Michel Temer se entrega à polícia em São Paulo

Ex-presidente teve habeas corpus revogado pelo TRF-2 nesta quarta-feira

Temer em foto de 7 de junho de 2017, quando era presidente da República
Temer em foto de 7 de junho de 2017, quando era presidente da RepúblicaEVARISTO SA (AFP)

Mais informações

Eles saíram de Puerto la Cruz, no norte da Venezuela, atravessaram o Brasil e se estabeleceram em São Leopoldo para driblar a convulsão político-econômica que há pelo menos cinco anos abate seu país. Da pequena cidade no Rio Grande do Sul, partiram rumo a Porto Alegre para acompanhar a estreia da seleção venezuelana na Copa América. “É um orgulho vir ao estádio apoiar nossa seleção”, diz o técnico de elevadores José Jaramillo, de 31 anos. “Não poderíamos perder essa oportunidade”, complementa o amigo Daniel Pino, 30. “Somos um povo apaixonado por futebol.”

Mas a paixão exaltada por Pino nunca foi uma febre nacional como agora. Próxima adversária do Brasil, a Venezuela sempre se destacou como “o país do beisebol” na América do Sul. Por lá, o futebol só se tornou um esporte notado no fim da década de 50, mas sem nenhuma devoção. Por décadas, a seleção conhecida como La Vinotinto acostumou-se ao papel de saco de pancadas nas competições continentais. No início dos anos 2000, porém, a chave começou a virar.

Em 2002, pela primeira vez não terminou as Eliminatórias para a Copa do Mundo como última colocada, vencendo quatro jogos na reta final. Os investimentos do governo no futebol aumentaram consideravelmente durante os mandatos de Hugo Chávez. Em 2007, o país gastou mais de 700 milhões de dólares para sediar a Copa América. Viu sua seleção chegar às quartas de final, com estádios superando a média de 40.000 torcedores por partida. O sucesso da competição não serviu para turbinar a liga local, que ainda sofre com infraestrutura precária e equipes semiamadoras, mas ajudou a impulsionar a popularização da modalidade.

Jaramillo atribui à passagem de Richard Páez pelo comando da Vinotinto o divisor de águas para o futebol venezuelano. Ele dirigiu a seleção entre 2001 e 2007. Seu legado, muito além dos resultados, foi ter sistematizado as categorias de base no país e promovido uma renovação com vários jovens jogadores. “A semente plantada”, segundo Pino, seguiu dando frutos. A equipe alcançou suas melhores campanhas nas Eliminatórias para os Mundiais de 2010 e 2014, além de um quarto lugar na Copa América 2011. Porém, a fonte dos petrodólares, que já não era tão generosa quanto no início do chavismo, secou. Os clubes locais ficaram ainda mais fragilizados, e jogadores passaram a buscar destinos internacionais como refúgio à crise no país.

Como não se contaminar pelo turbilhão político, econômico e social que domina o noticiário? A seleção venezuela adquiriu uma espécie de “blindagem anticrise”, como explica o meia Seijas, que jogou duas temporadas no Brasil – por Internacional e Chapecoense – e hoje atua no Santa Fe, da Colômbia. “Deixamos nossas diferenças de lado e trabalhamos unidos por um objetivo. Isso é o que nós queremos transmitir para o nosso país.” Ele é um dos jogadores mais críticos ao regime de Nicolás Maduro. Já manifestou sua contrariedade com o governo boliviariano, que qualifica como “ditadura criminosa”, e não hesita em reivindicar a saída imediata do poder de Maduro e seus apoiadores. “Sempre demonstrei o que eu penso”, disse após o empate com o Peru na Arena do Grêmio, em Porto Alegre. “Nós jogamos para as pessoas, não para o governo. Não tem como esconder o que acontece lá. É necessária uma mudança, já deu.”

Maior artilheiro da história da seleção, Salomon Rondón também engrossa o coro de jogadores oposicionistas a Maduro, mas adota um discurso mais comedido. “Antes de jogador, sou um ser humano que sente muito a situação do nosso país. Tudo o que queremos é fazer com que as pessoas se esqueçam por algumas horas do que estão vivendo”, afirma o atacante do West Bromwich, da Inglaterra. “Jogar pelos venezuelanos” e “dar alegria ao povo” são respostas mais comuns entre os integrantes da Vinotinto ao falar sobre a crise no país, em especial o técnico Rafael Dudamel.

Ex-goleiro da seleção, ele assumiu o comando do time em 2016 e é o responsável por apagar vários incêndios internos, como administrar a relação entre jogadores insatisfeitos com o governo e a federação do país, controlada por dirigentes ligados a Maduro. Também coordena as seleções de base. No Mundial sub-20, em 2017, conduziu os venezuelanos a uma inédita final, em que acabaram derrotados pela Inglaterra. Após seu time superar o Uruguai na semifinal, Dudamel fez um duro desabafo contra o presidente, exigindo um cessar-fogo à repressão de protestos que deixou mais de uma centena de mortos.

Desde a repercussão da fala, o treinador tem evitado críticas públicas ao governo. Em março deste ano, quando a Venezuela bateu a Argentina, de Lionel Messi, em Madri, ele recriminou a tentativa de uso político da visita de um embaixador vinculado ao presidente autoproclamado Juan Guaidó, condenando a oposição a Maduro por se aproveitar de uma vitória da seleção para se promover. Na Copa América, alheio às disputas pelo poder, o ex-goleiro se esforça para convencer seus jogadores de que a Vinotinto deve ser protagonista no torneio.

O retrospecto recente é animador. Conquistou quatro vitórias e três empates nos últimos oito amistosos. Na estreia, contra o Peru, teve um jogador expulso, mas conseguiu segurar o empate. Confiante, a Vinotinto agora sonha desbancar a seleção brasileira em seus domínios numa competição oficial. “Entendemos o favoritismo do Brasil, mas nós acreditamos que é possível vencê-la”, afirma Seijas, destacando a rodagem de um elenco em que apenas dois jogadores atuam no futebol venezuelano. “Não temos medo de jogar. Fomos preparados desde a base para os grandes confrontos. Ter muitos atletas jogando no exterior nos dá confiança e, também, tranquilidade, já que não vivenciamos tão de perto os mesmos problemas do dia a dia que nossos compatriotas.”

Apesar do distanciamento, os venezuelanos dizem se sentir muito bem representados pelos jogadores da Vinotinto. Em minoria no estádio em Porto Alegre, era visível a emoção dos torcedores por estarem próximos dos ídolos. “Esse é um time que se identifica com o povo”, diz José Jaramillo, batendo sobre o escudo em sua camisa. Para o zagueiro Mikel Villanueva, que joga no futebol espanhol há quatro temporadas, o sentimento de representatividade tem a ver com o fato de a seleção não assumir nenhuma bandeira política. E de se entregar em campo como se, fora dele, não houvesse tantos problemas. “É uma honra ainda maior representar o país nesse momento de dificuldade para todos os venezuelanos. Queremos deixar a alma por eles.”