Da euforia à realidade, mercado reduz expectativas pela oitava vez seguida

Maior banco privado do país, Itaú já projeta crescimento zero para o primeiro trimestre. Brasil contraria a expectativa de geração de empregos e tem 43 mil vagas de trabalho fechadas

Mário Mesquita, economista-chefe do Itaú.
Mário Mesquita, economista-chefe do Itaú.Divulgação

Mais informações

A expectativa do mercado financeiro de que a economia brasileira finalmente fosse deslanchar em 2019, com um crescimento estimado de 3%, parece cada dia mais distante. Na última semana, a mediana das projeções das instituições financeiras para o PIB deste ano foi reduzida de 1,95% para 1,71%, segundo pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central. Foi a oitava queda consecutiva das projeções de crescimento. Outro dado que reforça o clima de desaceleração do otimismo é o da geração de emprego no Brasil. Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o país fechou 43.196 vagas formais de emprego em março, quando a expectativa era pela geração de 79 mil postos de trabalho. “Os setores que normalmente admitiam nesta época do ano anteciparam as contratações para fevereiro, e aqueles que demitiam concentraram as demissões em março. O fato provocou tendências opostas entre os meses”, justificou o Ministério da Economia. O resultado é o pior desde março de 2017, quando foram fechadas 63 mil vagas.

Algumas instituições jogaram o crescimento deste ano ainda mais para baixo. O Itaú — o maior banco privado do país — reduziu sua estimativa de 2% para 1,3%, colocando o desempenho de 2019 bem perto do pífio PIB de 1,1% do ano passado. Para o economista-chefe do Itaú, Mário Mesquita, a piora na projeção para este ano pode ser atribuída há uma combinação de fatores: fraco nível de atividade econômica desde o ano passado, desaceleração da economia mundial e um resultado pior do setor agronegócio.

“A economia perdeu um certo impulso no fim do ano passado e manteve esse crescimento mais fraco no início deste ano. O ponto de partida mais fraco contribui para gente projetar um crescimento não muito diferente do ano passado”, explicou o economista em evento do banco em São Paulo. Se essa aposta mais negativa se confirmar, 2019 pode registrar o terceiro ano consecutivo de crescimento medíocre em um país que hoje enfrenta uma alta taxa de desemprego, que atinge 13 milhões de brasileiros.

A previsão, segundo Mesquita, é que o resultado da atividade deste primeiro trimestre feche, inclusive, em zero ou negativo, atrasando ainda mais a retomada dos empregos. "O PIB está praticamente de lado desde o fim do ano passado. O que vemos é que a economia está em compasso de espera a respeito da trajetória fiscal", diz. Na avaliação do economista, o que falta para a retomada é o retorno dos investimentos, que só voltarão quando houver uma perspectiva de longo e médio prazo mais clara, que hoje ainda continua nebulosa. "A situação atual tem a ver com a incerteza de qual será a evolução da dívida pública, da carga tributária e da Reforma da Previdência", diz.

Em uma de suas projeções, o banco Itaú calcula que, caso a Reforma da Previdência não passe no Congresso, a dívida pública poderia ultrapassar 100% do PIB em 2027. A instituição trabalha, porém, com uma estimativa mais positiva: de que o projeto, que se alonga em sessões da Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara, deve conseguir passar com uma diluição de 25% a 50% do proposto inicialmente pelo Governo de Jair Bolsonaro, que prevê uma economia de 1,1 trilhão de reais em 10 anos.

“Com a reforma, pode haver um ganho da confiança e crescimento de investimento e, por isso, esperamos um crescimento de 2,5% para o ano que vem”, disse o economista. “Em 2019, ainda há muita incerteza, muito ruído sobre a aprovação", disse o economista.

O diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Viana, concorda que a atividade econômica no país desacelerou no fim do ano devido a grau maior de incerteza e que a mesma tendência foi observada no começo do ano. Apesar do ritmo aquém do esperado, o cenário do BC é ainda de "continuidade da recuperação gradual da economia", disse Viana também no evento promovido pelo Itaú.

Em sua apresentação, o diretor ressaltou, entretanto, que para a recuperação sustentável da economia e a manutenção da inflação baixa e da queda de juros é essencial a continuidade dos processos de reformas e ajustes.

Na avaliação do diretor da consultoria norte-americana de risco político Eurasia, Christopher Garman, os três anos de debates sobre a reforma da Previdência fizeram diferença e atualmente parece haver consenso em Brasília de que "alguma reforma" é necessária. "Parece que o ambiente está mais favorável para a aprovação", disse ele em evento do Itaú Unibanco na capital paulista. A Eurasia prevê que o texto possa sofrer desidratação e a economia fiscal se reduzir a algo entre 400 bilhões de reais e 500 bilhões em 10 anos.

Em um ambiente de mais dúvidas que certezas, coube ao secretário da Secretaria Especial de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar, mostrar uma dose de otimismo e segurança ao público do evento. Ele afirmou que o Governo segue convicto de que vai conseguir aprovar uma reforma da Previdência com economia fiscal em 10 anos de no mínimo 1,1 trilhão, apesar de o mercado estar convencido de que o valor deve ser menor. "Desidratação é a palavra do momento, mas acho que Congresso será sensato", disse, durante apresentação no evento do Itaú Unibanco.

Mattar ainda defendeu a redução do tamanho do Estado e a privatização de várias estatais em sua apresentação. "Não existe estatal eficiente, se é eficiente não precisa de monopólio para sobreviver. O governo tem que cuidar da segurança, das relações exteriores e da defesa e precisa sair dos negócios", disse.  O secretário afirmou ainda que quer convencer membros do governo a privatizar todas as 134 estatais federais, inclusive Banco do Brasil, Caixa e Petrobras.