FLIP 2018

Pare e leia um poema #1: uma corrente lírica para Hilda Hilst

EL PAÍS publica um poema por semana até a Flip, em que poeta de Jaú será homenageada

Chuva de estrelas
Chuva de estrelasAndres Kudacki / AP

Um texto semanal, um instante para parar tudo e ler um poema. A partir deste momento, o EL PAÍS começa esta corrente semanal em que uma poeta ou um poeta indica o trabalho de outro até o começo da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), que homenageará a poeta Hilda Hilst, que nasceu em 1930, em Jaú, no interior de São Paulo, e morreu em 2004. Hilst foi tachada de difícil durante a vida, de autora hermética. Ela própria enxergava essas críticas como resultado do fato de que ela não fazia o que se esperava de uma mulher, não escrevia sobre o que se devia e nem vivia como se devia. A homenagem do evento de literatura vem para colocar as coisas nos devidos lugares.

Mais informações

Para começar a corrente poética, a primeira convidada foi Joselia Aguiar, atual curadora da Flip, que no ano passado chamou atenção ao elaborar uma programação diversa, com grande representação de autoras e escritores negros e negras. Para começar esse primeiro elo da corrente, ela escolheu a poeta e tradutora Josely Vianna Baptista, com seu poema Guirá Nãndu – nome da Constelação da Ema, na cultura Tupi-Guarani –, publicado no livro Roça Barroca, que acaba de ser reeditado pela editora Sesi-SP e será lançado em agosto. Na semana que vem, Vianna, que tem um breve perfil abaixo, escolhe o próximo poeta.

Guirá Nãndu

Para Teodoro (sob a Constelação da Ema, cujas penas são desenhadas por claro-escuros da Via Láctea)

pode que a noite hoje

se furte a amanhecer

a terra desmorone

nos bordos do poente

e outra vez o sol

como antes

não desponte

em busca de outro sol

pode alguém se perder

abandonando o humano

para encontrar seu deus

– o mesmo que ao nascer

deu-lhe um nome secreto

de sua divindade

perfeito e repleto

pode que na viagem

no trajeto disperso

um homem adivinhe

a vereda possível

sem fim, de sol a sol

até que a fome e a febre

o êxtase à flor da pele

a intempérie, a prece

a dança em excesso

transportem o corpo adverso

e o espírito pulse

e respire

e confronte

o mar que o separa

da terra indestrutível

quem sabe o paraíso

que descrevem os antigos

não esteja além do vasto

nevoeiro e sargaço

mas no árduo percurso

vencido passo a passo

sem bússola ou mapa do céu

em pergaminho

talvez além do zênite

que ofusca o caminho

deixando um invisível

roteiro para os olhos

que enfrentam o escuro

entre os dois

crepúsculos

Josely Vianna Baptista é poeta, tradutora e editora. Ela nasceu em Curitiba, no Paraná, em 1957, e vive hoje em Florianópolis. Entre seus livros, estão títulos como Ar, Corpografia, de 1991, editado pela Iluminuras; Los poros floridos, editado no México, em 2002, pela Aldus; Roça Barroca, em que aparece o poema acima e que acaba de ser reeditado pelo Sesi-SP e será lançado em agosto; e da coleção Cadernos Ameríndios, dedicada à cultura de etnias indígenas sul-americanas. Recentemente, ela também criou o site-conceito Na Tela Rutila das Pálpebras.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete