Literatura

‘Perambule’, a alegria e a nostalgia dos dias

Novo livro de Fabrício Corsaletti, da Editora 34, cumpre com perfeição o mandato da crônica, da literatura ao rés do chão

Foto de capa do 'Perambule'
Foto de capa do 'Perambule'ALEXANDRE KOK (REPRODUÇÃO)

Mais informações

No texto de abertura da coletânea, Corsaletti fala sobre Paterson, um dos filmes mais tocantes de 2017, sem dizer quase nada sobre o filme. Opta, ao contrário, por descrever a trivialidade de um dia: o despertador tocou, ele beijou a namorada, ouviu buzinas, reparou numa paisagem familiar, nuns estudantes saindo da faculdade, pensou no bar que um dia abriria e, por fim, concluiu que o melhor é não ter bar nenhum.

Com isso, mesmo sem conhecer o filme, dirigido por Jim Jamursch, em que um motorista de ônibus e poeta nas horas vagas leva a existência mais frugal e cotidiana possível, já sabemos tudo o que é necessário saber sobre o enredo. No parágrafo derradeiro do texto, Corsaletti arremata: "Sobrou pouco espaço para falar do filme, mas concordo: os melhores poemas são escritos no ar, motoristas de ônibus vão salvar o planeta, a serenidade é cheia de fósforos".

Outro modo de apresentar Perambule, que organiza textos de Corsaletti publicados na Folha de S. Paulo entre 2014 e 2017, seria, como faz Gregorio Duvivier na orelha do livro, dizer que o escritor é herdeiro direto de Rubem Braga – o cronista da borboleta-amarela, que era capaz de colocar o sentimento do mundo em um texto sobre a observação matutina, a partir de uma varanda distante algumas quadras do mar, de um homem atravessando Ipanema a nado.

Aqui, então, também poderia se dizer que o texto de Corsaletti não é apenas herdeiro de Braga, mas cumpre com perfeição o papel que Antonio Candido confere às crônicas, sendo uma literatura ao rés do chão, desimportante. O nome do livro, por isso, não poderia ser outro. Perambule, no imperativo, não como uma ordem, mas sim como uma referência a um poema de Waly Salomão que, em outras palavras, diz que perambular é o que nos faz humanos, nossa melancolia e alegria.

Só que, entre a artimanha de Corsaletti para falar sobre Paterson, e a localização de seu livro numa tradição histórico-literária-brasileira com patentes e linhagens bem definidas, o melhor, com certeza, é ficar com a artimanha do autor.

Assim, sem medo de ser cafona, Perambule, é sobre o café preto que engolimos de manhã; a lojinha de japoneses que nos chama atenção todo dia no caminho do trabalho; a criança que pede esmola na mesa do bar; a etílica interpretação de My Way às quatro da manhã em um karaokê tão alegre quanto decadente; a lembrança de quando nosso irmão mais novo se acidentou e ficamos impotentes diante da cena; a incrível história de um padre brasileiro que morreu, perdido no Atlântico, ao achar que poderia voar suspenso por balões de gás hélio.