Seleccione Edição
Login

Atriz denuncia colega por estupro e dá início a ‘#MeToo argentino’

Inúmeras mulheres decidiram relatar abusos sofridos após depoimento de Thelma Fardín contra o popular ator Juan Darthés

Atrizes argentinas na reunião em que tornaram pública a denúncia contra Darthés
Atrizes argentinas na reunião em que tornaram pública a denúncia contra Darthés AFP

“Hoje percebo que tinha seis anos quando comecei a sofrer o abuso de um homem.” “Esse cara me obrigava a fazer sexo oral, me tocava enquanto eu dizia não.” “Quando começamos a fazer doía tanto que comecei a chorar, não queria.” “Acabou na minha boca sem o meu consentimento.” “Só lembro que entraram, me colocaram de bruços sobre uma cama e enquanto um me penetrava o outro me dizia ‘vai, marica, continue chorando.’” Dezenas de vítimas de abusos silenciados durante anos decidiram contá-los pela primeira vez depois da denúncia por suposta violação da atriz argentina Thelma Fardín contra seu colega de rodagem Juan Darthés. #NoNosCallamosMás, #MiraComoNosPonemos, dizem as autoras de cada nova confissão. O movimento é semelhante ao que começou no ano passado nos Estados Unidos após uma denúncia de abuso contra o famoso produtor de Hollywood Harvey Weinstein, que suscitou diversos outros relatos de atrizes sob a hashtag #MeToo.

Fardín também resolveu falar depois que outras quebraram o silêncio. “Durante nove anos eu anulei isso para poder seguir em frente. Até que alguns meses atrás ouvi outra menina acusar alguém”, começa Fardín no vídeo comovente em que conta como Darthés, que tinha 45 anos na época, abusou dela quando tinha 16 anos durante uma turnê na Nicarágua. Antes dela, o ator havia sido acusado de assédio por três outras intérpretes: Calu Rivero, Natalia Juncos e Ana Coacci.

O depoimento de Fardín chocou a sociedade argentina. Apareceu em todas as primeiras páginas dos jornais, abriu os noticiários de televisão e esteve presente em inúmeras conversas nas reuniões familiares, nas escolas e locais de trabalho. Durante o debate sobre a interrupção legal da gravidez, muitas mulheres confessaram ter abortado. Nestes dias, a catarse coletiva inclui colocar em palavras atos de violência sofridos na própria carne.

“[Minha mãe] me disse este ano que graças a mim e à minha irmã estava se desconstruindo. Que havia naturalizado tantas violências em sua vida que não podia mais. Ontem ela me disse que estava machucada, enojada e irritada”, escreveu a jornalista Natalia Sands no portal Cosecha Roja. “Minha avó acabou de me contar uma situação de abuso que sofreu aos sete anos. Ela tem 84, nunca tinha falado. Eu não posso acreditar”, contou no Twitter uma argentina. “Levei 30 anos para poder falar [...] o marido da minha avó, eu uma menina de nove anos, abusou de mim e me disse não conte nada à sua avó e à sua mãe porque vão ficar bravas com você... Ainda estou traumatizada”, disse outra.

Em vídeo, a atriz Thelma Fardín denuncia o abuso
Em vídeo, a atriz Thelma Fardín denuncia o abuso

Darthés é um ator muito popular na Argentina. Há mais de 20 anos os telespectadores o seguem nas séries que protagoniza e nas quais representa papéis de galã e de pai de família. Tem fã-clubes. É conhecido em outros países latino-americanos nos quais chegaram essas produções televisivas.

Sua fama contribuiu para que num primeiro momento muitos não acreditassem nas acusações que começaram a aparecer contra ele. Atores e atrizes saíram para defendê-lo, afirmando que era um “cavalheiro” e um “homem respeitoso”. Ao ser acusado, Darthés contra-atacou com um pedido de indenização por perdas e danos contra Rivero. Mas a queixa criminal de Fardín o deixou isolado. Sua advogada renunciou na terça-feira. Nesta quinta-feira, 13, o ator não apareceu na instância de mediação do juízo contra Rivero. Ela sim. “É um dia em que, finalmente, a mulher ganhou, eu me sinto poderosa, me sinto ouvida, me sinto a salvo, obrigada, estou aqui parada em nome de todas as mulheres, somos muito fortes”, disse a atriz ao sair do tribunal.

Darthés negou as acusações na televisão. “Ela se insinuou para mim”, disse o ator. “Eu disse a ela: ‘Thelma, você tem a idade dos meus filhos, saia daqui’”, continuou ao dar sua versão dos fatos sobre o que aconteceu na Nicarágua em 2009.

Chamadas aumentam 1240%

O caso fez disparar as chamadas para denunciar casos de violência. A linha telefônica nacional contra o abuso sexual infantil registrou um aumento de 1.240% nas ligações nos dois dias seguintes à denúncia de Fardín, com um pulo de 16 chamadas para 240, informou o Ministério da Justiça. Desde que o serviço entrou em funcionamento, há dois anos, recebeu mais de 5.000 telefonemas. Sete em cada dez vítimas de abuso com menos de 18 anos são meninas e 51% têm menos de 11 anos, segundo dados oficiais.

A denúncia contra Darthés voltou a dar impulso ao movimento feminista na Argentina, que desde 2015, com o surgimento do movimento Ni Una Menos, saiu de forma maciça às ruas para exigir uma mudança cultural. Sob o slogan “#YoSiTeCreo”, o mesmo que se popularizou depois da polêmica sentença contra o grupo La Manada, na Espanha, as argentinas pedem que se acredite nos relatos das vítimas em vez de questioná-las.

MAIS INFORMAÇÕES