Seleccione Edição
Login

Aborto tem queda histórica nos EUA, mas direito está ameaçado por corte de verbas do governo

As interrupções da gravidez caíram 24% na última década até alcançar a cifra mais baixa registrada desde sua legalização

Um protesto feminista nos Estados Unidos.
Um protesto feminista nos Estados Unidos. Getty

As mulheres a cada ano abortam menos nos Estados Unidos. Uma forte queda de 24% entre 2006 e 2015 foi revelada nesta quarta-feira pelo Centro para o Controle das Doenças (CDC). Os 638.169 procedimentos realizados no último ano para o qual há dados disponíveis são o menor valor histórico registrado desde a descriminalização do aborto nos EUA em 1973. "Isso se deve, em grande parte, ao acesso a métodos contraceptivos eficazes e de baixo custo. "Explica a Dra. Leana Wen, da Planned Parenthood, uma ONG que presta serviços de saúde reprodutiva. Ironicamente, as estatísticas chegam apenas algumas semanas depois que o governo de Donald Trump revogou uma lei que exigia que os empregadores incluíssem contraceptivos no plano de saúde oferecido a seus funcionários.

Quando a Suprema Corte norte-americana legalizou o aborto, os números dispararam. Nos anos oitenta alcançaram seu clímax, mas desde então eles estão recuando progressivamente. Na linha descendente há apenas uma interrupção entre o 2006 e 2008, onde houve um ligeiro aumento. Entretanto, desde então as estatísticas diminuíram com maior velocidade e em todos os grupos; idade, raça, história reprodutiva, segundo o estudo "Vigilância do aborto - os Estados Unidos 2015".

Todos os grupos por idade e grupos étnicos diminuíram seus números. A taxa (número de abortos por 1.000 mulheres) foi de 11,8 entre 15 e 44 anos. Se dividida por geração, o percentual de adolescentes caiu 54% entre 2006 e 2015. "Essa diminuição na taxa de abortos é a maior taxa apresentada por qualquer faixa etária", disse o CDC em um comunicado. Os jovens de vinte anos continuam liderando o grupo que mais passa por esse procedimento: seis de cada dez abortos são realizados com eles. Por raça ou origem, as mulheres brancas não hispânicas e as negras não hispânicas representaram o maior percentual de todos os abortos (36,9% e 36,0%, respectivamente).

Durante o mandato de Barack Obama e do atual, os fundos para o financiamento público de instituições dedicadas aos direitos reprodutivos foram esgotados. Nos primeiros meses deste governo, Trump assinou um regulamento que permitia aos Estados retirar o financiamento público à Planned Parenthood. Em maio deste ano, Iowa aprovou a lei de aborto mais restritiva do país (nenhuma mulher pode abortar assim que um batimento cardíaco é detectado no feto). Os parlamentos de Kansas e Oklahoma pressionaram por leis gêmeas que ainda precisam ser aprovadas ou vetadas. Mas a cruzada conservadora sofreu um revés nesta semana. Depois que o Mississippi aprovou a proibição da maioria dos abortos após 15 semanas, um juiz na quarta-feira rejeitou a legislação alegando que ela viola os direitos constitucionais das mulheres.

"Em alguns estados, eles querem tirar nossos direitos e acesso a cuidados de saúde reprodutiva, incluindo restringir o que sabemos que funciona: métodos contraceptivos. Se quisermos continuar reduzindo a taxa de gravidez não planejada, devemos garantir que todas as pessoas tenham acesso a todos os métodos contraceptivos, juntamente com informações precisas e sem preconceitos e educação sexual", reflete o Dr. Wen.

MAIS INFORMAÇÕES