‘O Mecanismo’ e o desafio de contar um escândalo que ainda não terminou

Segunda temporada do thriller estreia um dia após nova prisão na Lava Jato. Padilha: "STF é a corte mais lenta do mundo para julgar políticos e pessoas com foro"

Cena da segunda temporada de 'O Mecanismo'.
Cena da segunda temporada de 'O Mecanismo'. Divulgação

Mais informações

Existem várias maneiras de acompanhar um dos maiores casos de corrupção do mundo. É possível se informar pela imprensa tradicional sobre a investigação que abalou os alicerces de boa parte da política latino-americana, com suas tramas, subtramas, episódios dramáticos e giros inesperados. E, pelo menos no Brasil, com os tuítes de alguns dos protagonistas. É um cipoal difícil de seguir detalhadamente para quem não é especialista. Mas também é possível acompanhar a versão condensada, dramatizada e ficcionalizada, a série O Mecanismo, que o premiado cineasta José Padilha dirigiu para a Netflix. A estreia da segunda temporada desse thriller, nesta sexta-feira, praticamente coincidiu com uma dessas detenções recentemente impensáveis, mas que viraram rotina. Desde esta quinta, o Brasil volta a ter dois ex-presidentes atrás das grades, Luis Inácio Lula da Silva e Michel Temer, que esteve no cargo até em 31 de dezembro e já havia sido detido anteriormente neste ano. Mandatários de partidos diferentes, o que é uma das chaves do assunto, segundo o diretor.

A corrupção como lubrificante do sistema. "Minha tese é de que a nossa roubalheira é sistêmica, acontece a despeito do partido que toma o poder, e não tem ideologia. Acontece na esquerda e na direita”, afirma Padilha numa entrevista por escrito. É o diretor que familiarizou a plateia mundial com a polícia carioca em Tropa de Elite. “Basicamente, defendo a tese de que o funcionamento democrático brasileiro, desde a sua origem, com Sarney e depois Collor, pressupõe a corrupção, a troca de quinhões de recursos públicos por recursos de campanha, e o enriquecimento ilícito de grandes fornecedores do governo, empreiteiras e grandes bancos comerciais, e de políticos de PMDB, PSDB e PT”. É um mecanismo bem azeitado, daí o título da série.

Todos os ex-presidentes vivos, exceto Fernando Henrique Cardoso, foram investigados no escândalo de subornos que emana da Petrobras e causou um terremoto político no Brasil e no Peru, com réplicas nas últimas semanas e dias.

A nova temporada leva o espectador a vários anos atrás. Para quando o Brasil tinha uma presidenta que depois seria destituída — no que para Padilha foi “um golpe” —, e o juiz que dirigia as investigações era apenas um cruzado anticorrupção (hoje é o ministro da Justiça de Bolsonaro). Em O Mecanismo, o policial aposentado Ruffo é a alma de uma investigação comandada nas ruas pela delegada Verena contra os homens mais poderosos da política e dos negócios do país, sem perder de vista Ibrahim, um aparente coadjuvante com um papel-chave no mecanismo que corrompe as vísceras do Estado. Eles compartilham com o fictício Ricardo Brecht o protagonismo destes oito novos capítulos. O verdadeiro Marcelo Odebrecht, empresário dono da maior empreiteira latino-americana, subornou a boa parte da classe política da região.

Criar uma série de semificção sobre um caso judicial tão vivo é um desafio que Padilha assumiu ao parir a série, baseada num livro de Vladimir Netto. “A Lava Jato vai ficar aberta por muito tempo. Sobretudo os casos brasileiros que foram parar no STF, a corte mais lenta do mundo para julgar políticos e pessoas com foro privilegiado acusadas de corrupção… De modo que não havia a possibilidade de esperar a conclusão das investigações.” O caso se chama Lava Jato porque o primeiro fio dessa meada puxado pela polícia foi um posto de gasolina com lavagem de veículos em Brasília.

Qualquer um que estiver familiarizado com o caso judicial reconhece imediatamente os principais protagonistas reais em seus personagens de ficção, e o grau de escrutínio de cada detalhe e de cada frase é absoluto para o público brasileiro. Nestes tempos de desinformação, é importante para os implicados deixar claro o que é real e o que é ficção. A primeira temporada foi muito duramente criticada pelo PT e apontado como parte da caça às bruxas contra Lula, que ameaçou levar a Netflix aos tribunais.

O diretor salienta que não se arrepende da forma como vem retratando o juiz Sergio Moro, que em janeiro passado deixou a toga para entrar no Governo Bolsonaro como ministro da Justiça. “Moro é retratado de maneira fiel ao que fez na época em que foi retratado”, afirma, para citar outro exemplo: “Quem votou no Lula sindicalista, votou no sujeito que governou com Temer e participou do Mensalão e do Petrolão? Certamente não. A esta altura Lula ainda não tinha cometido os crimes”.

O caso real levou à reclusão de Lula e Temer, à prisão domiciliar do empresário Odebrecht e, no episódio real mais dramático, ao suicídio do ex-presidente peruano Alan García. Para milhões de latino-americanos, resultou em uma enorme desconfiança de toda a classe política.