“Ele tem condições para estar na posição”, diz Tite sobre filho na seleção

Filho do técnico, auxiliar Matheus Bachi ascende e agora instrui atletas em campo. Há três anos, Código de Ética da CBF precisou ser reformulado para acomodá-lo

Matheus Bachi, filho de Tite, é um dos auxiliares da seleção brasileira.
Matheus Bachi, filho de Tite, é um dos auxiliares da seleção brasileira.Lucas Figueiredo (CBF)
Mais informações

Com perfil discreto, Matheus Bachi, de 30 anos, tem posição de destaque na comissão técnica da seleção brasileira. Ele é um dos principais auxiliares de Tite. Além disso, também é seu filho. Trabalham juntos desde 2015, no Corinthians. Para levá-lo à seleção, o treinador recebeu uma concessão da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que precisou alterar seu Código de Ética que vedava a contratação de parentes de qualquer funcionário. Diante do impasse, a confederação remendou o estatuto e abriu exceção para integrantes do departamento de futebol.

No último mês, Matheus ganhou ainda mais protagonismo. Com a saída do antigo assistente de Tite, Sylvinho, que aceitou oferta para treinar o Lyon, o filho do técnico galgou um degrau na hierarquia da comissão técnica da seleção. Por escolha do treinador, todos ascenderam com a saída de Sylvinho, e o filho agora acompanha os jogos do banco de reservas e tem passado instruções aos atletas na Copa América. Antes, seu papel era mais reservado. Ele ficava na tribuna, de onde analisava as movimentações das equipes e dos jogadores.

Nesta terça-feira, durante a entrevista coletiva após o empate do Brasil contra a Venezuela, na Fonte Nova, a reportagem do EL PAÍS questionou o técnico sobre o vínculo paterno com seu auxiliar e homem de confiança na seleção. Tite não se estendeu na resposta. “Tenho muito orgulho da capacidade do Matheus [Bachi]. Ele está guinado em posições onde tem verdadeiramente condições para estar”, afirmou o treinador antes de concluir. “Campeão brasileiro, com a maior história dentro do Corinthians comigo.”

A CBF endossa a justificativa do treinador e não enquadra a presença do filho de Tite na comissão como prática de nepotismo. Dirigentes da confederação ressaltam que, além da experiência ao lado do pai no Corinthians, Matheus estudou e fez estágios no exterior —ele se formou para ser treinador nos EUA e, quando voltou, ganhou um estágio no Caxias, clube que projetou a carreira do genitor. Por isso, diz a confederação, apresenta credenciais para ocupar o cargo, independentemente do grau direto de parentesco com seu chefe.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: