Cinco adolescentes israelenses presos pela morte de uma palestina com uma pedrada na Cisjordânia

Os jovens, estudantes de um seminário rabínico ortodoxo, foram presos e acusados do crime de terrorismo, o que provocou uma onda de protestos de colonos e militantes ultranacionalistas

Funeral de Aisha ao Rawbi, o passado outubro.
Funeral de Aisha ao Rawbi, o passado outubro. (Reuters)

As autoridades israelenses prenderam cinco seminaristas judeus, todos menores de idade, acusados de matar uma mulher palestina na zona ocupada da Cisjordânia. Os acontecimentos tiveram lugar no dia 12 de outubro, enquanto Aisha al-Rawbi dirigia em uma estrada de Nablus e foi supostamente atacada por esses jovens. A mulher, de 48 anos e mãe de nove filhos, morreu pelo impacto de uma pedra atirada em seu veículo que entrou pela janela.

MAIS INFORMAÇÕES

Os detidos são suspeitos de “crimes terroristas graves, incluindo assassinato”, segundo o comunicado do Shin Bet (serviço de segurança interna de Israel). Os jovens são estudantes de um seminário rabínico em Rehelim, um assentamento israelense próximo do lugar dos fatos. Sua prisão causou uma onda de protestos violentos de colonos e militantes ultranacionalistas.

O advogado de defesa e os familiares dos jovens afirmam que as autoridades não têm provas robustas do suposto assassinato da mulher palestina e que os adolescentes foram torturados para obrigá-los a confessar. “Exijo que o primeiro-ministro [Benjamin Netanyahu] dê um soco na mesa e coloque ordem aqui, é hora de parar os agentes do Shain Bet”, disse o advogado. O serviço de inteligência respondeu que os interrogatórios estavam de acordo com a legislação vigente.

Aumentam ataques contra palestinos

Em 2018 foram 482 ataques de vandalismo cometidos por israelenses judeus que reclamam a propriedade dos territórios palestinos, de acordo com um mandato das Sagradas Escrituras. Em 2017 foram 140. O que esses extremistas costumam fazer é furar pneus de carros palestinos durante a madrugada, pintar slogans contra os árabes nas paredes de suas casas e inclusive agredi-los. Em pelo menos duas ocasiões tentaram incendiar duas mesquitas. Estima-se que os vândalos, com idades entre 15 e 16 anos, sejam cerca de 300.

Um dos incidentes mais graves provocados por esses extremistas, conhecidos como jovens das colinas, foi o assassinato há dois anos de um casal e um de seus filhos na aldeia de Duma, depois de terem lançado uma Granada que explodiu na casa da família.

Pelo menos uma centena de rabinos que ensinam nessas academias religiosas ortodoxas (yeshivás) pediu ao Governo israelense a libertação dos cinco prisioneiros. No entanto, o marido da vítima concordou com a prisão dos jovens. “Embora isso não traga minha mulher de volta”, disse aos jornalistas.

Arquivado Em: