz Diamant.

Uma festa cada vez mais política

A curadora diz que “a política tem um papel super importante” na Flip 2019, ainda que há anos o evento tenha deixado de ser uma reunião de escritores para tornar-se também um lugar de congregação de diferentes militâncias de movimentos sociais. Este ano, destacam-se os jovens nomes da literatura africana, como a nigeriana Ayọ̀bámi Adébáyọ̀, que em seu livro de estreia (Fique Comigo) aborda questões como patriarcalismo, poligamia e conflitos relacionados à gravidez, ou o angolano Kalaf Epalanga, fundador do grupo Buraka Sound System, embaixador do kuduru mundo afora e escritor do “romance musical” Também os brancos sabem dançar

Entre os destaques nacionais estão Marcela Cananéa, militante do Fórum de Comunidades Tradicionais, que participará de uma mesa com Marcelo D’Salete, quadrinista cujas obras reverenciam a cultura afro-brasileira, e Jarid Arraes, jovem poeta e cordelista cearense Jarid Arraes, que fala sobre raça, origens e deslocamentos.

A programação completa da Flip 2019 está disponível no site da Festa Literária Internacional de Paraty, que o EL PAÍS acompanha in loco a partir desta quarta-feira.

Arquivado Em: