Seleccione Edição
Login

Petrobras se prepara para aprofundar guinada pró-mercado com Bolsonaro

Escolhido por Paulo Guedes receberá empresa menos endividada e promete distanciá-la ainda mais da política dos anos do PT

O novo presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco.
O novo presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco.

A esperada chegada de Roberto Castello Branco ao comando da Petrobras do Governo Bolsonaro reforça a guinada iniciada na petroleira por Pedro Parente há pouco mais de dois anos: uma empresa cada vez mais focada nas áreas de produção e exploração de petróleo e que busca reduzir a sua dívida bilionária com a venda de ativos considerados pouco rentáveis, principalmente os ligados à cadeia de distribuição e refino. O escolhido já frisou que a privatização do coração da empresa está fora dos planos, o que faz da subsidiária BR Distribuidora, a maior companhia do gênero da América Latina, avaliada em 27 bilhões de reais, a joia da coroa na mira dos compradores a partir de agora.

O perfil de Castello Branco e suas primeiras declarações após ter sido confirmado no cargo pelo futuro superministro da Economia do presidente eleito Jair Bolsonaro, Paulo Guedes, indicam que o período de mão forte do Governo na empresa que marcaram os últimos anos do PT no poder ficaram definitivamente para trás. Por isso, a indicação do economista —um ex-diretor do Banco Central e da mineradora Vale com um pós-doutorado na Universidade de Chicago— foi extremamente bem-recebida pelo mercado financeiro e por especialistas liberais do setor.

O futuro presidente da Petrobras também é a favor do ponto mais sensível do receituário pró-mercado, do ponto de vista da opinião pública: a manutenção da política de preços dos combustíveis que, alinhada ao mercado internacional, dita o valor final do diesel, da gasolina e do gás de cozinha para os brasileiros. Foi a oscilação brusca dos preços em um cenário de alta volatilidade externa que precipitou a histórica greve dos caminhoneiros em maio, apoiados pelo então pré-candidato Bolsonaro. A categoria arrancou do Governo Temer um programa de subsídios que expira em dezembro e o novo comando da estatal vai ter que decidir que rumos tomar a partir de então.

"[Castello Branco] vai encontrar uma Petrobras em plena recuperação. Ele vai encontrar a Petrobras com uma qualidade de governança incomparavelmente melhor. O grau de interferência do governo na Petrobras hoje é muito menor, ainda que ele seja o controlador", avalia Claudio Frischtak, fundador da consultoria de negócios Inter.B. "A Petrobras está hoje numa posição de voltar a ser uma grande empresa de petróleo. Não tem comparação com a Petrobras que o Pedro Parente recebeu", acrescenta Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE) e próximo da equipe de Bolsonaro.

A gigante de petróleo brasileira (criada na década de 50 pelo presidente Getúlio Vargas) se tornou um símbolo do ocaso vivido pela ex-presidente Dilma Rousseff, cercada por uma crise política e econômica sem precedentes que culminou na cassação do seu mandato. Enquanto a estatal se via envolvida em sucessivos escândalos de corrupção desvelados pela Operação Lava Jato, a política de retenção de preços da gasolina para segurar artificialmente a inflação resultou em perdas bilionárias para o seu caixa. Em 2014, a dívida da empresa era da ordem de 106 bilhões de dólares.

Após o impeachment de Dilma e a indicação de Parente para o posto, pelo presidente Michel Temer, foi iniciado um agressivo plano de venda de ativos e de desinvestimentos para reduzir esse montante. A estimativa, por exemplo, é que a Petrobras encerre este ano com uma dívida de 69 bilhões de dólares. Além do mais, a política de preços dos combustíveis foi modificada e passou a acompanhar as oscilações internacionais —a greve de caminhoneiros em protesto às regras levaria à demissão de Parente e a sua substituição pelo atual presidente Ivan Monteiro. 

A desvalorização do real frente ao dólar e a recuperação do valor do barril de petróleo também têm ajudado os resultados da Petrobras nos últimos meses: o lucro líquido da empresa atingiu no terceiro trimestre 6,6 bilhões de reais, ante 266 milhões no mesmo período do ano passado.

Planos modestos e debate com ala militar

A julgar pela sua primeira declaração desde que foi confirmado no cargo, Roberto Castello Branco promete aprofundar o receituário adotado por Parente. O novo presidente deu uma rápida entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo e disse que a Petrobras deve focar apenas nas atividades que têm competência para fazer. Na prática, isso significa que ele pretende dar prioridade à exploração e produção de petróleo, com especial ênfase no pré-sal, ao mesmo tempo em que trabalhará para reduzir a sua participação nas áreas de distribuição e de refino. "A Petrobras pode rever o monopólio nessa área [refino]. A competição é favorável a todos: à Petrobras e ao Brasil", declarou Castello Branco ao Estadão.

O futuro presidente da Petrobras é uma indicação direta do guru econômico de Bolsonaro, Paulo Guedes. De viés claramente liberal, Guedes é favorável a um amplo plano de privatização de estatais e, em entrevistas concedidas nos últimos meses, chegou a mencionar que isso poderia abarcar inclusive a Petrobras. Ao Valor Econômico, repetiu nesta segunda que a privatização do coração da empresa não está nos planos da futura administração. As falas tanto de Castello Branco quanto de Guedes se alinham com o que disse nesta segunda-feira o próprio presidente eleito. Bolsonaro afirmou que vê a Petrobras como "uma empresa estratégica que pode ser privatizada em parte".

Os dois especialistas no mercado de petróleo e gás ouvidos pelo EL PAÍS avaliam que, embora o novo governo seguramente dará sequência à redução da presença da Petrobras nas cadeias alheias à produção e exploração, dificilmente isso se reverterá numa privatização completa da petroleira. Para Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura, essa discussão precisa ser feito em um outro momento. "A gente tem que ter muito cuidado com essa questão. Privatizar a Petrobras não é o debate do momento. Tem outras coisas para fazer antes, como tornar a empresa lucrativa", diz. "Eu não vejo o governo [Bolsonaro] vendendo a Petrobras como um todo. Eu não vejo o Governo Bolsonaro gastando o capital político que ele tem que gastar em coisas extremamente críticas para o país vendendo a Petrobras", acrescenta Claudio Frischtak, da Inter.B.

Para além disso, há a própria resistência da ala militar dos aliados de Bolsonaro, como o seu vice, o general Hamilton Mourão. Para esse grupo, a Petrobras não só é uma empresa simbólica, mas "estratégica". Por isso, eles rechaçam a ideia de que toda a Petrobras venha a ser vendida.

MAIS INFORMAÇÕES