Seleccione Edição
Login

EUA blindam Israel e acusam Irã de fomentar a violência

França e Reino Unido exigem no Conselho de Segurança que se investigue o uso de munição contra civis palestinos

Riyad Mansur, embaixador da Palestina na ONU.
Riyad Mansur, embaixador da Palestina na ONU. EFE

MAIS INFORMAÇÕES

Os Estados Unidos cerram fileiras ao redor de Israel. "Nenhum país teria agido com mais contenção", afirmou ao Conselho de Segurança das Nações Unidas a embaixadora Nikki Haley, referindo-se ao banho de sangue em Gaza durante os protestos pela inauguração da embaixada norte-americana em Jerusalém. A representante do Governo Trump aproveitou para apontar o Irã como responsável pela tensão no Oriente Médio, com seu apoio "aos terroristas" do Hamas.

O debate, convocado com caráter de emergência a pedido do Kuwait, começou com um minuto de silêncio em memória das mais de cem vítimas desta onda de violência que começou no final de março. O secretário-geral da ONU, António Guterres, já havia se declarado "profundamente alarmado" com a situação e pediu expressamente às autoridades de Israel que "calibrem" o uso da força contra os manifestantes.

Nickolay Mladenov, coordenador especial para o processo de Paz no Oriente Médio, participou por videoconferência de Jerusalém. "Não há desculpa para os assassinatos", condenou, dirigindo-se às duas partes em conflito, "e muito menos para a causa da paz". "A irritação da população, se não for canalizada de uma maneira construtiva, levará a mais destruição", alertou, em referência à frustração crescente dos palestinos. "É preciso dar um passo à frente e impedir a guerra."

O Kuwait, que ocupa em nome dos países árabes um assento no Conselho até 2019, apresentou na véspera da reunião um rascunho de declaração que condenava a matança de civis e solicitava uma investigação que permitisse apurar responsabilidades. Os EUA bloquearam a iniciativa, e agora buscam como alternativa uma resolução que garanta a proteção dos civis, "para que Israel se responsabilize como força ocupante".

Israel também pede ao Conselho de Segurança que se pronuncie, mas no seu caso o embaixador Danny Danon considera que deveria ser para condenar o Hamas por estimular milhares de palestinos a cometerem atos de violência contra civis israelenses, "incitando-os a violar a fronteira" de Gaza. "Não há nada de pacífico nestes protestos", reiterou. "A mudança da embaixada é uma desculpa." Assim, defendeu o direito de qualquer país à autodefesa "contra um movimento planejado pelo Hamas".

Os Estados Unidos, seu principal aliado na ONU, também responsabilizam diretamente o Hamas pelo massacre. "Estou satisfeita com os resultados de ontem [segunda-feira], que ninguém se engane", afirmou a embaixadora Haley. Ela reiterou também que a mudança da embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém não representa uma reviravolta no processo de paz. "É o correto, é nosso direito, e deve ser motivo de comemoração. A paz só pode ser obtida se a realidade for reconhecida", insistiu.

Karen Pierce, representante do Reino Unido, reconheceu o direito de Israel a se defender, mas se mostrou partidária de investigar de forma independente a conduta das suas forças militares. "O volume de munição utilizado não pode ser ignorado", declarou. Seu homólogo francês, François Delattre, advertiu de que se vive uma situação "muito próxima à de uma tempestade perfeita". "Condenamos os disparos indiscriminados contra manifestantes", disse. "Isto só reforça os radicais."

O enviado das Nações Unidas insistiu durante o debate que a atual situação mostra "a urgente necessidade" de chegar a uma solução política do conflito. O secretário-geral da ONU reiterou na segunda-feira que a única alternativa "viável" é a solução com dois Estados, "com a Palestina e Israel vivendo como vizinhos em paz, e Jerusalém como capital [de ambos]". O temor é que esta escalada degenere em um conflito religioso que desestabilize toda a região.

MAIS INFORMAÇÕES